Postagem em destaque

MUSEUS DO RIO GRANDE DO NORTE - FIQUEM POR DENTRO!

Centro de Documentação Cultural Eloy de Souza - Cedoc O  Centro de Documentação Cultural Eloy de Souza (Cedoc) está sediado no Solar Joã...

quarta-feira, 18 de abril de 2018

Especialização em acessibilidade cultural: inscrições abertas


O (MinC) e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) vão promover, a partir de junho deste ano, a III Turma do Curso de Especialização em Acessibilidade Cultural. Serão 360 horas de aula, divididas em nove meses, com uma semana de aulas por mês. Interessados em participar do edital de seleção têm até o dia 30 de abril para se inscrever.
O objetivo do curso é formar especialistas em acessibilidade cultural para atuar no campo das políticas culturais, orientando e implementando conteúdos, ferramentas e tecnologias de acessibilidade que proporcionem fruição estética, artística e cultural a partir do enfoque da deficiência.
O curso apresenta na sua proposta de formação desde a gestão de políticas culturais, passando pelo campo das deficiências e suas especificidades legais, da formação nas diferentes linguagens e nas tecnologias de acessibilidade cultural, bem como a experiência e aplicabilidade dos conteúdos apreendidos.
As inscrições serão realizadas exclusivamente pelos Correios por meio de carta registrada. A documentação obrigatória prevista no edital deve ser enviada para a Caixa Postal 68054 – CEP: 21941-971, Av. Carlos Chagas Filho 373 – Edifício Centro de Ciências da Saúde – Bloco K – 1º andar – Cidade Universitária – Ilha do Fundão – Rio de Janeiro (RJ).
Serão oferecidas 60 vagas, sendo 27 para servidores públicos concursados de instituições culturais públicas, 05 para representantes de Pontos de Cultura devidamente certificados, 08 para representantes de instituições da sociedade civil que atuem no campo da deficiência e da cultura, 05 para docentes de Cursos de Terapia Ocupacional ou áreas afins de universidades públicas, 05 para produtores culturais que atuem nos ambientes culturais ou em programas e projetos de políticas culturais, 05 para servidores técnicos concursados da UFRJ que atuem nos ambientes culturais ou em programas e projetos de políticas culturais e 05 para o Departamento de Terapia Ocupacional da UFRJ.
AQUI
Fonte: Brasil Cultura

18 DE ABRIL: Dia Nacional do Livro Infantil



Hoje dia 18 de abril é comemorado o Dia Nacional do Livro Infantil. A data não foi escolhida ao acaso: trata-se de uma justa homenagem a Monteiro Lobato, escritor que, como poucos, dedicou-se à literatura infantil no Brasil.
Dia Nacional do Livro Infantil foi instituído em 2002, ano em que foi criada a Lei 10.402/02, registrando a data de nascimento de Monteiro Lobato como o dia oficial da literatura infantojuvenil. Escritor vinculado ao Pré-Modernismo brasileiro que contribuiu com obras célebres para o público adulto, Lobato deixou também um enorme legado para a literatura infantojuvenil, já que mais da metade de seus livros era dedicada a esse público. Sua primeira história infantil, A menina do narizinho arrebitado, foi publicada em 1920, e o sucesso do livro fez com que outros tantos surgissem, imortalizando as personagens Dona Benta, Pedrinho, Narizinho, Tia Nastácia, Emília, o Visconde de Sabugosa, entre outros, que posteriormente seriam eternizados no famoso programa de TV produzido no final dos anos 1970 até meados dos anos de 1980 e retomado no final dos anos de 1990 até meados dos anos 2000.
Recorrentes nos livros de Monteiro Lobato, as personagens moradoras do Sítio do Picapau Amarelo ficaram eternizadas em nossa literatura


Recorrentes nos livros de Monteiro Lobato, as personagens moradoras do Sítio do Picapau Amarelo ficaram eternizadas em nossa literatura
Monteiro Lobato foi o primeiro escritor da literatura infantojuvenil a perceber a necessidade de inserir nas histórias para as crianças e os jovens elementos da cultura nacional, como os costumes do povo do interior e as lendas de nosso folclore. Fez isso de maneira única, combinando a identidade brasileira aos elementos da literatura universal, como a mitologia grega. Foi também o precursor da literatura paradidática, cuja principal característica é permitir que a criança aprenda enquanto brinca e lê.
Nascido em Taubaté, estado de São Paulo, no dia 18 de abril de 1882, Monteiro Lobato transformou-se em “gás inteligente” — definição bem-humorada que costumava dar à morte — no dia 04 de julho de 1948. Durante seus 66 anos de vida contribuiu intensamente para a literatura brasileira, transformando-se em referência no assunto. Para celebrar o dia da literatura infantojuvenil, escolha um dos vários títulos de Lobato e boa leitura!
Títulos da literatura infantojuvenil de Monteiro Lobato:
1 – Reinações de Narizinho;
2 – Viagem ao céu e O Saci;
3 – Caçadas de Pedrinho e Hans Staden;
4 – História do mundo para as crianças;
5 – Memórias da Emília e Peter Pan;
6 – Emília no país da gramática e Aritmética da Emília;
7 – Geografia de Dona Benta;
8 – Serões de Dona Benta e História das invenções;
9 – D. Quixote das crianças;
10 – O poço do Visconde;
11 – Histórias de tia Nastácia;
12 – O Picapau Amarelo e A reforma da natureza;
13 – O Minotauro;
14 – A chave do tamanho;
15 – Fábulas;
16 – Os doze trabalhos de Hércules (1º tomo);
17 – Os doze trabalhos de Hércules (2º tomo).
Por Luana Castro - Graduada em Letras

Casa de Rui Barbosa oferece extensa programação cultural


A Fundação Casa de Rui Barbosa (FCRB), entidade vinculada ao Ministério da Cultura, oferece regularmente em sua sede, na zona sul do Rio de Janeiro (R. São Clemente, 134 – Botafogo), uma vasta programação cultural gratuita e aberta ao público. As possibilidades vão desde visita guiada a ciclo de palestras e abrangem todos os públicos.

Considerado o primeiro museu-casa do País, já que é uma homenagem ao jornalista, jurista e político brasileiro, o casarão foi residência de Rui Barbosa, sua esposa, Maria Augusta, e os cinco filhos, de 1895 a 1923. Aberto ao público desde 1930, o espaço ainda reproduz fielmente os ambientes daquela época. Uma forma diferente de conhecê-lo em detalhes é oferecida ao público dentro do projeto “Um domingo na Casa de Rui Barbosa”. Sempre no primeiro domingo de cada mês, são realizadas contação de histórias, às 14h, e visita dramatizada ao local, em dois horários: às 15h30 e às 16h30. Para participar, basta chegar no horário marcado.

Quem deseja conhecer bem o local, precisa reservar um tempo para apreciar o jardim da Casa, que é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). São mais de 9.000 m² com vegetação semelhante à da época de Rui Barbosa, que gostava de cultivar espécies, principalmente rosas. O jardim, considerado histórico, abriga árvores frutíferas, como lichieiras, jambeiros, mangueiras, abieiros, pitangueiras e parreiras e pés de fruta-pão. O projeto “Jardim em foco” possibilita ao visitante conhecer os pormenores da fauna e flora da Casal, com visitas mediadas, e também ter um panorama da vida de Rui Barbosa e família.

De janeiro a julho, têm sido oferecidas duas visitas mediadas mensais, às 15h. Neste mês de abril, as visitas estão programadas para os dias 18 (quarta-feira) e 21 (sábado), com distribuição prévia de senhas 30 minutos antes do início da atividade. É possível realizar o agendamento para grupos de até 30 pessoas por meio dos e-mails museu@rb.gov.br educativa@rb.gov.br ou pelos telefones (21) 3289-8683 e 8685. Mas atenção: a atividade é cancelada em dias de chuva.

Memória & Informação

A Fundação Casa de Rui Barbosa desenvolve atividades de pesquisa, conservação e educação e promove projetos de integração com a comunidade. A FCRB oferece ao público, por exemplo, edições da produção de Rui Barbosa e fomenta atividades de estímulo à memória, pesquisa e preservação de patrimônio.

No sentido de divulgar a obra de seu patrono, a Fundação criou o projeto quinzenal de palestras “Memória & Informação”, realizado sempre às quartas-feiras, às 14h30. Uma edição está programada ainda para este mês, no dia 25, com Sérgio Branco, doutor e mestre em Direito Civil pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). O pesquisador convidado do Centre de Recherche en Droit Publique, da Universidade de Montréal, vai ministrar a palestra “Memória e Esquecimento na Internet”.

Mensalmente, o Centro de Memória e Informação da FCRB e o editor Carlos Barbosa realizam um ciclo de palestras, apresentações e manifestações culturais seguidas de debates abertos, o “Palavra por palavra”. No dia 26 deste mês, às 18h, artistas, autores e leitores vão debater sobre Monteiro Lobato.

Mais reflexão

Observar, analisar e discutir temas relacionados à imprensa e às culturas urbanas também são atividades regulares da Fundação. A série “Histórias e culturas urbanas” promove palestras na última quinta-feira de cada mês, sempre às 18h, na sala de cursos da FCRB. Com entrada franca, no próximo dia 26, está marcada a palestra do ex-senador pelo Rio de Janeiro Saturnino Braga.
Mais um ciclo de palestras ainda está previsto para abril: dia 19, a série “Migrações internacionais” convida Emanuela Farias para falar do documentário que produziu, “Mulheres do Sul Global”, que retrata a inserção de mulheres refugiadas no mercado de trabalho por meio da costura. A intenção do evento é promover o debate entre pesquisadores de diferentes formações acadêmicas buscando uma abordagem interdisciplinar sobre as migrações internacionais.

Programação infantil

A fundação também dedica um espaço especialmente desenvolvido para introdução de seus assuntos ao público infantil, com a oferta do site. Na página, é possível conhecer a história do jurista, do Rio de Janeiro e e ainda fazer atividades de jogos e passatempos. Há, inclusive, atividades que podem ser desenvolvidas entre professores e alunos. Uma série especial  sobre abolição da escravidão está disponível aqui.

Ainda em seu espaço físico, a Fundação abriga a Biblioteca Infantojuvenil Maria Mazzetti, que disponibiliza de segunda à sexta, das 9h30 às 12h e das 14h às 17h, atividades de estímulo à leitura para jovens e crianças. Todos os meses, neste mesmo local, sempre às 10h, é realizado o projeto “O Prazer da descoberta”. Em abril, o homenageado foi o cartunista criador da Turma da Mônica, Maurício de Sousa.

Serviço

Fundação Casa de Rui Barbosa

Endereço: Rua São Clemente, 134 – Botafogo 22260-000 Rio de Janeiro, RJ
Tel.: (21) 3289-8683.

Aberta para acesso ao acervo e realização de pesquisas de segunda a sexta-feira. Usuários que não residem no município do Rio de Janeiro dispõem de um serviço de informação pelo endereço eletrônico: consulta.acervo@rb.gov.br .  Pelo mesmo e-mail, é possível agendar previamente consulta aos acervos e aos arquivísticos. Pode-se obter mais informações também pelo telefone (21) 3289-8666.

Fonte: BRASIL CULTURA