Postagem em destaque

Em defesa dos povos indígenas: demarcação já!

Antes da invasão Quando os portugueses pisaram as terras que depois seriam conhecidas como Brasil, os povos nativos viviam em regime de...

sábado, 15 de julho de 2017

Quer saber o que é Antropologia?

Portal Brasil Cultura apresenta em suas diversas seções, uma com o significado, conceito e informações sobre ANTROPOLOGIA.
Antropologia é uma ciência que se dedica ao estudo aprofundado do ser humano. É um termo de origem grega, formado por “anthropos” (homem, ser humano) e “logos” (conhecimento).
A reflexão sobre as sociedades, o homem e o seu comportamento social é conhecida desde a Antiguidade Clássica pelo pensamento de grandes filósofos. Em destaque há o grego Heródoto, considerado o pai da História e da Antropologia.
No entanto, foi somente com o Movimento Iluminista no século XVIII que a Antropologia se desenvolveu como ciência social, através do aprimoramento de métodos e classificações humanas. Neste período, o relato de viajantes, missionários e comerciantes sobre os hábitos dos nativos das novas terras descobertas e os debates sobre a condição humana, foram muito importantes para o desenvolvimento dos estudos antropológicos.
Estudar o ser humano e a diversidade cultural, envolve a integração de diversas disciplinas que procuram refletir sobre todas as dimensões humanas. Historicamente, estas dimensões ocorrem na divisão da antropologia em duas grandes áreas:

1. Antropologia Física ou Biológica

Estuda os aspectos genéticos e biológicos do homem. Também é chamada de bioantropologia, e é dedicada a entender os mecanismos de adaptação e evolução do homem.
Entre seus objetos de estudos estão as características genéticas que diferenciam povos e possibilitam que eles sobrevivam em determinados ambientes. Como por exemplo, ao estudar as condições do sistema digestivo diferentes de outros humanos, a resistência da pele ao sol em regiões de maior incidência, entre outras questões genéticas.
antropologia forense utiliza de conhecimentos da antropologia biológica para elaborar seus lados de identificação de cadávares e estudos sobre crimes, de forma a ser usado pelo direito penal.

2. Antropologia Social

Analisa o comportamento do homem em sociedade, a organização social e política, as relações sociais e instituições sociais.
A antropologia social difere da sociologia no objeto da investigação: enquanto a sociologia se dedica a entender os movimentos e estruturas sociais de uma forma macro, a antropologia social é voltada à relação que o homem estabelece com estes fenômenos em uma busca mais centrada no ser, em um “olhar para dentro”.
A divisão norte-americana da antropologia não usa o conceito de antropologia social, e sim a chamada Antropologia Cultural.
A Antropologia Cultural investiga as questões culturais que envolvem o homem, sendo seus costumes, mitos, valores, crenças, rituais, religião, língua, entre outros aspectos, fundamentais na formação do conceito de cultura antropológico.
São conceitos trabalhados pela antropologia social as noções de cultura e de alteridade.
Dentro do escopo da antropologia cultural ainda há os estudos da linguística e a etnografia como campos de especialização.
etnografia é o método de pesquisa próprio da antropologia e corresponde à também chamada observação participante. O antropólogo, ou que nesta função também pode ser chamado de etnógrafo, acompanha de perto o grupo que está estudando, vivendo como eles, dentro da comunidade. A partir deste trabalho de campo o antropólogo realiza suas análises em seu diário de campo, para aí então reunir a sua percepção prática as teorias vistas na revisão de literatura e então desenvolver o trabalho etnográfico.

TUDO SOBRE ANTROPOLOGIA

Fonte: Brasil Cultura

Reforma beneficia maus empregadores e fraude, diz procurador-geral do trabalho

Por Redação*    Foto: Antonio Cruz/EBC/FotosPúblicas
Em entrevista, Ronaldo Fleury, procurador-geral do trabalho, diz que reforma ainda mostra cultura escravocrata e foi feita para institucionalizar as fraudes
Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, Ronaldo Curado Fleury, procurador-geral do trabalho, diz que todas as propostas da reforma estão redigidas para beneficiar o mau empregador, deixando margem para a precarização das relações do trabalho. Afirma que o grande número de ações na Justiça do Trabalho se deve à pequena fiscalização e à mentalidade dos patrões. “O Brasil ainda tem uma cultura escravocrata. Fomos um dos últimos países a abolir a escravidão e até hoje a escravidão é uma realidade. Mesmo nos grandes centros, nas grandes empresas, a mentalidade é escravocrata“, afirmou.
Falando sobre o trabalho intermitente, em que a pessoa pode ser contratada para trabalhar apenas algumas horas e tem de ficar à disposição da empresa no outro período sem ganhar, o procurador diz que isso é a institucionalização das más práticas. “Tudo que era feito como fraude está sendo institucionalizado. Poderia ser contratado a um tempo parcial. Em vez de contratar por 44 horas, eu vou contratar a pessoa por 5 horas por semana. Isso é possível desde o fim dos anos 1990.”
Sobre a pretendida “modernização das leis trabalhistas, Fleury é contundente: “O que está se criando são estruturas legais, fórmulas de trabalho que existiam 200 anos atrás, como a própria jornada intermitente.”
Revista Fórum

“Você está demitido”


VOCNegociação de demissão, 80% do FGTS, 20% de multa rescisória, contrato em PJ… Confira como seria um breve diálogo entre patrão e empregado em tempos de reforma trabalhista e terceirização, por Camilo Vannuchi 
Por Camilo Vannuchi, em seu Facebook 
– Você está demitido.
– Virge santíssima, não brinca assim.
– É sério. Você está demitido.
– Nossa! Mas de uma hora pra outra?
– Sabe como é, a empresa vai passar por uma reestruturação.
– Puxa, eu trabalho há 27 anos aqui, nunca trabalhei em outro lugar.
– Pois é. Chamei o senhor aqui para negociar.
– Negociar o quê?
– Os termos da demissão em comum acordo.
– Como assim? Não tem nada de comum acordo. Estou sendo demitido. E sem justa causa.
– A causa é justa, na verdade. Entenda. É a crise. Mas de fato não podemos caracterizar como justa causa. Uma pena.
– Então não tem o que negociar.
– Sabe o que é? A gente quer contar com o senhor no futuro. Como colaborador, entende?
– Não. Não entendo.
– Seus serviços. O senhor desempenha uma função essencial para os nossos negócios, e não podemos deixá-lo na mão. Acredito que possamos entrar num acordo para terceirizar você assim que a lei permitir.
– E quando vai ser isso?
– Daqui a 18 meses. É o que está na nova lei. Quarentena para migrar de contrato por tempo indeterminado para contrato intermitente.
– Dezoito meses? E como eu vivo até lá?
– Veja bem, tenho certeza que o senhor vai saber se virar. Não faltarão oportunidades.
– Aos 46 anos? Sei…
– Ah, não fala assim. Você está no auge. Não é toda companhia que pode contar com a sua experiência. E você ainda pode pegar um trabalho por produção…
– Produção?
– É, ora. A empresa paga você pelo que você produzir. E você se vira com o resto. Não precisa bater ponto nem nada. Muito mais fácil assim, sem transporte, sem alimentação, sem estação de trabalho… Por até 17 meses.
– Dezessete meses?
– Isso. É a lei. Para não incidirem impostos e para você não sacar o seguro desemprego. Mas isso é outro assunto. Não se preocupe com isso agora.
– Caramba. Estou chocado. Minhas mãos estão até tremendo. Tem o financiamento da casa, a faculdade da Ana, o colégio do Edu.
– Toma um gole d’água. Melhorou?
– Bom, pelo menos vou poder sacar o FGTS até me acertar.
– 80%.
– Como?
– 80% do FGTS. É o que estabelece a nova lei. Se fizermos um acordo, você poderá retirar 80% do FGTS.
– Meu Deus… Ainda bem que tem 40% de multa rescisória.
– 20%.
– Como?
– 20% de multa. É o que diz a nova lei. Se fizermos um acordo, a empresa paga 20% da multa. Sobre 80% do fundo, é claro. É justo. É a metade entre zero e 40%. Todos ganham.
– Todos ganham? Como assim, todos ganham? E se eu não quiser fazer acordo nenhum?
– Aí será mesmo uma pena, porque nunca mais vamos contratar você como PJ.
– Mas esse acordo, vou consultar o sindicato.
– Não adianta.
– Como?
– Não adianta. É o que determina a nova lei. Os acordos individuais entre patrão e empregado valem mais do que as convenções e os acordos coletivos.
– Rapaz… mas a legislação…
– Esquece.
– Como?
– Esquece a legislação. Está na lei. Os acordos entre patrão e empregado valem mais do que a legislação.
– Não é possível! Não foi para isso que eu fui a dezenas de assembléias, não foi para isso que eu me sindicalizei, nem é pra isso que pagamos a contribuição compulsória.
– Acabou.
– O quê?
– A contribuição sindical obrigatória. Não é incrível? Finalmente. Bando de sanguessugas. Repara como essa reforma é boa. Você não vai mais precisar pagar a contribuição sindical. Taí um Congresso Nacional que defende o trabalhador.

Apenas homens brancos compõem o comitê de “diversidade” da Coca-Cola

A empresa divulgou uma matéria falando sobre o comitê que criou as latinhas LGBT e frisou a “diversidade” da marca, mas grupo não tem nada de diverso e internet não perdoou. “Podia vir um biscoito também com a latinha”, ironizou uma internauta. Confira as reações 
Por Redação
No mês passado, no Dia Internacional do Orgulho LGBT, a Coca-Cola Brasil lançou uma campanha interna com latinhas de Coca-Cola contendo o refrigerante Fanta e com a frase “Essa Coca é Fanta, e daí?”, ironizando um trocadilho homofóbico difundido há anos na sociedade brasileira.
A campanha foi divulgada na internet e, bem aceita, não demorou muito tempo para viralizar.
Nesta sexta-feira (14), no entanto, a empresa resolveu divulgar uma matéria falando sobre o comitê de “diversidade” da marca, responsável pela criação da campanha: um grupo de seis homens, todos brancos e com a aparência física semelhante. Ou seja, nada diverso.
No texto, a marca explica que o grupo é apenas um dos que formam o comitê de diversidade, que ainda tem outros grupos para fazer ações no âmbito de gênero, raça, geração e pessoas com deficiência. A Coca-Cola adiciona, ainda, que “a ideia agora é atrair mulheres LGBTs e pessoas heterossexuais para o grupo”.
Sem as mulheres outras pessoas representativas para outros segmentos, no entanto, o comitê composto apenas por homens brancos se tornou alvo de inúmeras críticas nas redes sociais.
Confira, abaixo, algumas reações no Twitter
segundo a @CocaCola a diversidade é um macho hétero-branco-cis pic.twitter.com/NCGBzFTxss
num dá pra saber se são heteros por foto, mas é real q essa tentativa de diversidade falhou

 Ver imagem no Twitter