Postagem em destaque

Secretária em test-drive, Regina Duarte já defendeu cortes na cultura e atacou indíos

No ano passado, por exemplo, em entrevista ao jornalista Pedro Bial, da TV Globo, a atriz chegou a defender os cortes de verbas do govern...

domingo, 22 de outubro de 2017

Mulheres tecem resistência em filme sobre atingidas por barragens

resistencia
“Pra mim está sendo uma experiência muito boa porque eu nunca tinha participado. Vim pela primeira vez e fiquei muito emocionada porque nunca tinha visto na minha vida”, contou Elvira, após a sessão.
Ela vive no quilombo São Pedro, região do Vale do Ribeira, no estado de São Paulo e integra o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), entidade que organizou o filme de forma coletiva e autônoma.
A direção é assinada pelo coletivo de mulheres do Movimento e a narração é feita pela atriz Dira Paes. O filme exibe histórias das integrantes do MAB que utilizam técnica de bordado chilena chamada arpillera como meio para denunciar os crimes ambientais e as violações aos direitos humanos que as construções trazem para as comunidades delas.
“É muito gratificante estar divulgando através delas o nosso direito, nossa luta, o pedacinho da história que vivemos em cada comunidade. Temos algumas diferenças entre uma comunidade e outra, mas vivemos a mesma luta”, conta Elvira.
Neudicléia de Oliveira, do coletivo nacional de comunicação do MAB, pontuou a importância da exibição do filme em um espaço tradicional do circuito de cinema paulistano.

“Para nós é uma conquista romper esse latifúndio também da cultura e da arte. Para o movimento, isso tem uma importância muito grande porque as próprias personagens do filme, muitas delas não tiveram acesso até hoje a uma sala de cinema”, relata.

No filme, arpilleras de cinco regiões do Brasil tecem em conjunto, trocam cartas e experiências. O documentário tem depoimentos e cenas fortes que retratam a violência das famílias desalojadas de seus territórios por conta de grandes construções.
Mas, além das violações, o documentário também foca nas histórias de resistência como a Claides Helga Kowahld, única mulher entre os 119 homens que participavam do movimento na década de 1980.
Liciane Andrioli, da coordenação nacional do MAB, destaca o processo de construção coletiva do filme, do financiamento ao roteiro:
“A gente fez o filme rodando as cinco regiões principais do Brasil destacando mulheres atingidas por Barragens, militantes do movimento que são as personagens do filme e abordam sua realidade, do ponto de vista desde a construção e da participação do movimento até análise delas do modelo energético e a consequência na vida das mulheres”, destaca.
O documentário “Arpilleras: atingidas por barragens bordando a resistência” permanece em cartaz no Cine Belas Artes até o dia 26 de novembro.
Confira o trailer:

Hoje Domingo tem “Feira de Histórias” para Crianças

Contação de Histórias
A coordenação de literatura da Fundação Cultural de Curitiba preparou uma programação especial para as crianças. É a “Feira de Histórias” – um encontro entre vários contadores de histórias e o público leitor – que vai acontecer no próximo domingo (22), das 11h às 13h, na Praça Jacob do Bandolim (Conservatório de Música Popular Brasileira).
A Feira de Histórias é uma nova proposta de ação literária do programa “Curitiba Lê”. O objetivo é ampliar as trocas de experiências e o repertório dos contadores de histórias, fortalecendo os laços com a comunidade de leitores. Essa é a terceira edição da feira e, em comemoração ao mês das crianças, nela serão compartilhadas narrativas populares e obras literárias que tenham a criança como personagem principal, além de sorteio de livros e varal de poemas infanto-juvenis.
“O nome da atividade se baseia no pensamento de que numa feira podemos ofertar o que produzimos de bom, e também levar conosco aquilo que nos encanta”, diz a coordenadora de Literatura da FCC, Mariane Torres. “Além disso, aproveitamos para nos aproximar da Feirinha do Largo da Ordem, importante feira turística da cidade, voltada para o artesanato, a arte e a cultura popular, mas que pode ficar ainda mais gostosa com um pouco mais de literatura”, completa.
           Serviço:
Feira de Histórias
Local: Praça Jacob do Bandolim – Conservatório de MPB (R. Mateus Leme, 66)
Data e horário: 22 de outubro de 2017 (domingo), das 11h às 13h
Entrada franca
Fonte: BRASIL CULTURA