Postagem em destaque

MUSEUS DO RIO GRANDE DO NORTE - FIQUEM POR DENTRO!

Centro de Documentação Cultural Eloy de Souza - Cedoc O  Centro de Documentação Cultural Eloy de Souza (Cedoc) está sediado no Solar Joã...

segunda-feira, 24 de junho de 2019

As lagoas desertas de Nísia Floresta que você não conhecia

Publicado porPor Henrique Araújo

O município de Nísia Floresta antigamente era chamado de Papari. Ele fica distante 30km de Natal (RN) e é um dos lugares mais bonitos do Rio Grande do Norte.
Isso porque Nísia possui natureza exuberante, abundante e, como você vai ver aqui, até curiosa.
Um exemplo de uma dessas curiosidades é que existem por lá mais de 20 lagoas de águas mornas, cercadas de dunas e vegetação nativa. Muitas delas, claro, conhecidas, batizadas e já bem frequentadas.
Porém vários outros lagos desses ainda são desconhecidas e desertos, e portanto nem nomes receberam ainda.
Essas lagoas estão distribuídas entre as dunas ao longo da paisagem e tem tamanhos variados, compondo um cenário interessante e muito bonito:
Paisagem que mostra as lagoas desertas de Nísia Floresta, RN. Foto: https://www.facebook.com/turistandoemnatal/

Um prato cheio para aventureiros de plantão, já pensou uma trilha por ali?
E você já foi ou iria lá? Conte nos comentários.
Fonte: CURIOZZZO

‘Índio não tem vez aqui’: Estudante indígena da UFT sofre ameaças de racismo

Resultado de imagem para imagens ‘Índio não tem vez aqui’: Estudante indígena da UFT sofre ameaças de racismo
Imagem (bilhete) do Google
Resultado de imagem para imagens ‘Índio não tem vez aqui’: Estudante indígena da UFT sofre ameaças de racismo
Facebook

O estudante indígena da Universidade Federal do Tocantins, campus de Araguaína, Kayman Karajá, teve o nome citado em um bilhete onde dizia: “Índio não tem vez aqui na UFT. Vou tirar todos os índios do meu caminho”. O bilhete foi colocado na mochila do estudante. Em um outro bilhete, dois indígenas são citados: “Primeiro vai ser a Raiane e Kainã fica esperto”.

Em resposta ao ocorrido, os alunos e indígenas da instituição realizaram um protesto pelo direito constitucional de acesso à educação, no Hall do Bloco H (Cimba). Além disso, os colegas exigiam respeito às diferenças e que o caso seja levado às instâncias competentes para que não passe impune.

Após a manifestação na UFT nesta quarta-feira, os dois jovens ameaçados e uma professora da UFT foram para a Polícia Federal e relataram o caso. Foi feito um boletim de ocorrência para que o caso seja investigado.

Fonte: Mídia Ninja