Postagem em destaque

A hora e a vez de lutar pelo Fundeb

Prestes a vencer, programa imprescindível para educação básica no país precisa ser reeditado com melhorias Programa fundamental para ed...

quinta-feira, 24 de maio de 2018

A sequencia do filme da Lava Jato e a arte de transformar fracasso em fracasso com leis de incentivo. Por Miguel Enriquez

O elenco do filme da PF
POR MIGUEL ENRIQUEZ
Caso seja mantida, a já anunciada intenção de lançar até o fim de 2018 a sequência do filme “Polícia Federal- A Lei é para Todos” será mais uma  daquelas situações em que o fracasso parece ter subido à cabeça de seus responsáveis.
Apresentado como o filme nacional de maior bilheteria no ano passado pela mídia amiga, que, salvo raríssimas exceções, não poupou esforços para reforçar uma caríssima campanha promocional de marketing, a verdade é que o longa dirigido por Marcelo Antunez ao sair de cartaz deixou um rastro de frustração e prejuízos financeiros.
De acordo com o site especializado Filme B, ao todo, o filme, que foi lançado em mil salas de cinema espalhadas pelo país, atraiu 1,4 milhão de espectadores.
Trata-se de um desempenho bem abaixo da expectativa inicial dos 2 milhões de pessoas, necessárias para zerar os R$ 16 milhões empregados em sua produção por um grupo de 25 investidores, que até hoje se mantêm incógnitos.
Com essa bilheteria, é certo, o filme do produtor Tomislav Blazic está longe de repetir o fiasco de outra obra laudatória, “Real- o Plano por trás da História”, que deixou o circuito comercial contabilizando apenas 46 484 espectadores e uma arrecadação de mirrados R$ 800 mil, o equivalente a 10% dos custos de produção. Bancados, diga-se, por recursos da Lei do Audiovisual e do Proac. 
No entanto, apesar de contar com um elenco estrelado, com atores globais como Ary Fontoura, Marcelo Serrado, Flávia Alessandra e Antonio Calloni, “Polícia Federal – A Lei é Para Todos” está muito longe de ter sido o filme nacional com maior bilheteria em 2017.
Na verdade, foi o que mais atraiu público entre os lançados no ano passado, ainda assim com pouco mais de 800 cabeças acima do segundo colocado, a comédia “Os Parças”. 
Quem atraiu a maior audiência foi “Minha mãe é uma peça 2”, lançada no ano anterior, que vendeu em 2017 nada menos de 5,2 milhões de um total de 9,3 milhões de ingressos.
Longe de expressar um grande interesse pelas ações da brigada anti-corrupção da PF e do Ministério Público, o filme da dupla Antunez-Blazic tampouco se enquadra na categoria de blockbuster do cinema nacional.
Entre 2015 e 2016, é superado pelo menos por seis produções nacionais, não incluído “Os dez Mandamentos”, que teria alcançado 11,3 milhões de ingressos graças à farta distribuição de tickets feita por sua patrocinadora, a Igreja Universal.
De acordo com a Agência Nacional do Cinema (Ancine), excluído o milagre da multiplicação de ingressos promovidos pelo bispo Macedo, a maior bilheteria do cinema brasileiro em todos os tempos foi “Tropa de Elite 2”, de José Padilha, diretor da não menos polêmica série lavajatista “O Mecanismo”, do Netflix.
A segunda parte da saga do capitão Nascimento, lançada em 2010, atraiu 11,1 milhões de espectadores, oito vezes mais do que o panegírico de Antunez.
“Polícia Federal”, lançado com estardalhaço em setembro do ano passado em Curitiba com a presença dos delegados e agentes federais e dos juízes Sergio Moro Marcelo Bretas, não apenas não figura entre os 100 filmes com audiência superior a 2 milhões de assistentes como aparece num longínquo 151º lugar entre os campeões nacionais de bilheteria.
Em todo o caso, a despeito do malogro da estreia, o produtor Blazic e o diretor Antunez vêm se movimentando desde o começo deste ano para viabilizar a sequência.
Além de centrar seu foco na corrupção do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral e das obras para a Copa do Mundo de 2014, Blazic e Antunez pretendem incluir o escândalo gerado pelo grampo do empresário Joesley Batista, envolvendo Michel Temer, e a prisão do ex-presidente Lula.
Não satisfeitos, prometem uma terceira versão e até a possibilidade de gerar mais filhotes da franquia no futuro. “Enquanto a Lava Jato for assunto e o povo estiver gostando, a gente vai contando essa história”, afirmou Antunez no lançamento da série.
A exemplo do  filme de estreia, pode faltar público para as continuações. Mas uma coisa é certa: a retaguarda material está mais do que garantida.
A Superintendência da Polícia Federal no Paraná, está aí mesmo para ceder instalações para os cenários, uniformes, armamentos, helicópteros, viaturas e prestar consultoria à produção do filme.
E, aparentemente, o grupo de 25 mecenas anônimos não se furtará a financiar a novas tentativas da dupla Antunez- Blazic de mostrar aos brasileiros que a lei é para todos.
Em todo o caso, escaldados pelo prejuízo do ano passado, os produtores resolveram rever a posição de não apelar para o apoio das leis de incentivos, que foi utilizado como um diferencial de marketing do filme.
”A gente ficou um pouco desconfortável de usar dinheiro público para poder contar uma história que, bem ou mal, esbarra na política”, chegou a afirmar Antunez à época do lançamento.
A posição do diretor foi reforçada por Blazic. “Precisamos caminhar para o estabelecimento de uma indústria autossustentável”, disse o produtor. ”Um dos legados do nosso filme será o de mostrar que é possível fazer um filme de qualidade sem dinheiro público.”
Essa profissão de fé nas virtudes do financiamento privado, porém, já é história. Segundo o colunista Lauro Jardim, “Polícia Federal 2” já foi devidamente autorizada pela Ancine a captar R$ 13,7 milhões para sua produção.
Afinal, ninguém é de ferro.
Fonte: Diário do Centro do Mundo - DCM

É HOJE (25)! ENCONTRO DE POLÍTICAS CULTURAIS DO CPC/RN! NO IFRN DE NOVA CRUZ/RN!!!

Contagem regressiva! É HOJE! (25) 0 ENCONTRO DE POLÍTICAS CULTURAIS DO CPC/RN. O e evento acontecerá no Auditório do IFRN de Nova Cruz/RN. Foram inscritos 60 pessoas, entre artistas culturais e estudantes universitários e profissionalizantes! Os palestrantes JOÃO MARIA CAMPOS , VERÔNICA SILVA e LENILSON, professores habilitados para o tema!  O evento está previsto para iniciar as 8h e 30m. Com Apresentação Cultural, Mesa oficial, debates, parada para o almoço, apresentação cultural, aprovação de propostas e entrega de certificados.

25 DE MAIO: “DIA DA LIBERTAÇÃO AFRICANA”



“Dia da Libertação Africana”. A data marca a fundação da Organização da Unidade Africana, em 1963 em Addis Abeba, na Etiópia.Chefes de Estado africanos se reuniram na cidade de Adis Abeba, na Etiópia, em 25 de maio de 1963, para enfrentar a subordinação que o continente vinha sofrendo há tempos. A tal subordinação chamou-se colonialismo, neocolonialismo ou partilha da África, que até à data da reunião ainda sofriam de apropriação forçada das suas riquezas humanas e naturais. Participaram daquele momento histórico 32 Estados Africanos. Àquela altura, dois terços do continente havia alcançado a independência do domínio colonial. Nesta reunião a data de Dia da Liberdade da África foi alterada de 15 abril para 25 maio e renomeado para Dia da Libertação Africana. Desde então 25 de maio tornou-se a referência simbólica e pragmática dos objetivos estratégicos e políticos do movimento Pan-africano.

Apesar da conquista da independência formal, muitos países africanos não romperam totalmente suas relações com as ex-metrópoles e essa continuidade de opressão originou o surgimento do neocolonialismo, que se trata de um modelo de continuidade da dominação estrangeira na política e na economia das nações africanas. Ainda hoje as forças do capital e do racismo subjulgam a maior parte do território e da população do continente africano, em que pese a permanente luta desse povo.

Ao longo dos tempos, o continente africano sofreu vários flagelos, quer a nível político, econômico e social que mudaram para sempre o rumo da sua história. Em jeito de celebração, a cronologia apresentada retrata os momentos mais marcantes do continente-berço. No entanto, temos de prestar uma homenagem especial aos enormes combates travados pelos trabalhadores africanos contra o colonialismo e o neocolonialismo desde há vários séculos. Eles apresentaram esta luta anti-colonialista durante os tempos antigos de Europeu (Britânico, Francês, Alemão, Português, Belga, etc.) o imperialismo e posteriormente, quando a classe burguesa mundo entendeu que neo-colonialismo poderia servir melhor os seus interesses, também contra o imperialismo Americano, o Soviético e o mais recente Chinês e os seus respectivos cúmplices da burguesia


local.

"Para nós, afro-brasileiros e africanos da diáspora em todo o planeta, a data é importante para resgatar a importância deste continente, celebrar sua beleza, sua riqueza e principalmente exigir reparação histórica à todos os territórios e populações negras espoliadas pelo racismo e pela intolerância em todo o mundo."

"A África é um mosaico de povos com uma cultura antiga. Cada povo Africano tem a sua própria cultura, costumes, modo de vida, que, com algumas variações, está numa fase muito para trás, por razões bem conhecidas. O despertar da maior parte desses povos só recentemente começou. 

De jure, os povos africanos, em geral, ganharam a sua liberdade e independência. Mas não pode haver nenhuma conversa de liberdade e independência genuína, uma vez que a maioria deles ainda está em um estado colonial ou neo-colonial. (...) Os imperialistas estão governando a maioria dos países africanos de novo através de suas preocupações, os seus capitais investidos na indústria, bancos, etc. A grande maioria da riqueza desses países continua a fluir para as metrópoles. (...) 

A população Africano permaneceu culturalmente e economicamente subdesenvolvidas (...) A política seguida pelos grandes latifundiários, a burguesia reaccionária, os imperialistas e os neo-colonialistas se destina a manter os povos africanos em servidão permanente, na ignorância, dificultar o seu desenvolvimento social, político e ideológico, e de obstruir sua luta para ganhar esses direitos." (Enver Hoxha, O Imperialismo e a Revolução, Tirana, 1979, edição em Português)

Dos países africanos á angolana reforça, ainda, que a migração primária de povos africanos para o Brasil deve-se ao fato de “várias pessoas africanas terem sido levadas, forçadamente, ao Brasil como escravas”, fato que marca a diáspora africana no Brasil. “Portanto celebrar o dia 25 de maio é, também, uma forma de relembrar as lutas e consequentes conquistas do povo africano dentro e fora do continente”, declara. A formação, em que investe a mestranda, serve ainda como forma de se afirmar no país sul-americano e,segundo ela, como maneira de ajudar na emancipação de seu país de origem.



Enfim este dia representa um profundo sentido da memória coletiva dos povos do continente africano e demonstra a verdadeira luta contra o colonialismo e a favor da soberania dos Estados Africanos.

Além da migração histórica dos povos africanos para o Brasil, há algumas décadas se desenvolve um intercâmbio cultural intenso entre estudantes brasileiros e africanos. Na semana do Dia da África, as instituições de ensino e cultura também celebram a cooperação entre os povos.

Um afro abraço.
Claudia Vitalino.
Fonte: UNEGRO RJ

Em Salvador (BA), Igreja do Corpo Santo é restaurada

Igreja do Corpo Santo, em Salvador (BA), após restauração

A Capela de São Pedro Gonçalves, popularmente conhecida como Igreja do Corpo Santo, será entregue à população no próximo dia 28, após passar por uma restauração, que a devolve agora em sua plenitude e importância para o bairro do Comércio, em Salvador (BA). A obra foi executada pela Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba), com parceria do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). 
A solenidade de entrega será realizada na própria igreja, às 10h, com a participação do diretor presidente da Codeba Rondon Brandão do Vale e demais representantes da diretoria; do diretor do Departamento de Projetos Especiais do Iphan, Robson de Almeida; de Dom Murilo Krieger, Arcebispo de Salvador e Primaz do Brasil; de integrantes da Irmandade de São José do Corpo Santo e demais autoridades locais.
A restauração da Igreja do Corpo Santo estava entre as selecionadas pelo programa PAC Cidades Históricas, do Governo Federal, executado por meio do Iphan. Todavia, o investimento de R$3,5 milhões foi assumido pela Codeba, como contrapartida por obras realizadas no Porto de Salvador. Assim, a intervenção foi iniciada em junho de 2016 e integra um processo mais amplo, de revitalização do bairro do Comércio.
Com localização privilegiada, no entorno do Mercado Modelo e do Elevador Lacerda, e grande valor histórico, a Capela sofreu as consequências do processo de degradação do bairro como um todo, com o comprometimento do seu conjunto arquitetônico. Assim, ao longo dos anos, veio enfrentando, inclusive, o risco de desabamento do seu telhado o que, consequentemente, resultaria na perda do forro e de todo o seu acervo sacro – levando à necessidade da intervenção.
Durante as obras, a equipe técnica fez a descoberta do revestimento padrão em ouro nas molduras do forro da nave, ocultado sob várias camadas de tinta branca. Também foi encontrado o primeiro arco cruzeiro da Igreja, que separa a nave da capela-mor, confeccionado em pedra, além de uma pintura escaiole ocre e tirantes metálicos de amarração estrutural da nave. Com cerca de 40 profissionais envolvidos, a obra incluiu ainda a recuperação de revestimentos internos e externos, assoalhos, bem como um novo sistema de instalação elétrica e sensor de combate a incêndios.
Interior da Igreja do Corpo Santo, em Salvador (BA)
Igreja do Corpo Santo

A Capela de São Pedro Gonçalves foi fundada em 1711, pelo marujo espanhol Pedro Gonçalves, em agradecimento por ter sobrevivido a uma tempestade na Baía de Todos os Santos. Sua planta é do tipo arcaico, encontrado na arquitetura religiosa rural, com nave e capela-mor formando um só corpo de construção, dividido convencionalmente pelo arco cruzeiro. O forro da nave parece ser o único elemento da época de construção, composto por caixotões guarnecidos por moldura com ornatos em talha. Destaca-se ainda um acervo que inclui a imagem do Senhor da Redenção, atribuída a Francisco das Chagas, conhecido como o Cabra, um dos mais importantes escultores do barroco brasileiro. A Igreja foi tombada pelo Iphan ainda em 1938, primeiro ano depois da criação da instituição.
Serviço:
Entrega da obra de Restauração da Igreja do Corpo Santo

Data: 28 de maio, 10h
Local: Capela de São Pedro Gonçalves (Igreja do Corpo Santo)
Rua do Campo Santo, esquina com a Praça Cairú  
Bairro do Comércio – Salvador/BA
Mais informações para a imprensa
Assessoria de Comunicação Iphan

comunicacao@iphan.gov.br
Fernanda Pereira – fernanda.pereira@iphan.gov.br
Déborah Gouthier - deborah.gouthier@iphan.gov.br
(61) 2024-5533 - (21) 2233-6334
www.iphan.gov.br
www.facebook.com/IphanGovBr www.twitter.com/IphanGovBr
www.youtube.com/IphanGovBr
Ascom Codeba - (71) 3320-1270 – 99734-5173
Fonte: http://portal.iphan.gov.br

Que tal passar uma noite em quarto exclusivo no Museu do Futebol?


Copa do Mundo chegando, e as celebrações já começam a acontecer! O Museu do Futebol, em parceria com aBooking.Com, irá receber uma acomodação inspirada na Rússia, e os fãs brasileiros desse esporte tão amado poderão visitar o espaço de 31/5 a 3/6. Ao entrar neste quarto todo decorado com ícones e cores da cultura russa, os visitantes também poderão visitar o país em uma ação interativa com óculos de realidade virtual. No passeio, o turista verá marcos e monumentos como a Praça Vermelha, em Moscou.

COMO PARTICIPAR

Uma pessoa terá a oportunidade de passar “Uma Noite no Museu do Futebol”, dentro da acomodação montada pela Booking.com, e desfrutar, com um acompanhante, de uma típica noite russa, com jantar temático criado pela chef Dayse Paparoto, vencedora da primeira edição do Masterchef Profissionais. Para concorrer, é preciso acessar o site www.booking.com/win/museudofutebol e contar, em até 150 palavras, sobre sua paixão por viagens e futebol e por que você merece passar uma noite no Museu do Futebol com a Booking.com. O concurso está sendo realizado em todo o território brasileiro e as inscrições devem ser feitas até às 23h59 (horário de Brasília) do dia 22 de maio.
O autor da frase mais criativa e mais um acompanhante vão ganhar uma estadia de uma noite, no sábado 2 de junho, na acomodação criada pela Booking.com, além de um tour VIP exclusivo pelo Museu do Futebol, que será guiado pelo jogador campeão Juliano Belletti, astro da bola com passagens por equipes no Brasil e no exterior. Belletti também acompanhará os ganhadores no jantar russo que será oferecido como parte da premiação. No dia seguinte, antes de deixar a acomodação, o vencedor e acompanhante terão um café da manhã especial.
Fonte: BRASIL CULTURA.

ENCONTRO DE POLÍTICAS CULTURAIS DO CPC/RN! IFRN DE NOVA CRUZ/RN - DIA 25/05/2018 - IFRN DE NOVA CRUZ/RN

Contagem regressiva! É HOJE! (25) 0 ENCONTRO DE POLÍTICAS CULTURAIS DO CPC/RN. O e evento acontecerá no Auditório do IFRN de Nova Cruz/RN. Foram inscritos 60 pessoas, entre artistas culturais e estudantes universitários e profissionalizantes! Os palestrantes JOÃO MARIA CAMPOS , VERÔNICA SILVA e LENILSON, professores habilitados para o tema!  O evento está previsto para iniciar as 8h e 30m. Com Apresentação Cultural, Mesa oficial, debates, parada para o almoço, apresentação cultural, aprovação de propostas e entrega de certificados.

Tem figurinhas para trocar? Vem para o Panini Day!


Em contagem regressiva para o maior campeonato de futebol do mundo, a Panini realiza evento com atrações imperdíveis para incentivar os colecionadores a completarem o álbum de figurinhas oficial da Copa do Mundo da FIFA Rússia 2018. O Panini Day acontece no próximo dia 26 de maio, das 10 às 17 horas, na área externa do Museu do Futebol.
Os objetivos da ação são proporcionar a maior troca de figurinhas do mundo e oferecer entretenimento ao público. O dia será repleto de experiências, como um Turbilhão de Figurinhas, onde os colecionadores poderão pegar, em um determinado tempo, cromos que estarão por todo lado dentro de uma cabine; o MyPanini, para os interessados fazerem sua própria figurinha; molduras de figurinhas da Seleção Brasileira para fotos; campeonato de bafo; desafio de cards e totem interativo com exposição de todas as capas dos livros ilustrados das Copas do Mundo da FIFA já produzidos pela Panini, desde 1970.
O presidente da Panini Brasil, José Eduardo Martins, explica que a empresa incentiva e promove eventos para ajudar os colecionadores a completarem o álbum e também a gerar novas amizades, já que o produto possibilita interação, socialização, aproximação entre famílias e encontros de grupos de amigos e conhecidos. “Enxergamos essas iniciativas como oportunidades de conhecer pessoas, oferecer diversão para todos e desconectar um pouco o público do mundo digital, além do objetivo principal de preencher o álbum. Os visitantes terão ainda a chance de pegar figurinhas dos jogadores e as brilhantes em uma cabine que vai desafiar as habilidades dos colecionadores”, explica José Eduardo Martins.
Os colecionadores também poderão trazer figurinhas de livros ilustrados antigos e de outras coleções da Panini, não só da Copa do Mundo, para tentar completar todos os álbuns.
Fonte: BRASIL CULTURA

Projetos premiados pelo Ministério da Cultura movimentam setor audiovisual


O Programa Nacional de Fomento ao Audiovisual (Proav), lançado em julho de 2017 pelo Ministério da Cultura (MinC), está rendendo importantes resultados para o setor audiovisual brasileiro. A maior parte dos 135 projetos premiados, que receberam recursos de R$ 8,6 milhões, já foi entregue ou está em processo de finalização. São roteiros, curtas-metragens, canais web, aplicativos para celulares e tablets e festivais e mostras audiovisuais, que enriquecem o mercado e geram trabalho e renda para o setor.

A pesquisadora Ana Heloiza Pessotto foi uma das premiadas no Proav, no edital App Pra Cultura, que selecionou 40 projetos de criação de aplicativos e jogos eletrônicos culturais (cada um recebeu R$ 20 mil). Ela criou o aplicativo A CineastA, um banco de dados completo com informações sobre realizadoras mulheres, previsto para ser lançado ainda neste semestre. O aplicativo reúne fichas técnicas de longas, médias e curtas, séries e programas de TV, além de projetos universitários audiovisuais produzidos por mulheres.

O aplicativo A CineastA é resultado de uma dissertação de mestrado em Rádio e TV pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp), que analisou a Lei da TV Paga (Lei 12.485/11), criada para estimular a difusão de conteúdo audiovisual brasileiro regional, diverso e independente. Ana Heloiza conta que, durante a pesquisa, identificou um número muito grande de mulheres na produção e muito pequena na direção. “Concluí meu mestrado em 2016 e, até hoje, se realizarmos uma enquete sobre diretoras mulheres brasileiras, as pessoas terão dificuldade de elencar cinco nomes”, lamentou.
A pesquisadora Ana Heloiza Pessotto foi uma das premiadas no edital App Pra Cultura como o aplicativo A CineastA, um banco de dados completo com informações sobre realizadoras mulheres (Foto: Divulgação)
Para a pesquisadora, o aplicativo tem duas funções primordiais: dar visibilidade às realizadoras nacionais e tornar-se um ponto de encontro de troca de informações entre elas. “Essas mulheres existem, têm uma postura de liderança e devem ser conhecidas por seus trabalhos. Há mulheres cineastas que, mesmo estando há dez anos no mercado, ainda têm dificuldade de conseguir patrocínio para seus projetos”, pontuou.
Roteiros

Veterano no audiovisual, em especial na animação, o paulistano Céu D’Ellia foi um dos contemplados do edital de roteiristas do Proav, que premiou, com R$ 40 mil cada, 12 roteiros cinematográficos. Com o projeto Sete-Estrelo (Ter um lugar), D´Ellia busca resgatar o universo da imigração.

Segundo D´Ellia, a inspiração para o roteiro veio quando morava em Nova Iorque, nos Estados Unidos, próximo à Estátua da Liberdade, ponto turístico e um dos principais locais de chegadas de imigrantes naquela cidade. “Sendo também filho de imigrantes e morando fora do meu País, este era um tema que me tocava muito. Em outro trabalho, já tinha abordado a questão do tráfico de crianças na Tailândia, que também perpassa por essa questão de não ter terra, um lugar, uma pátria”, comentou.

A ideia do roteirista e cineasta é assegurar que o roteiro tenha a sua produção viabilizada inicialmente a partir de um curta-metragem. “Temos um determinado trecho da história, que tem apelo como curta-metragem e é capaz de alavancar o projeto. Nossa ideia é viabilizar o filme por meio de uma coprodução internacional”, disse.

Inovação e diversidade.

Uma das grandes novidades do Proav no ano passado foi a criação de editais inéditos, mais sintonizados com as demandas da sociedade atual. Um deles foi o Juventude Vlogueira, que premiou, com R$ 50 mil cada, 16 canais inéditos, de veiculação gratuita e com temática livre.
Wanderson Viana (esquerda) e Izah Cândido Siham (direita) foram premiados no edital Juventude Vlogueira com o canal Corpo Flor WebDoc (Foto: Divulgação)

O desejo de produzir arte e dar voz à militância política, racial e da diversidade sexual e de gênero levaram o estudante de Cinema Izah Cândido Siham, em parceria com Wanderson Viana, a criar o canal Corpo Flor WebDoc, dividido em dois espaços: vlog e websérie. “A ideia é abordar temas que perpassam nossa sociedade, como identidade de gênero, negritude e espiritualidade. Queremos conversar com pessoas que possam nos oferecer uma visão diferente. De um modo geral, o público está sedento por outras narrativas que não sejam tão eurocentradas, brancas ou heteronormativas”, destacou Siham, um dos premiados no edital Juventude Vlogueira.
Corpo Flor é também o título de uma performance da artista plástica e estudante de psicologia Castiel Vitorino Brasil, que participa do episódio-piloto publicado no canal no início de março deste ano. “O nome do projeto se relaciona com o trabalho de Castiel, que investiga o corpo como potência de várias identidades, inclusive a da ‘bicha preta’. Como homem trans, não tinha como não pensar em questões como masculinidade ou feminilidade”, ponderou Siham.

Mostras e festivais

Além de editais tradicionais, como os de apoio à produção de roteiros e de curtas-metragens, o Programa de Fomento ao Audiovisual (Proav) trouxe pela primeira vez uma linha totalmente voltada ao financiamento de mostras e festivais, viabilizada pela criação do Programa Nacional de Apoio a Festivais e Mostras Audiovisuais. Dividido em três modalidades, que levam em consideração o número de festivais e a quantidade de edições realizadas anteriormente, o edital premiou eventos com recursos entre R$ 80 mil e R$ 250 mil por projeto.

A 5ª edição da Parada de Cinema – Mostra de Cinema Brasileiro Contemporânea foi um dos projetos selecionados no edital de apoio a mostras e festivais (Foto: Divulgação)

Entre os projetos selecionados no edital está a 5ª edição da Parada de Cinema – Mostra de Cinema Brasileiro Contemporâneo, que foi realizada de 2 a 6 de maio, em Teresina, no Piauí. Desenvolvida pelo Instituto Punaré/Canteiro, a mostra se propôs a discutir a presença da mulher no audiovisual, em especial no cinema autoral.
Na avaliação da produtora-executiva do festival, Layane Holanda, a aprovação do financiamento federal tornou o projeto ainda mais desafiador. “Nosso estado (Piauí), ao contrário de Pernambuco e Ceará, que tem uma cena mais consolidada, não tem uma indústria audiovisual estabelecida. Mas, mesmo diante desse cenário, conseguimos trazer para o festival 14 filmes inéditos, entre curtas, médias e longas-metragens”, ressaltou.

Parte da programação da 5ª Parada incluiu a Mostra Empodera, que exibiu, na abertura do festival, o filme Mulheres de Visão, documentário de estreia da cineasta Milena Rocha. Realizado em uma coprodução com a própria Parada de Cinema, a sessão contou com tecnologias de acessibilidade para portadores de necessidades especiais.