Postagem em destaque

MUSEUS DO RIO GRANDE DO NORTE - FIQUEM POR DENTRO!

Centro de Documentação Cultural Eloy de Souza - Cedoc O  Centro de Documentação Cultural Eloy de Souza (Cedoc) está sediado no Solar Joã...

sexta-feira, 12 de outubro de 2018

Estudantes se organizam contra Bolsonaro em diversas universidades do país

Fotos: Cuca da UNE
UNE promete resistência neste segundo turno contra candidato que ameaça universidades públicas e dissemina ódio contra mulheres e LGBTs
Desde que o primeiro turno das eleições presidenciais terminou os estudantes de universidades de todo o país tem se mobilizado contra a ameaça fascista que representa um possível governo do candidato Jair Bolsonaro (PSL).
Esta semana uma plenária de estudantes da Universidade de Pernambuco (UPE) no Campus Santo Amaro/Recife se reuniu em defesa da democracia e em apoio ao candidato Fernando Haddad (PT).
Na Universidade de Fortaleza reunião do Coletivo Feminista Socorro Abreu debateu as ameaças para as mulheres e a democracia.
Na semana passada um ato na Universidade Federal do Piauí (UFPI) também mobilizou o campus com faixas e cartazes pedindo #EleNão.
Pernambuco, Ceará e Piauí elencam três dos nove estados em que o capitão reformado do exército perdeu a disputa presidencial.
No Rio Grande do Sul nesta quarta-feira (10//) estudantes do DCE UFRGS e da UEE Livre organizaram uma Assembleia Geral contra o fascismo e pela democracia. Quase 800 estudantes se reuniram para se organizarem, irem para as ruas panflentarem e dialogarem com a população argumentando que projeto que prega a violência não é a solução para o Brasil.
É um dever nosso dos estudantes defender a democracia, muitos de nós tombaram como Helenira Rezendo, Honestino Guimarães, o próprio Dr. Juca que dá nome a UEE-RS, estudantes que foram perseguidos e mortos durante a ditadura defendendo nossa democracia”, destacou a coordenadora do DCE Gabriela Silveira.
Para os estudantes Bolsonaro é uma ameaça também ao desenvolvimento do país uma vez que defende a privatização das universidades públicas e a venda das estatais.
Nesta quarta-feira também aconteceu uma Assembleia geral dos estudantes da Universidade Federal Fluminense (UFF) do Comitê UFF pela democracia. Centenas de estudantes lotaram a quadra do campus de Gragoatá.
Já no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ cerca de trezentas pessoas, entre estudantes, parlamentares e professores, realizaram uma assembléia contra o fascismo e reforçaram a importância das lutas democráticas no Brasil.
As mobilizações devem crescer em universidades de todo o Brasil. A presidenta da UNE, Marianna Dias, convocou DCEs e todas as entidades estudantis para a resistência. Para a presidenta a mobilização da juventude será fundamental para vencer o candidato nestas eleições.
”Não podemos deixar que um candidato que defende abertamente a tortura, defende que os direitos dos trabalhadores sejam retirados, um candidato que votou em favor da PEC55 seja eleito. Por isso, vamos nos mobilizar, criar grupos de whatsapp dos estudantes, convidar os professores e funcionários das universidades. Com a juventude mobilizada vamos dizer que aqui, ditadura nunca mais”, enfatizou.
Fonte: UNE

UBES, UNE e ANPG convocam reunião ampliada sobre segundo turno

Direção Nacional das três entidades estarão reunidas em São Paulo nesta sexta (12/10) para definir posicionamento e estratégias em relação ao período eleitoral.

Diante do importante e decisivo cenário político brasileiro, as entidades nacionais estudantis convocam suas Diretorias para uma reunião ampliada nesta sexta-feira (12/10), em São Paulo. A ideia é debater a posição e atuação dos estudantes neste segundo turno da eleição presidencial, que vai até 28 de outubro.
Formada por quase 100 jovens do Brasil todo, a Direção Nacional da UBES estará reunida pela primeira vez desde julho, quando aprovou a carta “Esperançar: Ocupar as urnas para vencer o ódio”. Naquela oportunidade, já destacou a importância da juventude participar ativamente do processo eleitoral contra movimentos de retrocesso. Antes do encontro coletivo, as diretorias da UBES definirão ainda detalhes sobre o 14º Encontro Nacional de Escolas Técnicas (ENET), próximo evento nacional secundarista.
Todos os estudantes, além dos que compõem as entidades, são convidados a participar da reunião ampliada sobre atuação no segundo turno.
Reunião ampliada das entidades estudantis
Sexta, 12/10, às 14h
Sede das entidades: rua Vergueiro, 2485, São Paulo

Fonte: UBES

Museu Nacional Vive nas Escolas


Retomada de atividades do Museu Nacional com escolas, especialmente de ensino fundamental e médio.

Meta 2 - As escolas voltam ao Museu Nacional: R$ 100.000,00
Concepção e implementação de um circuito botânico nos jardins, com a instalação de placas de sinalização e identificação das espécies e conteúdo em Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). Serão adquiridos binóculos e outros equipamentos para a observação de fauna e flora locais, além de amplificador de som para a realização de visitas educativas.

Fundado em 1818, o Museu Nacional é a mais antiga instituição nacional que une pesquisa, educação e divulgação científica para a sociedade. Foi incorporado à Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1946, iniciando cursos de pós-graduação a partir do final da década de 1960. Possui produção científica de impacto internacional e cursos de pós-graduação strictu sensu em Antropologia Social, Zoologia, Botânica, Arqueologia, Geociências e Linguística e Línguas Indígenas. Abriga importantes acervos científicos que, mesmo após a recente tragédia que abalou as comemorações de seu bicentenário, somam quase 2 milhões de itens ou lotes em coleções arqueológicas, de vertebrados e invertebrados, herbário e biblioteca de história natural, os quais estavam localizados em outros prédios da instituição.

MUSEU NACIONAL NAS ESCOLAS
Há quase um século o Museu Nacional mantem uma parceria muito efetiva com escolas de ensino fundamental e médio, que representa uma das relações mais emblemáticas da instituição com a sociedade e que recentemente foi drasticamente interrompida. Essa importante atuação com as comunidades escolares precisa ser reativada com urgência. Dentre outros aspectos, inclui o empréstimo de material didático e o trabalho com professores e alunos, em especial através de visitas didáticas a nossas exposições. O Museu Nacional atende por ano um público escolar de até mais de 40.000 pessoas, e empresta mais de 2.000 lotes por ano, atingindo com estes mais cerca de 16.000 alunos.

A CAMPANHA
O Museu Nacional permanece muito atuante com excelência nas áreas de pesquisa e ensino de pós-graduação, que não foram interrompidas. A Universidade e o Museu abriram diversos grupos de trabalho para o salvamento de material, restauração dos espaços e retorno da instituição à plenitude de sua atuação. Nesse sentido, consideramos extremamente importante retomar imediatamente nossa atuação com as escolas.

Com essa campanha,  faremos as necessárias mudanças em nossa forma de atendimento aos empréstimos didáticos, com a reorganização física do seu ótimo acervo preservado e do sistema de empréstimos, preparação de catálogo digital para expor o material didático disponível para os professores, acondicionamento dos materiais emprestados para cada escola parceira, organização da participação e ida de servidores do Museu Nacional nas próprias escolas. Além disso, é crucial voltar a receber turmas escolares em espaços internos e externos do Museu Nacional.

Para isso, vamos criar um roteiro de visitação focada especialmente em Botânica e Zoologia, usando os jardins históricos do Horto Botânico do Museu Nacional e reformando uma pequena edificação aí disponível, incluindo instalação de mídias digitais interativas e equipamentos ópticos, para otimizar e valorizar a apresentação de conteúdo em espaço reduzido.

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU NACIONAL
Devido à sua relevância para a sociedade brasileira, há mais de 80 anos atrás, em 1937, foi criada uma associação, sem fins lucrativos, com a finalidade de apoiar as atividades do Museu Nacional e promover ou participar de ações para o desenvolvimento da ciência e cultura de nosso país – a Associação Amigos do Museu Nacional – SAMN. Esta associação, atualmente com diversas frentes de atuação, possui certificado de Utilidade Pública no Estado do Rio de Janeiro, é reconhecida no Cadastro Nacional de Entidades Ambientalistas, é filiada à Federação de Amigos de Museus do Brasil, entre outras habilitações.

Você pode ajudar o Museu Nacional a dar continuidade imediata às suas atividades de assistência ao ensino, que tanto contribuem para uma melhor formação de crianças e jovens de nosso país. 

COLABORE AGORA!


Fonte: Museu Nacional (https://benfeitoria.com/museunacional)