Postagem em destaque

MUSEUS DO RIO GRANDE DO NORTE - FIQUEM POR DENTRO!

Centro de Documentação Cultural Eloy de Souza - Cedoc O  Centro de Documentação Cultural Eloy de Souza (Cedoc) está sediado no Solar Joã...

domingo, 11 de março de 2018

Dossiê da Festa do Divino Espírito Santo é lançado pelo Iphan em Pirenópolis (GO)

Oficina de flores de papel da Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis

As diversas manifestações e elementos que compõem a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis estão agora compiladas em um dossiê, que será lançado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no próximo sábado, dia 10 de março. A publicação é fruto do trabalho de pesquisa realizado pela instituição, por meio da equipe técnica da Superintendência do Iphan em Goiás e do Departamento de Patrimônio Imaterial do Iphan, e trata-se de um documento de referência para a compreensão da celebração e o papel que ela desempenha para a formação e fortalecimento da identidade cultural local.

Na mesma ocasião, o Iphan também abre a exposição dos trabalhos das Oficinas de Salvaguarda realizadas no segundo semestre de 2017, que transmitiu aos alunos da rede pública de ensino conhecimentos sobre o modo tradicional de confeccionar as flores de papel, máscaras, bordados e estandartes, que são elementos integrantes da Festa do Divino. A ação, desenvolvida em parceria entre o Iphan, o Governo de Goiás, a Comissão Pirenopolina de Folclore e a Prefeitura Municipal, resulta agora na exposição, que fica aberta de 12 a 16 de março, no Escritório Técnico do Iphan em Pirenópolis.

O lançamento do dossiê e abertura da exposição acontecem nesse sábado, a partir das 13h30, e contarão com a participação da Superintendente do Iphan em Goiás, Salma Saddi, da primeira-dama do Estado de Goiás, Valéria Perillo, e outras autoridades locais. 
Oficina de estandartes de Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis
Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis (GO)

Considerada uma das mais tradicionais festividades religiosas de todo o país, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis foi reconhecida pelo Iphan em 2010, como Patrimônio Cultural do Brasil. Inscrita no Livro de Registro das Celebrações, a festa ocorre desde 1819, sempre no período de Pentecostes, 50 dias após a Páscoa. Durante quase 30 dias, a comunidade pirenopolina se envolve em novenas, folias, alvoradas, apresentações folclóricas e diversos outros rituais, que envolvem a zona rural e urbana em busca das bênçãos do Divino.
O lançamento do Dossiê é consequência dos estudos realizados para o Registro da festividade, e se destina a valorizar a manifestação cultural, por meio da promoção de conhecimento, tanto entre os participantes da Festa e a população local, quanto entre os demais setores da sociedade brasileira. Do mesmo modo, as oficinas realizadas em 2017 e a corrente exposição fazem parte das ações de Salvaguarda, tendo como objetivos a capacitação dos estudantes para a produção do artesanato, mas também a sensibilização da comunidade local para a importância e riqueza da celebração, reconectando os jovens pirenopolinos com os detentores desses conhecimentos tradicionais.
Serviço:
Lançamento do Dossiê e Abertura da Exposição dos Trabalhos das Oficinas de Salvaguarda da Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis
Data: 10 de março de 2018, às 13h30
Local: Escritório Técnico de Pirenópolis
Endereço: Rua 24 de Outubro, nº 01 – Centro
Horário de funcionamento da exposição: de 12 a 16 de março, das 08h às 12h e das 13h às 17h


Mais informações para a imprensa
Assessoria de Comunicação Iphan

Confira a programação do Fórum Social Mundial 2018

O fórum criado por organizações e movimentos sociais, busca a contraposição ao neoliberalismo.

Salvador-BA será palco do Fórum Social Mundial deste ano. O evento acontece de 13 a 17 de março, na Universidade Federal da Bahia (UFBA). Diversas atividades serão realizadas como seminários, plenárias, oficinas, atividades culturais, conferências, marchas e atos pela cidade. O fórum também ocupará espaços públicos, culturais e periferias da cidade.

A FASUBRA Sindical aprovou na última plenária nacional a participação da Categoria dos trabalhadores técnico-administrativos no evento. Confira a programação!

O FSM 2018 será o espaço de diálogo e convergência de cerca de 60 mil pessoas, de 120 países, que estarão na cidade. O objetivo é definir novas alternativas e estratégias de enfrentamento ao neoliberalismo, aos golpes antidemocráticos e genocidas que diversos países estão enfrentando nos últimos anos.  Com o lema “Resistir é criar. Resistir é transformar!”, o Fórum visa promover a transformação do ser humano em busca de “Um outro mundo possível”.

Com mais de 1500 coletivos, organizações e entidades cadastrados, e cerca de 1300 atividades autogestionadas inscritas, o FSM 2018, terá representantes de entidades de países como Canadá, Marrocos, Finlândia, França, Alemanha, Tunísia, Guiné, Senegal, além de países Panamazônicos e representações nacionais.

O Fórum Social Mundial foi criado por organizações e movimentos sociais que, se auto-convocaram para um grande encontro na cidade de Porto Alegre-RS, no ano de 200. O objetivo é contrapor o neoliberalismo representado pelo Fórum Econômico Mundial, realizado em Davos, na Suíça.
Serviço
Fórum Social Mundial 2018
Dia: 13 a 17 de março de 2018
Local: Salvador-BA
Com informações: FSM
Assessoria de Comunicação FASUBRA Sindical

Historiadores repudiam tentativa de censura a professor de curso sobre o golpe na Ufba


A professora Lana Bleicher, da Ufba
Publicado na Rede Brasil Atual
Por Kiko Nogueira
A Associação Nacional de História (Anpuh-Brasil) divulgou hoje (10) nota de repúdio à violação à liberdade de expressão e de manifestação do pensamento, um dos direitos mais importantes do cidadão garantido em cláusula pétrea da Constituição de 1988, envolvendo a perseguição ao historiador e professor Carlos Zacarias, da Universidade Federal da Bahia (UFBA),
Ex-diretor da Anpuh Bahia, Zacarias é responsável pelo curso Tópicos Especiais em História: o golpe de 2016 e o futuro da democracia no Brasil na UFBA. Por isso está sendo vítima de perseguição, que levou a uma ação popular movida pelo vereador de Salvador Alexandre Aleluia (DEM).
Filho do deputado estadual José Carlos Aleluia (DEM-BA), relator do projeto de privatização da Eletrobras que votou a favor do impeachment, o vereador é militante da ideologia da Escola sem Partido. Em seu perfil nas redes sociais, ele estampou recorte de coluna de jornal de Salvador, com letras garrafais: “Fica claro que ninguém mais pode fazer o que bem entender de uma instituição  pública sem prestar conta”.
Em seu perfil nas redes sociais, a professora da UFBA Lana Bleicher expressou apoio a Zacarias e à autonomia universitária.
“A disciplina foi uma iniciativa de 22 docentes de fazer uma análise aprofundada do que tem ocorrido no Brasil neste último período. Muitas disciplinas como esta surgiram nas universidades brasileiras, a exemplo da primeira, na UnB, que também sofreu ataques. Trata-se de uma tentativa absurda de calar a liberdade de ensino e amordaçar as universidades. Não permitiremos!”
A UFBA é uma das 34 em todo o país a promover cursos que discutirão o processo que levou ao impeachment da presidenta eleita Dilma Rousseff (PT), sem crime de responsabilidade. Um número que cresce a cada dia e tende a aumentar, segundo nota da entidade.
A entidade estende a solidariedade ao professor Luís Felipe Miguel, da Universidade de Brasília (UnB), atacado pela fala do ministro da Educação, Mendonça Filho, em “total desrespeito ao princípio constitucional da autonomia universitária”.
De acordo com as onze regionais que subscrevem a nota, o curso reflete o real papel da universidade pública em problematizar a história recente do Brasil.
aleluia.jpg
Confira a íntegra da nota:
Manifesto da Associação Nacional de História – ANPUH-Brasil, sobre a intimação judicial recebida pelo professor da Universidade Federal da Bahia, o historiador Carlos Zacarias.
No dia 8 de março, já eram 34 universidades a promover cursos que discutirão o Golpe de 2016 e o futuro da democracia no Brasil. Esse número cresce a cada dia, e tende a aumentar em curto prazo. O curso reflete o real papel da universidade pública em problematizar a história recente do Brasil. Trata-se, também, de um gesto de solidariedade aos primeiros ataques sofridos pelo prof. Luís Felipe Miguel da UNB e de uma reação às falas do Ministro da Educação, que revelavam total desrespeito ao princípio constitucional da autonomia universitária.

A intimação judicial recebida pelo professor e historiador Carlos Zacarias, da Universidade Federal da Bahia e ex-diretor da ANPUH-BA – responsável por um desses 34 cursos -, constitui-se em novo atentado à Constituição e ao Estado de direito, dessa vez impetrado não mais pelo titular da pasta da Educação nacional, mas por um vereador da cidade de Salvador.
Ao se multiplicarem as ingerências sobre a liberdade de expressão e de cátedra, cristaliza-se a convicção de que, de fato, o episódio de 2016 ameaça seriamente a democracia brasileira.
A Associação Nacional de História – ANPUH-Brasil, que sempre esteve na luta em defesa dos valores democráticos, vem a público manifestar seu repúdio à violação de um dos direitos mais importantes do cidadão (cláusula pétrea da Constituição de 1988), que é a liberdade de expressão e de manifestação do pensamento. Reiteramos a nossa solidariedade ao professor Carlos Zacarias e esperamos que o Poder Judiciário atue, nesse caso, como em eventuais outros, como o guardião de nossa autonomia tão duramente conquistada.

Assinam este manifesto:
ANPUH-AM
ANPUH-BA
ANPUH-CE
ANPUH-MA
ANPUH-MG
ANPUH-Pi
ANPUH-PR
ANPUH-RJ
ANPUH-RN
ANPUH-SC
ANPUH-SP
Fonte: DCM

VÍDEO – Mano Brown: “Não é porque você é negro que eu tenho que falar de favela com você. Que p… de preconceito é esse?”

Cinco escritoras latino-americanas com menos de 50 anos para ler agora


Por Alessandra Monterastelli e Mariana Serafini
Para celebrar o mês da mulher, em função do Dia Internacional de Luta das Mulheres, selecionamentos cinco jovens escritoras que chamaram atenção neste cenário. Uma argentina, duas chilenas e duas brasileiras.
Por que fizemos este recorte de “menos de 50 anos”? Porque a crítica especializada costuma dividir por idade, nicho e países os escritores ao cataloga-los em listas e decidimos destacar os jovens, a fim de apresentar ao leitor brasileiro o que há de inédito na literatura latino-americana.
Samanta Schweblin
A argentina Samanta Schweblin inaugurou sua trajetória literária com o livro de contos “Pássaros na boca”. Logo de estreia chamou a atenção da crítica argentina que chegou a compará-la ao mestre dos contos Julio Cortázar. Recentemente ela publicou seu primeiro romance, Distância de Resgate, e mostrou a que veio mais uma vez.

Literatura fantástica da melhor qualidade, com pitadas de ironia, característica muito peculiar dos escritores argentinos. O escritor peruano Mário Vargas Llosa destacou a potência narrativa da obra de Schweblin.Vale a leitura dos dois livros que estão disponíveis em português no Brasil.
Lina Meruane
Lina Meruane é um dos nomes da literatura contemporânea chilena ao lado de Alejandro Zambra e Paulina Flores (a próxima da lista). Completamente diferentes dos argentinos, esta safra de escritores chilenos apresentam uma narrativa seca, concisa e centrada em temas do cotidiano.


Com vários livros publicados, Lina foi considerada pelo escritor chileno Roberto Bolaño “um dos grandes nomes da literatura contemporânea” de seu país. No Brasil, foi lançado em 2015 o romance Sangue no Olho, pela editora Cosac Naify. O livro ainda está disponível para compra.
Paulina Flores
Paulina Flores tem apenas uma obra publicada e já figura entre os nomes aclamados pela crítica especializada no Chile e na Europa. Apesar da pouca idade (30 anos), ela apresenta uma narrativa bastante particular, inspirada em outros grandes escritores da cena chilena.


Seu livro de estreia, Qué Verguenza ainda não foi publicado no Brasil em português, mas está disponível em espanhol. A seleção de contos diz que devemos ficar de olho nesta jovem escritora.
Luisa Geisler
A gaúcha Luisa Geisler começou a se destacar cedo. Já aos 19 anos de idade ganhou o Prêmio Sesc de Literatura na categoria conto, pelo seu livro de estreia, “Contos de Mentira”!. Com esta obra também foi finalista do Prêmio Jabuti.


Aos 21 ela foi a mais jovem escritora a figurar na antologia de contos “Os melhores jovens escritores brasileiros”, da revista literária britânica Granta. Sua obra mais recente, o romance “Luzes de emergência se acenderão automaticamente”, foi publicada pela editora Alfaguara.
Natalia Borges Polesso
Entre o conto e a poesia, Natalia se destacou já com seu livro de estreia “Recortes para álbum de fotografia sem gente”. Sua obra mais recente, Amora, venceu o prêmio Jabuti de 2016.


Amora é composto por contos que narram, sob diversas perspectivas, relacionamentos amorosos entre mulheres. Alguns são narrados em primeira pessoa, expondo os sentimentos e pensamentos das personagens de maneira simples, mas de forma extremamente tocante, fazendo com que haja uma identificação imediata da leitora. Além disso, diversas reflexões são trazidas à tona, desde temáticas sociais (como o preconceito) até inseguranças e dilemas íntimos. Curiosidade infantil, sedução passageira e longas relações são abordadas, de forma natural, as vezes com humor e as vezes de forma dramática, mas sempre contribuindo para que o livro seja um expoente na forma como retrata a relação entre mulheres.
Do Portal Vermelho

ENCONTRO DA MULHER PROMOVIDO PELO CPC/RN TERMINA EM RODA DE CONVERSA!

 I ENCONTRO DA MULHER - EM 10-03-2018 - E. E. ROSA PIGNATARO - NOVA CRUZ-RN
Ontem (10) o Centro Popular de Cultura - CPC/RN promoveu encontro da mulher, alusivo ao Dia Internacional da Mulher, que melhor dizendo transformou-se em uma ROSA de CONVERSA. Os temas abordados  foram> "As necessidades das mulheres negras são muito peculiares e sem que seja  feita uma profunda análise do racismo brasileiros;  FEMINISMO X MACHISMO; Redação sobre a Importância do dia Nacional da Mulher e encaminhamentos.

O encontro terminou em uma roda de conversa para uma imediata integração dos presentes, que em pouco se conheceram e se fortaleceram para ampliarem mais conhecimentos, juntando-se aos demais dirigentes do CPC para o fortalecimento da luta e defesa das mulheres, como também propor rápidas ações por parte dos poderes judicial, legislativo e executivo, como políticas e leis mais firmes em prol da mulher brasileira. Ao mesmo tempo foram discutido o machismo na sociedade.

Ao final todos/as se comprometeram-se em elaborarem cada cada dos presentes uma redação sobre a Importância do DIA INTERNACIONAL DA MULHER e também valeu para unirem forças para levar a semente do CPC/RN para seus municípios e contribuir para identificar novos talentos.

Também foram aprovados nomes de alguns presentes para participarem dos dois próximos eventos do CPC;RN nos meses de  abril e maio nas cidades de Nova Cruz e Parelhas;

No final do evento houve sorteios de exemplares da Lei Maria da Penha, entre outros brindes.

Participaram dos evento: Os diretores do CPC/RN, Eduardo Vasconcelos, Claudio Lima e Washington Baraúna, a Conselheira Tutelar de Nova Cruz, Zenaide Toge. Gildene de Andrade Silva, Juliana Cruz, , ambas estudantes universitárias e de Nova Cruze , Rosineide Gomes de Sousa - Passa e Fica e aluna da UNOPAR, Tayane da Silva Cândido de Nova Cruz e , aluna da UNOPAR  e, Tatiane Santos - estudante secundarista em Nova Cruz, Mariana Gomes e Alfa Rodrigues ambas da cidade de Santo Antonio e alunas da UNOPAR e Micalerne Rodrigues de Oliveira Medeiros de Montanhas e aluna da UNOPAR.