Postagem em destaque

GRUPO DE CAPOEIRA CORDÃO DE OURO-NOVA CRUZ/RN REALIZOU O BATIZADO E TROCA DE CORDA FECHANDO COM CHAVE DE OURO! CONFIRAM!!!

FINAL - FOTO HISTÓRICA  - GRUPO DE CAPOEIRA CORDÃO DE OURO MOMENTO DO "ESQUENTE"  MOMENTOS DECISIVOS - MUITA CONCENTRAÇ...

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Sabedorias e poderes da Medicina Milenar Tradicional Africana

-“Diz o velho adágio popular que “Deus dá o mal e também dá o remédio para este mal”.

Nunca algo foi tão bem definido como este ditado. Neste trabalho procuramos, a partir de uma coletânea de ervas usadas para os Orixás dentro dos candomblés, trazer a público as suas utilizações na terapia de vários males que afligem a sociedade.

As relações da religiosidade com a saúde e os processos de cura, procurando entender as formas como os indivíduos vivenciam a doença, o sofrimento, a dor e as práticas de cura. Trata-se de pesquisa exploratória de caráter etnográfico, com observação participante em um templo religioso afro-brasileiro, localizado no Rio de Janeiro. Um efeito fundamental da religião é alterar o significado de uma doença para aquele que sofre, não implicando necessariamente remoção dos sintomas, mas mudança positiva dos significados atribuídos à doença. A religiosidade dá sentido à vida, diante do sofrimento, ao criar uma rede social de apoio. Constatamos que a prática religiosa tem complementado as práticas médicas oficiais. As informações coletadas nos permitem afirmar que as práticas religiosas se constituem em lugares de acolhimento, de cura e de saúde para aqueles que as buscam. Apontamos para a necessidade de aprofundamento de estudos dessa temática que venham a se somar enquanto possibilidades de ajuda e alternativa de "cura" às pesquisas da prática biomédica.

No Brasil -É costume nos rituais afro-brasileiros dizer-se que “sem as ervas, não existiria Orixás, e, sem Orixá, não existiriam as ervas”. O estranho encantamento que as folhas, as raízes e as ervas exercem dentro dos rituais, é assunto fascinante e desafiador para quem acredita em algo mais do que uma Aspirina. Neste trabalho, procuramos trazer ao conhecimento dos estudiosos da cultura afro-brasileira, aos médicos, fitoterapeutas, antropólogos e cientistas das diversas áreas, algumas informações preciosas que estavam ameaçadas de se perderem no tempo ou dentro de um velho baú de recordações de um antigo “candomblé” cujo terreno tenha sido desapropriado para a construção de uma mansão de um político qualquer

"Sementes, plantas, bagas, raízes, cascas, ervas. Quem nunca ouviu falar de uma receita mágica para uma dor de barriga? Uma pomada ou um chá para tratar um problema de saúde mais delicado? Em África, o segredo da medicina tradicional continua a passar de geração em geração, após milhares de anos, continuando a resolver os problemas das populações e surpreendendo os cientistas que apostam cada vez mais no seu estudo".

Por muito tempo, a medicina tradicional da África foi subestimada pela ciência ocidental. Hoje, séculos depois de descaso com as técnicas de cura africanas, pesquisadores do mundo todo começam a reconhecer a eficácia dos tratamentos desenvolvidos. Sobretudo com sistemas integrados de saúde, além de mais acessível e sustentável, a medicina tradicional tem-se provado preciosa na ajuda do combate a doenças como câncer, transtornos psiquiátricos, hipertensão arterial, vitiligo, cólera, doenças venéreas, epilepsia entre outros.
De disciplina holística que envolve fitoterapia indígena e espiritualidade, a solução da medicina tradicional, diferente da filosofia do ocidente, não busca apenas a cura e a recuperação dos sintomas físicos, mas sim um equilíbrio entre paciente, ambiente cultural e mundo energético, procurando a reinserção social e psicológica do doente dentro de sua comunidade. As práticas e experiências da medicina são sabedorias passadas de geração em 
geração, com formações sociais que implicam em lições de procedimentos de diagnóstico, recursos medicinais, preparação de receitas médicas, administração dos medicamentos e, sobretudo, treinamento teórico, prático e espiritual adequado.

A filosofia humanista empregada, muitas vezes associada à filosofia ubuntu, se afasta do ganho material. Assim, os curandeiros geralmente fornecem o serviço gratuitamente, sem exigir encargos do paciente, o que estimula um forte código de ética na prestação de serviços de saúde de uma comunidade. O profissional é assim, durante seu treinamento, preparado para ser algo além de responsável e eficiente, mas também um bom ouvinte, orgulhoso de si mesmo, de sua tradição e cultura.

Misturando métodos biomédicos, dietas e jejuns, ervas terapêuticas, banhos, massagens e pequenos procedimentos cirúrgicos, a sabedoria médica africana é a favorita de seus habitantes. Hoje, de acordo com a Organização Mundial da Saúde, mais de 80% da população do continente confiam seus cuidados à medicina tradicional. Ainda, suas práticas são reconhecidas por quase todos os países do continente, sobretudo nos serviços de cuidados gerais, de parto, de saúde mental e de doenças não agudas, que vêm mostrando excelentes resultados.

Eu cuido do meu povo [...]. Eu privo da maldade, ajudo a arrumar emprego, ajudo os inocentes a saírem da cadeia, as pessoas a terem saúde, dou conselhos [...]. Há um povo que conta comigo [...]. Quanto mais o povo eleva meu nome, mais eu cresço espiritualmente. O povo tem que saber quem eu sou e o que eu faço".
A proposta das organizações adeptas à filosofia local, assim como a de alguns governos, é de cada vez mais integrar as técnicas da medicina tradicional aos sistemas de saúde nacional, unindo força das diferentes ideologias de medicina, combinando às práticas locais seja com técnicas ocidentais ou com os know-hows chineses e indianos. Para o pesquisador, Paulo 
Peter Mhame, a ação e implantação da associação dos saberes podem chamar por um futuro
brilhante. Ele explica que uma vez que a medicina tradicional e seus praticantes forem formal e explicitamente reconhecidos por todos os países seja por meio de políticas de implementação ou por meio do desenvolvimento de um marco regulatório, um sistema de qualificação e licenciamento, que respeitem tradições e costumes, estará estabelecido.
Ainda, segundo o especialista, assim será possível um modelo que permita a atualização de conhecimentos e habilidades na pesquisa tradicional, protegendo a sabedoria local e o acesso a recursos biológicos. A integração entre medicina tradicional e ocidental possibilita o aumento da cobertura de cuidados de saúde, o potencial econômico e a redução da pobreza, uma vez que a produção local é incentivada e o acesso aos medicamentos é ampliado. As vantagens não param por aí: custos reduzidos, falta de necessidade de exportação, cultivo local em larga escala e criação de oportunidades de emprego, tanto na indústria quanto na prática medicinal. Assim, as 6400 espécies de plantas medicinais utilizadas na África e as sabedorias locais milenares, combinadas com bom aproveitamento, formam um potencial que pode, com êxito, confrontar os desafios da saúde no continente.

Considerações- Aos nossos gryos que fizeram de suas vidas um banco de informação destes dados que levamos a certeza de que os outros tantos fitoterapeutas, homeopatas, alopatas e homens públicos de bem, tudo farão para minorizar o sofrimento de seu próximo, pois, afinal de contas, as ervas pertencem aos ORIXÁS e são um presente da natureza para o ser humano. –O princípio ativo das ervas é químico, portanto matematicamente infalível 
As práticas religiosas têm complementado as práticas médicas oficiais e, mesmo que às vezes estigmatizadas, subsistindo o modelo biomédico hegemônico. Apesar do terreiro ser instituição religiosa e não instituição de saúde em sentido estrito, seus agentes geralmente atuam no campo da medicina (popular ou alternativa). Ou seja, os terreiros são locais de promoção da saúde e evidenciam o caráter tênue e fluido das fronteiras entre o mundo oficial
da biomedicina e o relativamente subterrâneo das práticas terapêuticas populares e religiosas.
"Apesar de se tratar de um estudo exploratório, a pesquisa de campo com a observação participante possibilitou uma compreensão mais próxima da realidade cotidiana das pessoas frequentadoras de templos religiosos"

Um afro abraço.
Claudia Vitalino.

Fonte:www.afreaka.com.br/www.gpmina.ufma.br/arquivosDALGALARRONDO, P. Is religion membership a protective factor in the course of psychosis: a clinical study from Brazil. Curare, Berlin, v. 12, n. 1, p. 215-219, 1997./FERRETI, M. M. R. Religiões afro-brasileiras e saúde: diversidade e semelhanças. In: SEMINÁRIO NACIONAL: RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS E SAÚDE, 2., 2003, São Luís. Anais... São Luís: CCN-MA, 2003. p. 1. /FREYRE, G. Casa grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime de economia patriarcal. São Paulo: Global, 2005. /FRY, P. H.; HOWE, G. N. Duas respostas à aflição: umbanda e pentecostalismo. Debate e Crítica, Rio de Janeiro, n. 6, p. 75-95, 1975.    

Exposição faz oposição aos ataques da direita contra a arte

lucian-freudleigh-no-sofa-verde-1993-116896
Neste final de 2017, em especial, o Ateliê Contraponto estará marcando uma posição em relação aos ataques da direita a exposições de arte e a artistas: em defesa da liberdade de criação, em defesa do estudo da nudez humana e em defesa do nu humano como arte. Assim, serão apresentados cinco trabalhos de representação de nus, também para homenagear a todos os modelos-vivos que trabalham para que o artista aprofunde seus estudos da anatomia humana.
O Ateliê Contraponto, completa seu 4º ano de funcionamento, promovendo o aprendizado do desenho e da pintura a óleo dentro do espírito de um ateliê. Com um método de ensino bastante eficaz, o Ateliê Contraponto permite que qualquer pessoa possa aprender a desenhar, mesmo sem experiência anterior na área. Anualmente, a exposição de final de ano dos alunos é uma demonstração da capacidade de aprendizado teórico e prático de conceitos sólidos que remetem aos grandes mestres da pintura.
Abertura de exposição anual dos alunos
Dia 15 de dezembro, sexta-feira
A partir das 19h
Local: ATELIÊ CONTRAPONTO DE ARTE
Avenida Angélica, 2.341 cj. 2 – Higienópolis
(11) 9 9988-4858

Programa de Ocupação Cultural do Estado do RJ – POC RJ em Angra dos Reis

unnamed_1507762482
A Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro visita as dez Regionais Fluminense para mais esclarecimentos  sobre o inédito  Programa de Ocupação Cultural do Estado do RJ – POC RJ.?  O programa se caracteriza pela expansão das ações culturais a partir da localização de imóveis  fora de uso, de propriedade do estado, com cessão para SEC/RJ, para que sejam utilizados sob gestão compartilhada com prefeituras, sociedade civil e iniciativa privada.
Atendendo solicitação de agentes culturais da região Costa Verde (municípios de Paraty, Angra dos Reis, Mangaratiba  e Itaguaí), a reunião acontece na Casa de Cultura de Angra dos Reis – Dia 16 de DEZ, 12:30h às 13:30h, em parceria com o Conselho Estadual de Política Cultural do RJ e apoio da Prefeitura de Angra dos Reis. Presente na reunião a Chefe do Núcleo de Políticas Culturais  da SEC RJ – a professora Cleise Campos,  e o Mestre de Capoeira Albes Ribeiro, Conselheiro Regional da Costa Verde.
A composição das parcerias com a sociedade civil, a iniciativa privada, ou instituições de economia mista, envolvendo  artistas, animadores e produtores culturais, é  o diferencial do POC RJ. Até dia 15 de dezembro, a SEC RJ recebe sugestões de imóveis que podem ser inseridos no programa. Finalizado o mapeamento e seleção, será aberto edital de chamada pública em todo o estado para ocupação cultural dos imóveis.
Reunião Região Costa Verde – ?Município de Angra dos Reis
Dia 16 de DEZEMBRO, Sábado – 12:30h
Local: Casa de Cultura de Angra dos Reis
Endereço:  Rua do Comércio com Raul Pompéia ?
Centro, Angra Dos Reis