Postagem em destaque

MUSEUS DO RIO GRANDE DO NORTE - FIQUEM POR DENTRO!

Centro de Documentação Cultural Eloy de Souza - Cedoc O  Centro de Documentação Cultural Eloy de Souza (Cedoc) está sediado no Solar Joã...

quinta-feira, 7 de março de 2019

10 MULHERES POTIGUARES QUE FIZERAM HISTÓRIA

O site Todo Natalense, através de conteúdos do site Diversidade Potiguar, fez um especial em seu Instagram neste 8 de Março, Dia da Mulher, homenageando mulheres importantes para a história do RN, do Brasil, e porque não dizer do mundo.
E uma informação importantíssima aqui: o site Diversidade lembrou que “no Rio Grande do Norte os movimentos feministas sempre estiveram a frente do resto do país. Aqui a mulher conquistou primeiro o direito ao voto e ser votada, e fez história na literatura, música e na educação.” E que beleza isso! Que orgulho!
A Clara Filipa Camarão, como foi batizada, foi uma indígena brasileira que provavelmente foi da tribo do bairro de Igapó (Natal) – na época “Capitania do Rio Grande”.
Ela nasceu na metade do século XVII, e foi catequizada por padres jesuítas juntamente com seu marido Filipe Camarão adotando o mesmo sobrenome que ele.
Clara é considerada nada menos que a uma das precursoras do feminismo no Brasilporque rompeu a tradicional distribuição de trabalho da sua tribo, se afastando dos afazeres domésticos para participar de batalhas junto ao seu marido durante as invasões holandesas em Olinda e no Recife. Olha que guerreira!
Não estivesse isso de bom tamanho, ela também liderou um grupo de guerreiras nativas na luta contra os holandeses durante a colonização na cidade Porto Calvo no estado de Alagoas em 1637. Não há registro do local e data de sua morte.
Nísia Floresta se chamava na realidade Nísia Floresta Brasileira Augusta, mas esse era pseudônimo de Dionísia Gonçalves Pinto. Ela nasceu em Papari (atual Nísia Floresta no RN), em 12 de outubro de 1810.
A Nísia foi uma das mulheres mais importantes de toda a história potiguar. Ela era educadora, escritora e poetisa, e foi provavelmente a primeira mulher a romper os limites entre os espaços públicos e privados, publicando textos em jornais numa época em que a imprensa nacional ainda era quase inexistente.
Ela também dirigiu um colégio para moças no Rio de Janeiro e escreveu livros em defesa dos direitos das mulheres, dos índios e dos escravos. Por essas e outras ela também é considerada uma pioneira do feminismo no Brasil.
Esta mulher destemida morreu em 24 de abril de 1885 na cidade de Bonsecours, França.
Auta de Souza foi a poetisa norte-rio-grandense que mais ficou conhecida fora do Estado.
Sua poesia considerada de um romantismo “ultrapassado” e com leves traços simbolistas, circulou nas rodas literárias do país despertando sempre muita emoção e interesse, e foi fartamente incluída nas antologias e manuais de poesia das primeiras décadas.
Como a maioria dos escritos femininos, sua obra poética deixou-se contaminar pelas experiências que ela mesma vivia, mas isso não comprometeu o valor romântico de seus versos.
Celina foi a primeira eleitora do Brasil. Ela se alistou aos 29 anos de idade, e com isso fez do Rio Grande do Norte o primeiro estado que estabeleceu que não haveria distinção de sexo para as eleições.
Assim, em 25 de novembro de 1927, na cidade de Mossoró, foi incluído o nome de Celina Guimarães Vianna na lista dos eleitores do Rio Grande do Norte.
O fato repercutiu mundialmente, por se tratar não somente da primeira eleitora do Brasil, mas como também de toda a América Latina.
Luíza Alzira Soriano Teixeira foi simplesmente a primeira prefeita eleita no Brasil e na América Latina.
Tomou posse no cargo em 1º de janeiro de 1929. Viúva, Alzira Soriano disputou em 1928, aos 32 anos, as eleições para a prefeitura de Lajes, cidade do interior do Rio Grande do Norte, pelo Partido Republicano, e venceu com 60% dos votos, quando as mulheres nem sequer podiam votar.
Joana Cacilda Bessa nasceu em 26 de Setembro de 1898. Primeiro ela foi a primeira eleitora de Pau dos Ferros, na época um pequeno município do RN, e em 1927, tornou-se a primeira Intendente Municipal do lugar, o equivalente hoje ao cargo de Vereador do município.
Então com isso Joana virou a primeira mulher do Rio Grande do Norte e do Brasil a se tornar Vereadora, sendo eleita em 2 de Setembro de 1928 com 725 votos. Um feito inédito e memorável!
Esta pioneira faleceu em 01 de Novembro de 1998 aos incríveis 102 anos.

Maria do Céu nasceu na cidade de Currais Novos em 6 de outubro de 1910, e lá vem pioneirismo de novo. Esta aqui foi a primeira mulher a ocupar o cargo de deputada na Assembléia Legislativa do Rio Grande do Norte, e também a primeira deputada estadual mulher no Brasil.

Ela foi eleita com 12.058 votos, e teve seu mandato cassado em 1937 por discordância das idéias do então presidente Getúlio Vargas durante o Estado Novo.
Militana Salustino do Nascimento, mais conhecida como Dona Militana, nasceu em São Gonçalo do Amarante em 19 de março de 1925. Ela foi uma cantora de versos brasileira, considerada por muitos a maior romanceira do Brasil.
Foi o folclorista Deífilo Gurgel, que na década de 1990 conheceu seus cantos, e permitiu que os seus talentos chegassem ao país inteiro.
A romanceira chegou a gravar um CD triplo intitulado “Cantares”, lançado em São Paulo e Rio de Janeiro. Na época críticos e jornalistas de grandes jornais brasileiros se surpreenderam com a peculiaridade da voz de Dona Militana, e em setembro de 2005, ela recebeu das mãos do ex-presidente Lula a Comenda Máxima da Cultura Popular, em Brasília.
Dona Militana nos deixou em 19 de junho de 2010, na mesma São Gonçalo do Amarante.
Ademilde Fonseca Delfino nasceu em São Gonçalo do Amarante em 4 de março de 1921. Ela era mais conhecida apenas como Ademilde Fonseca, e foi uma cantora.
Suas interpretações a consagraram como a maior intérprete do choro cantado, sendo considerada a “Rainha do choro brasileiro”.
Ademilde trabalhou por mais de dez anos na TV Tupi e seus discos renderam mais de meio milhão de cópias. Além de fazer sucesso em terras nacionais, regravou grandes sucessos internacionais e se apresentou em outros países.
Faleceu de infarto fulminante em sua casa, no Rio de Janeiro, poucos dias depois de completar 91 anos.
A professora potiguar Déborah de Araújo Seabra de Moura é a primeira professora com síndrome de Down no Brasil, segundo a Associação Síndrome de Down do Rio Grande do Norte.
Atualmente ela trabalha como professora auxiliar de desenvolvimento infantil há nove anos, e acaba de publicar o livro “Déborah Conta Histórias”, da editora Alfaguara. Parabéns Déborah!
Fonte:  CURIOZZZO

É a consciência coletiva da mulher negra que traz a ruptura das invisibilidades, que chama atenção para as lacunas existentes na luta de mulheres, do negro e nas políticas de classe.

No dia 8 de março de 2019, Candelária, as mulheres unidas sairão em marcha pela vida e 
contra todas as formas de violência. Nós, mulheres negras, estaremos presentes em bloco e em toda força e potências de nossas vozes plurais!

As narrativas que acompanham o surgimento do Dia Internacional da Mulher são consequências demúltiplso fatos históricos. Relacionam-se a lutas pelos direitos sociais e políticos de mulheres quecomeçaram na segunda metade do século 19 e nunca se interromperam. É um dia legítimo de memória e continuidade daquelas que rasgaram as mantas instauradas pelo patriarcado, impulsionando perspectivas para um debate inicial de gênero.

No entanto, as mulheres que instigaram esse debate neste período são as mesmas que foram formadas para não refletir, em primeira instância, sobre as desigualdades raciais e de gênero, e até mesmo de classe. Teve pouco ou nenhum impacto em suas reflexões o que ocorreu às mulheres negras entre os séculos 16 e 19 nas Américas, no período de tráfico negreiro, ou o que ocorreu pós-abolição no Brasil. Isso revela o abismo que o racismo provoca mesmo em mentes que buscam emancipação de um grupo oprimido.

Transgredindo as fronteiras instauradas pelo racismo, a mulher negra já trazia elementos ancestrais que dialogam com o que a gente conhece hoje como interseccionalidade, através de uma herança malunga, que recriou laços políticos e estratégias de sobrevivência.

Em um País que viveu três séculos de escravização da população negra, as mulheres negras ainda são vistas pela sociedade como servas e são as mais agredidas, socialmente e fisicamente. No Brasil, 58,86% das mulheres vítimas de violência doméstica são negras, revelam dados de 2015 da Central de Atendimento à Mulher (Ligue 180).

Somos Mulheres Negras, meninas, adolescentes, jovens, adultas, idosas, lésbicas, bissexuais, transexuais, travestis, heterossexuais, quilombolas, rurais, das favelas, da baixada, sem teto, sem terra, em situação de rua, trabalhadoras domésticas, prostitutas, artistas, profissionais liberais, servidoras públicas, terceirizadas, empreendedoras, intelectuais, yalorixás, estudantes, ativistas, parlamentares, professoras e juntas marcharemos no 8 de março contra o racismo e todas as formas de violências e pelo bem viver!

Um afro abraço.


MULHERES DA UNEGRO RJ

Dia Internacional da Mulher - 8 de Março

Dia 8 de março
Dia Internacional da Mulher ou Dia da Mulher é comemorado anualmente em 8 de março, e não é considerado um feriado nacional.
Trata-se de uma celebração de conquistas sociais, políticas e econômicas das mulheres ao longo dos anos, sendo adotado pela Organização das Nações Unidas e, consequentemente, por diversos países.
Esta data é marcada por presentes simbólicos, como flores, em especial rosas, poemas ou frases, por exemplo.

História e Origem do Dia Internacional da Mulher

A luta das mulheres por melhores condições de vida e trabalho começou a partir do final do século XIX, principalmente na Europa e nos Estados Unidos. As jornadas de trabalho de 15 horas diárias, os baixos salários e a discriminação de gênero eram alguns dos pontos que eram debatidos pelas manifestantes da época.
De acordo com registros históricos, o primeiro Dia da Mulher foi celebrado nos Estados Unidos em maio de 1908 (Dia Nacional da Mulher), onde mais de 1.500 mulheres se uniram em prol da igualdade política e econômica no país.
Vários acontecimentos levaram à criação de um dia especial para as mulheres. Um deles foi o incêndio numa fábrica de camisas em Nova York, ocorrido em 25 de março de 1911, que mataria 146 pessoas, dessas quais 129 mulheres. O número de vítimas se explica pelas péssimas condições de trabalho e porque uma porta estava fechada para impedir a fuga das trabalhadoras.
Esse incêndio levou à criação do mito de uma suposta greve que teria ocorrido em 8 de março de 1857, em Nova York, que não aconteceu. A confusão foi causada por jornais alemães e franceses na década de 60.
No entanto, o 8 de março teve origem com as manifestações das mulheres russas por melhores condições de vida e trabalho, durante a Primeira Guerra Mundial (1917). A manifestação, que contou com mais de 90 mil russas, ficou conhecida como "Pão e Paz", sendo este o marco oficial para a escolha do Dia Internacional da Mulher no 8 de março, data que somente foi oficializada em 1921.
Após este conflito e com as transformações trazidas com a Segunda Revolução Industrial, as fábricas incorporaram as mulheres como mão de obra barata. No entanto, devido às condições insalubres de trabalho, os protestos eram frequentes.
Também nas primeiras décadas do século, as mulheres começam a lutar pelo direito ao voto e à participação política.
Apesar disso, por muito tempo, a data foi esquecida e acabou sendo recuperada somente com o movimento feminista nos anos 60. A Organização das Nações Unidas, por exemplo, somente reconheceu o Dia Internacional da Mulher em 1977.
Atualmente, além do caráter festivo e comemorativo, o Dia Internacional da Mulher ainda continua servindo como conscientização para evitar as desigualdades de gênero em todas as sociedades.

Mensagens para o Dia da Mulher

Parabéns Querida... 
Pela mulher maravilhosa que existe dentro de você.
Só tenho motivos para agradecer toda felicidade
que tens me proporcionado, quanta compreensão.
Seu coração é um grande abrigo...
quanto carinho e dedicação se aloja neste âmago grandioso e admirável.
Mulher nota dez, somente você me faz sentir tão completo,
diante de tanta coragem, força e otimismo.
Faz de seus braços meu conforto, meu porto seguro,
minha certeza de ter encontrado o espelho que reflita a imagem da felicidade,
o sorriso verdadeiramente realizado.
Ou por que não?
Meus cabelos brancos que retratarão os melhores anos de minha vida.
Sou muito feliz com você, obrigado meu amor...
Parabéns pelo dia que ampara
e valoriza minhas humildes, mas verdadeiras palavras.
Amo você por tudo que você é...

Veja mais lindas mensagens para o Dia da Mulher no Mundo das Mensagens.
Dos filhos...
Neste Dia Internacional da Mulher, eu preciso te fazer uma pergunta que me persegue há muito tempo: Como é que você consegue estar sempre de bom-humor, sempre em paz consigo mesma e com o mundo à sua volta?
Como você consegue ser gentil 24 horas por dia? Como consegue se apresentar elegante em qualquer circunstância, revelando esta sua saudável e discreta vaidade? Sabe, hoje senti a necessidade de dizer o quanto admiro você.
O quanto fico feliz em ter uma mãe tão especial e tão preocupada com a felicidade de todos os que a cercam, tão empenhada em proporcionar um ambiente de harmonia e beleza; enfim, um ambiente de felicidade plena.
Sei que, em nome desta paz, muitas vezes você abre mão dos seus próprios interesses e, se isto me deixa orgulhoso por perceber que tenho uma mãe tão dedicada, por outro lado fico um pouquinho triste em saber que você pode estar sacrificando o seu próprio acesso a flores, perfumes e outras coisas que eu sei que você gosta tanto!
Querida mamãe, neste dia especial, receba um beijo muito carinhoso e esta declaração de amor da sua filha (do seu filho).

Poema para o Dia da Mulher

Mulheres serenas, promessas de nada.
mulheres de vento, de sopro divino,
mulheres de sonho, mulheres sentido,
mulheres da vida, melhor ter vivido...
Mulheres de tempo, em que tudo que havia fazia sentido,
mulheres que eu vejo, no sol de janeiro,
mulheres saídas de potes de vidro,
mulheres faceiras, as mais feiticeiras, melhor ter sorrido...

mulheres de tantos e tantos perigos,
mulheres de vinho e de vã harmonia,
mulheres convívio,
mulheres no cio, as mais parideiras, melhor ter nascido...

mulheres de luzes e de absinto,
mulheres que um dia sonhei colorido,
mulheres de santos, mulheres de igrejas,
as mais rezadeiras, melhor sacrifício

mulheres que um dia deitaram comigo,
mulheres tão lindas e de maior juízo,
mulheres de danças,
as tranças nos ombros, meus olhos caídos....

mulheres que fecham a vã poesia,
mulheres que o ouro não tem nem princípio,
mulheres de outono,
o seu abandono, melhor ter carinho...

mulheres de um tempo em que estive sozinho,
mulheres de riso abrindo janelas,
mulheres que sonham,
seu sono macio, melhor o seu ninho....

mulheres do dia e da noite, eternos,
mulheres que lutam, raízes na terra,
mulheres que as feras,
no meio da noite, não mais intimidam...

mulheres espera, no mar do abandono,
mulheres teares, tecendo seu linho,
mulheres tão loucas,
Seu beijo na boca, uma taça de vinho...

Autor Desconhecido
Fonte: calendarr.com