Postagem em destaque

A hora e a vez de lutar pelo Fundeb

Prestes a vencer, programa imprescindível para educação básica no país precisa ser reeditado com melhorias Programa fundamental para ed...

domingo, 29 de julho de 2018

Cinco cidades vão receber apoio federal para se candidatarem à Rede de Cidades Criativas da UNESCO

O Ministério da Cultura (MinC) vai oferecer, pela primeira vez na história, apoio técnico às cidades brasileiras que queiram se candidatar ao título de cidade criativa da UNESCO. O MinC lançou o edital nesta sexta-feira (27), durante oficina de capacitação sobre leis federais de incentivo para produtores culturais em Vitória (ES).
As cidades selecionadas receberão consultoria especializada para a elaboração do dossiê de candidatura. Cada cidade deve identificar uma área temática preferencial, que já seja significativa na cultura e na economia locais. As possibilidades são: artesanato e artes folclóricas, design, cinema, gastronomia, literatura, artes midiáticas ou música. As inscrições estarão abertas na segunda quinzena de agosto. 
"Na prática, ao ganhar o selo da UNESCO, a cidade passa a ter suporte e condições de desenvolver sua vocação criativa, fortalecendo a cadeia de empreendimentos e atividades da área temática pela qual foi escolhida, seja ela gastronomia, design, cinema ou outra. Isso resulta na atração de mais turistas, na geração de emprego, renda e desenvolvimento para a região. Por isso é tão importante investir na candidatura ao título", enfatiza o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão. Segundo ele, com o edital, o MinC quer ajudar as prefeituras a apresentarem propostas mais competitivas na próxima seleção de cidades criativas, que acontecerá em 2019.
Oito cidades brasileiras já fazem parte da Rede de Cidades Criativas: Belém (PA), Florianópolis (SC) e Paraty (RJ), no campo da gastronomia; Brasília (DF) e Curitiba (PR) no do design; João Pessoa (PB), artesanato e artes folclóricas; Salvador (BA), música; e Santos (SP), cinema. O programa da Unesco tem o objetivo de promover a cooperação internacional entre cidades que investem na cultura e na criatividade como fatores de estímulo ao desenvolvimento sustentável. Atualmente, 180 cidades de 72 países fazem parte da rede.
O edital tem como objetivo estimular a elaboração de planos de desenvolvimento que, além de estimular a economia criativa e que tenham a cultura como base, contribuam com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) previstos na Agenda 2030 da ONU. Podem participar do certame quaisquer municípios integrantes do Sistema Nacional de Cultura (SNC) e que já desenvolvam ou pretendam desenvolver ações nas quais a criatividade seja vetor de desenvolvimento urbano sustentável e que ainda não tenham sido eleitas cidades criativas pela UNESCO. 

Rede de Cidades Criativas

A Rede de Cidades Criativas da UNESCO foi criada em 2004. Na prática, as participantes assumem o compromisso de compartilhar experiências e conhecimento entre si; de desenvolver parcerias com os setores público, privado e a sociedade civil; fomentar programas e redes de intercâmbio profissional e artístico; de realizar estudos, pesquisas e de criar meios de divulgação que ampliem o conhecimento sobre a Rede e suas atividades.
Para serem integrantes da Rede, as cidades precisam passar por processo de seleção realizado pela Comissão de Avaliação da UNESCO. A proposta de candidatura deve demonstrar de forma clara e prática a disposição, o compromisso e a capacidade em contribuir com os compromissos das cidades criativas. Deve apresentar um plano de ação realístico, incluindo detalhamento de projetos, iniciativas e políticas que serão executadas nos quatro anos seguintes à admissão ao Programa.
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura

Novo artigo na Brasiliana Iconográfica: É plágio? A repetição de personagens e cenas nos registros dos artistas viajantes

Obra Danse de sauvages de la Mission de St: José, de Jean-Baptiste Debret, do álbum Voyage Pittoresque dans le Brésil.
Obra Danse de sauvages de la Mission de St: José, de Jean-Baptiste Debret, do álbum Voyage Pittoresque dans le Brésil.

Por BIBLIOTECA NACIONAL

BRASILIANA ICONOGRÁFICA

Tomar como referência o trabalho de outro artista ou copiá-lo era prática comum entre os estrangeiros que registraram o Brasil no século XIX, como Debret, Rugendas e Chamberlain. Novo texto publicado na Brasiliana Iconográfica sinaliza que registros feitos por artistas viajantes que integram o acervo da Brasiliana Iconográfica permitem identificar personagens que se repetem em obras de diferentes autores.

A observação direta nem sempre era praticada, pois as viagens eram caras, e os lugares, distantes entre si. Assim, era comum desenhar cenas, lugares e pessoas jamais vistos pessoalmente, embasados por registros de terceiros. A prática, que hoje pode ser considerada plágio, era bastante utilizada no século XIX para ampliar o conteúdo dos livros dos artistas viajantes. Tais obras pretendiam mostrar, de forma abrangente, a paisagem, a sociedade e a economia dos locais por onde os artistas passavam. O francês Jean-Baptiste Debret, por exemplo, ilustrou um grupo de índios da missão de São José, que ele não presenciou. Tudo indica que ele usou como base imagens de índios norte-americanos feitas pelo naturalista Georg Heinrich von Langsdorff que registrou, em 1812, uma missão de São José na Nova Califórnia.

Acesse

XIII Encontro Nacional de Acervos Raros – convocatória para apresentação de trabalhos

EVENTO

A Biblioteca Nacional, por meio do PLANOR – Plano Nacional de Obras Raras –, comunica que está aberta a convocatória de trabalhos para serem apresentados durante o XIII ENAR - Encontro Nacional de Acervos Raros, a ser realizado nos dias 29 e 30 de novembro de 2018, no Auditório Machado de Assis da Biblioteca Nacional, de 9h às 17h.

COBERTURA-4181-XIII-ENCONTRO-NACIONAL-ACERVOS-RAROS.JPG

O tema deste ano será Políticas deSegurança e Salvaguarda de Acervos Raros e Especiais. Os trabalhos deverão ser encaminhados até o dia 1º de junho de 2018, de acordo com as normas de apresentação a seguir.

Apresentação de trabalhos

  • Os autores dos trabalhos selecionados deverão confirmar sua participação através de e-mail até 45 dias antes do evento.
*Serão excluídos da relação de trabalhos aprovados, aqueles em que nenhum dos autores possa vir apresentá-lo na data do Evento.

Publicação e exposição dos trabalhos

Os trabalhos poderão ser publicados nos Anais da Biblioteca Nacional e/ou no Boletim Informativo e página do PLANOR, se devidamente autorizado pelos autores em formulário específico.

Procedimentos para o envio de trabalhos completos

A padronização dos trabalhos técnico-científicos deverá seguir as versões mais atualizadas das seguintes normas:
  • NBR 6022 Informação e documentação Artigo em publicação periódica científica impressa Apresentação;
  • NBR 6023 Informação e documentação: elaboração de referências;
  • NBR 6028 Resumo/Abstract (Tipo Informativo);
  • NBR 10520 Informação e documentação: citações em documento Apresentação.

Formatação do texto

  • O trabalho todo deverá conter no máximo entre 10 (dez) e 15 (quinze) páginas, incluindo imagens em alta resolução (300 dpis), anexos, tabelas e gráficos;
  • Cada trabalho deverá conter na primeira página, o título em letras maiúsculas, o nome do(s) autor(es), o nome e o endereço da instituição onde atua, incluindo o nome do país e os respectivos endereços eletrônicos;
  • As tabelas e os gráficos na mesma versão (fonte Times New Roman), corpo 11);
  • Espaçamento entrelinha de 1,5 cm e espaçamento duplo entre os parágrafos;
  • Margens superior e esquerda da página, de 3 cm e margens inferior e direita da página, de 2,5 cm;
  • Para a elaboração do trabalho deverá ser utilizada no mínimo a versão 7 do Windows e a versão mais atual do editor de texto.

Comunicação oral

  • Tempo para exposição de 20 minutos, seguido de 5 minutos para debate;
  • Priorizar o problema da pesquisa, a metodologia e os resultados obtidos;
  • O autor deverá informar à Comissão Técnica, em até 10 dias antes do evento, os equipamentos necessários para sua apresentação.
  • Será permitido apenas a dois autores, no máximo, apresentarem oralmente o trabalho, desde que tenham preenchido e assinado o formulário específico para este fim.

Envio do trabalho

Encaminhamento da documentação via e-mail: planor.eventos@bn.gov.br.
  1. Carta de solicitação para apreciação do trabalho;
  2. Trabalho original e completo em formato PDF.
# Serão encerrados os recebimentos de trabalhos antes do prazo estabelecido, caso tenhamos completado o número de trabalhos aceitos para o Evento (16 trabalhos).

Contatos

  • Rosângela Rocha Von Helde
    Bibliotecária
    Chefe do PLANOR
    Tel. 21- 22202588
  • Silvia Fernandes Pereira
    Bibliotecária
    Chefe Substituta do PLANOR
    Tel.: ( 21) 30953892

Ouça a Rádio Brasil Cultura pelo seu celular ou tablet via internet.

É simples, rápido e fácil.
Rádio Brasil Cultura, sua rádio preferida chegou ao Android. Baixe agora, um aplicativo completo com tudo o que faz da Brasil Cultura o Portal da Cultura Brasileira – mais conhecido do país.
É muito difícil ver alguém saindo de casa sem um celular no bolso. Os dispositivos móveis estão presentes na vida dos brasileiros mais do que nunca e essa é uma tendência que continua crescendo a cada dia com tanta novidade tecnológica, incluindo os aplicativos para rádios.
Através da ferramenta dos aplicativos para celulares com o sistema Android e tablets, é possível ouvir ao vivo a programação da Brasil Cultura em qualquer lugar do mundo. Para acessar a rádio através do aplicativo, o usuário precisa conectar-se à internet via Wireless, Wi-Fi, 3G, Edge ou Gsm.
Os aplicativos são leves e simples de serem usados. O ouvinte não precisa configurar nada, basta instalar e sair escutando.
O PORTAL SONORO DA CULTURA BRASILEIRA
P
asso a Passo Android

1 – Você precisará de uma conexão à internet, Wi-Fi ou 3G.
2 – Acione o aplicativo da Play Store.
3 – Pressione o botão de pesquisa, no canto direito superior da tela.
4 – Digite Rádio Brasil Cultura e mande pesquisar
5 – Depois de selecionado, clique em “install” – “instalar”., selecione “Accept & Download” – “Aceitar e Baixar”.
6 – Você também poderá acompanha o processo diretamente do aplicativo da Play Store ou da barra de notificações.
7 – Depois de instalado, você pode abrir o aplicativo da Rádio Brasil Cultura que acabou de baixar diretamente do seu aparelho.
Você que curte ouvir uma boa rádio, música popular brasileira, informação sobre a cultura brasileira não pode deixar de baixar o aplicativo oficiai da Rádio. Contamos com sua ajuda para divulgar o APLICATIVO. Avise seus vizinhos, amigos, parentes. Use sua rede social para divulgar a Rádio Brasil Cultura.

Se achar mais fácil, Clique Aqui:

https://play.google.com/store/apps/details?id=zdx.brasilcultura

Fonte: BRASIL CULTURA