Postagem em destaque

A hora e a vez de lutar pelo Fundeb

Prestes a vencer, programa imprescindível para educação básica no país precisa ser reeditado com melhorias Programa fundamental para ed...

segunda-feira, 16 de julho de 2018

"Relembrar o que é bom e lindo! " - CPC/RN - Bailarina Potiguar é eleita a melhor do Norte-Nordeste.- CPC/RN;


Meyriane Gonçalves, do Grupo EDTAM, Escola de Dança do Teatro Alberto Maranhão, foi eleita a melhor bailarina do 10° Passo de Arte Norte e Nordeste, seletiva regional da competição internacional que é uma das mais tradicionais e conceituadas competições de dança. Ela apresentou a coreografia "Sedução", do coreógrafo Sammy Passos.

A competição ocorreu no teatro Via Sul em Fortaleza/CE, no último fim de semana com a participação de 1.500 bailarinos do Ceará, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Bahia, São Paulo e Santa Catarina, somando 37 escolas e grupos de dança.

O melhor bailarino foi o cearense de Paracuru Walef Rocha, do Espaço Rossana Pucci (CE). Agora, Meyriane e Walef estão selecionados para a 24ª edição da Competição Internacional do Passo de Arte, que acontece de 08 a 18 de julho próximo em Indaiatuba (SP).

Assista a apresentação - Sedução - de Meyriele na competição:



Publicado pelo http://culturadornoficial.blogspot.com/ , em 28/05/2016


"VALE A PENA ASSISTIR E LER" - CPC/RN - Conheça o Boi Calemba Pintadinho do mestre Dedé Veríssimo

Publicado pelo http://culturadornoficial.blogspot.comsábado, 26 de março de 2016

Boi Calemba, termo utilizado por Luís da Câmara Cascudo com o intuito de diferenciar o Boi de Reis do Rio Grande do Norte de outros grupos dos estados brasileiros. Trata-se de um auto popular que narra a morte e ressurreição de um boi. Ao som da Rabeca cantam cantigas antigas com figurino de fitas coloridas e espelhos que proporcionam um interessante efeito visual. 

Os mascarados representam a parte cômica da dança, o trio formado por Birico, Mateus e Catirina (personagens do auto) apresentam-se usando roupas surradas e rostos pintados. Outras figuras integram a apresentação como a Burrinha, o Bode, o Gigante (cavalo marinho), o Jaraguá e o Boi. Os instrumentos utilizados são a rabeca, o pandeiro, triângulo e alguns instrumentos de corda, podendo haver sanfona também.

O Boi Pitadinho da cidade de São Gonçalo do Amarante é um dos grupos mais tradicionais do estado do Rio Grande do Norte, podendo ter mais de cem anos de existência. atualmente comandada pelo mestre Dedé Veríssimo, este grupo já se apresentou em quase todo Rio Grande do Norte e também em outros estados.

(Assista o vídeo)


Fonte: http://culturadornoficial.blogspot.com/2016/03/conheca-o-boi-calemba-pintadinho-do.html


Documentário - Conversa Com Cascudo (1977) DVDRip "Vale a pena assistir!" - EDUARDO VASCONCELOS - CPC/RN

Exposição fotográfica e audiovisual “Onde o português não pode ser estrangeiro”


Fonte: UFRN

Maranhenses recebem Casa do Tambor de Crioula

Para as mulheres, saia de chitão florido, bem rodada, para acentuar o movimento, anágua por baixo da saias, blusa branca de renda, com babado na gola, torso na cabeça, colares.
Meu São Benedito
Vosso manto cheira,
Cheira cravo e rosa
Flor de laranjeira. 
(Trecho do Bendito de São Benedito)

O Maranhão está em festa! Tambores, cantadores, dançadeiras, coreiros e coreiras, e um baticum inconfundível que caracterizam o Tambor de Crioula do Maranhão, referencial de identidade e resistência cultural dos negros maranhenses, teve desde do dia 13 de julho, na capital do estado, São Luís, um Centro de Referência, que recebeu o nome de Casa do Tambor de Crioula. Como parte do plano de salvaguarda dessa expressão cultural, a Casa foi pensada, sobretudo, para ser um local de encontro e transmissão de saberes associados ao Tambor de Crioula. No mesmo dia, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) promove, também, a abertura de uma exposição e o lançamento de publicação sobre o bem cultural.
Localizada em um espaço privilegiado de São Luís, no Centro Histórico, onde acontecem importantes eventos culturais da cidade e há grande fluxo de turistas, a Casa fica na esquina das Ruas Estrela e João Vital de Mato., O espaço conta também com área de convivência, salas para realização de oficinas de dança e percussão, auditório e salão de exposição, além de uma lojinha para venda de produtos associados ao bem cultural. Terá, ainda, uma biblioteca que abrigará um acervo para subsidiar pesquisas.
O imóvel, um sobrado tradicional de dois pavimentos mais sótão, representativo da arquitetura luso-brasileira no Maranhão, recebeu um investimento de aproximadamente R$1,8 milhão do Governo Federal, por meio do Iphan. Na década de 1970, foi destruído por um grande incêndio, permanecendo por longo tempo em estado de arruinamento. O sobrado é de propriedade do Governo do Estado do Maranhão, que será responsável pela gestão do Centro de Referência, por meio da Secretaria de Cultura e Turismo do Estado (SECTUR).
Com a criação da Casa do Tambor, será atendida uma das principais demandas dos detentores, que é ter um equipamento cultural com suas referências, com o objetivo de promover a difusão e reprodução desse bem cultural. O Tambor de Crioula, reconhecido em 2007 pelo Iphan como Patrimônio Cultural do Brasil, é uma forma de expressão de matriz afro-brasileira. Seja ao ar livre, nas praças, no interior de terreiros, ou associado a outros eventos e manifestações, é realizado sem local específico ou calendário pré-fixado e praticado especialmente em louvor a São Benedito. Ocorre na maioria dos municípios do Maranhão, envolvendo uma dança circular feminina, canto e percussão de tambores. Participam as coreiras ou dançadeiras, conduzidas pelo ritmo intenso dos tambores e pelo influxo das toadas evocadas por tocadores e cantadores, culminando na punga ou umbigada – gesto característico, entendido como saudação e convite.
Trata-se de um referencial de identidade e resistência cultural dos negros maranhenses, que compartilham um passado comum.
Ao tambor, quando saio da pinha
Das cativas, e danço gentil,
Sou senhora, sou alta rainha,
Não cativa, de escravos a mil!

Trajano Galvão de Carvalho(1875)
Celebrando a cultura maranhense
O dia 13 de julho também será marcado com a abertura da exposição permanente sobre o Tambor de Crioula, uma realização do Iphan em parceria com a Vale. Composta por painéis informativos e uma série de artefatos próprios do universo dessa manifestação cultural, como imagens de São Benedito, tambores, garrafas de cachaça e trajes típicos, destaca a história e as diversas nuances deste bem, que representa um conjunto de tradições culturais de matriz africana que se desenvolveram no país.
Em meio a essa grande festa, também será lançado o Dossiê do Tambor de Crioula do Maranhão, a 15ª publicação da série de bens culturais registrados como Patrimônio Imaterial do Brasil. Trata-se de uma versão sintetizada do dossiê de registro, com informações adicionais e editada segundo os padrões da linha editorial do  Iphan.
Na mesma data, o Instituto também entrega em São Luís o Museu de Artes Visuais, que foi completamente restaurado.
Serviço: Abertura da Casa do Tambor de Crioula, lançamento de exposição e dossiê
Data: 13 de julho, 18h
Local: Rua da Estrela, 209, Centro – São Luís (MA)
Mais informações para a imprensa
Assessoria de Comunicação Iphan

comunicacao@iphan.gov.br
Fernanda Pereira – fernanda.pereira@iphan.gov.br
Yara Diniz – yara.dinz@iphan.gov.br
(61) 2024-5513 - 2024-5511
(61) 99381-7543
www.iphan.gov.br
www.facebook.com/IphanGovBr | www.twitter.com/IphanGovBr
www.youtube.com/IphanGovBr
Adaptado pelo CPC/RN, em 16 de julho de 2018.

16 de Julho – Dia do Comerciante

Esta data foi instituída pelo presidente do Senado Federal, João Café Filho, em 26 de outubro de 1953. Uma homenagem ao comércio, comemorada no dia em que nasceu o Visconde de Cayru – José da Silva Lisboa.
Figura histórica e político baiano, exerceu grande influência junto ao príncipe regente português D. João VI para que fossem abertos os portos brasileiros para o comércio com as nações amigas, em 1808.
Dos mascates aos pequenos e médios comerciantes, e destes aos grandes conglomerados econômicos, a história do comércio foi marcada pela criatividade humana, pelo fascínio do consumismo e pelas tentativas em atendê-lo.
Desta maneira, milhares de pessoas, físicas ou jurídicas, vêem-se envolvidas, diariamente, direta ou indiretamente, em transações mercantis.
Entre meados do século XIX e a Primeira Guerra Mundial, a relação comercial entre os países cresceu ainda mais, e se intensificou depois da Segunda Grande Guerra.
Para se ter uma idéia, o total de dinheiro arrecadado com o comércio no mundo passou de U$ 61 bilhões, em 1950, para U$ 5,61 trilhões, em 1999, de acordo com a Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento (Unctad).
Conforme dados do Fundo Monetário Internacional (FMI), o comércio vem crescendo mais que a produção mundial (PIB). Este crescimento acelerado do comércio tem uma explicação.
Ele se deve à diminuição das barreiras alfandegárias e ao desenvolvimento das telecomunicações e dos transportes.
O maior acesso da população às novas tecnologias de comunicação, devido ao seu barateamento, permite a pesquisa de mercado e a realização de novos pólos de compra e venda.
Já no caso da melhoria dos meios de transporte, a construção e o aperfeiçoamento de rodovias, ferrovias, portos marítimos e aeroportos, naturalmente, facilitam o deslocamento de produtos.
Brasil Cultura

MP vai alterar valores das loterias para Segurança, Cultura e Esporte

O governo chegou a um acordo para editar nova Medida Provisória que destinará parte da arrecadação das loterias federais para os ministérios da Segurança Pública, Cultura e do Esporte. No total, serão destinados R$ 2 bilhões para as pastas através de recursos arrecadados com as loterias.
A nova medida revogará a MP 841/2018, atualmente em vigor, que destina R$ 1,2 bilhão para o Fundo Nacional de Segurança Pública (FNSP), mas reduzia recursos das outras pastas, o que gerou reação negativa. Pela MP 841, Esporte passou a receber 430 milhões (antes eram R$ 630 milhões) e Cultura ficou com R$ 404 milhões (antes eram R$ 410 milhões).
Pelo novo texto, fica prevista a destinação de cerca de R$ 1 bilhão para a Segurança Pública; R$ 630 milhões para o Esporte; e R$ 412 milhões para a Cultura. Para conseguir contemplar todos os ministérios, o governo reduziu o valor destinado para a Segurança e também reduziu aumento nos valores dos prêmios dos vencedores da chamada loteria de prognóstico numérico, como é o caso da Mega-Sena, Quina, Lotomania e Timemania.
A MP 841, que será revogada até o final do mês, prevê aumento de 43,35% para 50% no valor do prêmio das “Sena’s” em relação ao que for arrecadado com as apostas a partir de 2019. Agora, com a nova medida, o valor passará para apenas 43,79%. Isto deu margem para o governo “devolver” os recursos para a Cultura e o Esporte, que já recebiam os recursos antes da MP.
Segundo o ministro de Secretaria de Governo, Carlos Marun, o governo vai encaminhar a nova MP até o final do mês, durante o recesso parlamentar, para que o Congresso possa apreciá-la a partir de agosto.
Inicialmente, ao editar a MP 841, o governo argumentava que os cortes nos ministérios da Cultura e do Esporte só tratavam de recursos que não seriam efetivamente utilizados pelas pastas. Marun explicou que os recursos contingenciados possuíam expectativa de liberação ao longo do ano e que isso acabou “gerando uma dúvida”, o que acabou sendo posteriormente esclarecido.
“Na primeira MP achávamos que alguns recursos estariam contingenciados e por isso não chegariam aos beneficiados, mas concluímos que havia risco de real diminuição na Cultura e Esporte. O meio mais eficaz para atingirmos os nossos objetivos seria revogação da MP 841 e substituição por outra MP”, disse Marun.
Em nota, o Ministério da Cultura comemorou a decisão do governo de editar nova MP e diz que houve “sensibilidade para atender ao pleito do setor cultural”. “O MinC teve participação ativa nas negociações para a elaboração da nova medida provisória e recebe com imensa felicidade o resultado do processo, que representa um claro reconhecimento da importância do setor cultural e da política pública de Cultura para o desenvolvimento do País e também para a redução da violência e da criminalidade”, diz o texto.
Fonte: BRASIL CULTURA