Postagem em destaque

GRUPO DE CAPOEIRA CORDÃO DE OURO-NOVA CRUZ/RN REALIZOU O BATIZADO E TROCA DE CORDA FECHANDO COM CHAVE DE OURO! CONFIRAM!!!

FINAL - FOTO HISTÓRICA  - GRUPO DE CAPOEIRA CORDÃO DE OURO MOMENTO DO "ESQUENTE"  MOMENTOS DECISIVOS - MUITA CONCENTRAÇ...

sexta-feira, 19 de julho de 2019

Conheça o novo presidente da UNE, o goiano Iago Montalvão

Foto: Karla Boughoff/Cuca da UNE
por Cristiane Tada.
Conterrâneo e sucessor de Honestino Guimarães e Aldo Arantes, estudante de economia da USP acredita em uma visão humanista sobre os números.
Para o novo presidente da UNE, o cargo é novidade, mas o engajamento, esse vem de longe.
Iago Montalvão é goiano, tem 26 anos e estuda Economia na USP em São Paulo. Foi eleito neste 57º Congresso da UNE que terminou neste domingo (14) em Brasília em um dos fóruns mais representativos da história da entidade com 4053 votos, 70% do total, pela chapa Tsunami da Educação.
Desde o Grêmio do Colégio Aplicação, escola pública da Universidade Federal de Goiás em Goiânia onde cumpriu toda sua formação escolar, Iago sempre esteve na militância.
“Eu sempre fui muito agitado, sempre quis participar de tudo, procurando sempre algo para fazer, quando eu estou parado eu me sinto incomodado”.
Tudo isso sem repetir nenhum curso, com boas notas, com tempo para leitura de quadrinhos a Darcy Ribeiro, para assistir os jogos do vasco e jogar videogame. Do textão e da zoeira, fã de Emicida e do sertanejo característico da sua terra natal, Iago diz que sempre foi um “cara amplo em tudo”.
Foto: Karla Boughoff/Cuca da UNE
Cotista de escola pública na UFG onde cursou 3 anos de história, cotista na USP atualmente, ele reconhece a oportunidade de estudar nas melhores universidades do país como fruto de uma luta do movimento estudantil. E reconhece: “eu sei que sou um privilegiado, para quem é de Goiás nunca foi um horizonte estudar na USP. A minha luta é para que todo estudante possa ter acesso a um ensino de qualidade assim como eu tive”.
Iago chega à presidência depois de três gestões femininas consecutivas de Vic Barros, Carina Vitral e Marianna Dias. “ Foram grandes mulheres e fizeram grandes gestões, espero estar à altura.  Só aumenta a minha responsabilidade que é de não só fazer a luta cotidiana, mas também entender qual é a importância dessa representatividade, reconhecer esse processo e ser um soldado nessa luta, ouvindo as pessoas excluídas historicamente dos espaços de poder”.
Foto: Karla Boughoff/Cuca da UNE

FÉ NA ORGANIZAÇÃO E DOIS GOIANOS COMO INSPIRAÇÃO

Iago acredita que cresceu no movimento estudantil como um bom executor de tarefas e no diálogo. A presidência da UNE, ele afirma que nunca foi um objetivo, mas sim mais uma tarefa que lhe foi confiada por um coletivo “não foi uma ambição, foi uma missão que aceito com a melhor dedicação possível” .
E completa: “Eu sempre fui disciplinado e muito dedicado a cumprir com os meus deveres, mas sobretudo sempre fui muito convencido. Acho que quando você se convence de que algo é importante você tem toda a disposição do mundo de fazer o que é necessário, e eu sempre tive”.
Foto: Yuri Salvador

E dessa forma que ele quer administrar a instituição que representa mais de 8 milhões de estudantes do ensino superior em um período de ameaça a universidade pública e gratuita: construindo consensos e buscando saída para as divergências.
Para ele o ambiente atual dentro da entidade está propício para as concordâncias, que foram construídas nesse último período e que precisam ser potencializadoras de mobilização. “Essa tem que ser a nossa missão: estar concentrado da pauta da luta pelos direitos e pela educação. Porque aí você pega toda a diversidade da nossa base e foca em uma luta. O movimento estudantil quando ele está unificado em uma batalha é perigoso”.
Foto: Karla Boughoff/Cuca da UNE

A esperança do novo presidente da UNE é que as pessoas cada vez mais tenham o movimento estudantil como instrumento de transformação social.
“Desde de quando eu fui para a minha primeira manifestação eu sempre acreditei que é possível mudar a sociedade quando a gente se movimenta, quando a gente se organiza conseguimos transformar a nossa realidade e a dos outros”, afirma.
Iago ressalta ainda que para que ele possa dar sua contribuição na maior entidade do movimento social hoje é preciso honrar todos os lutadores e as lutas que vieram antes.
“A UNE dá oportunidade aos jovens de sonharem, porque construiu lutas em outros momentos que possibilitaram que a gente conquistasse condições para que estudantes de escolas públicas, negros, pardos, indígenas que antes não sonhavam com estes espaços no ensino superior e hoje podem sonhar. E eu digo isso com muito orgulho e tranquilidade, porque eu ingressei na USP pelas cotas porque eu sei que se não fossem as cotas eu não conseguiria”.
E destaca dois goianos ex-presidentes da UNE que sempre o inspiraram na organização: ‘’Aldo Arantes que defendeu a democracia da década de 60, as reformas de base, a reforma universitária, e Honestino Guimarães, presidente da entidade em um dos nossos piores momentos perseguido e assassinado em 72”.

É DE HUMANAS OU DE EXATAS?

Iago iniciou no ensino superior no curso de história, graduação que abraçou devido ao interesse por arqueologia. Com o passar do tempo começou a entender o curso como uma ferramenta para as pessoas pensarem como a sociedade funciona, projetar o futuro, passar a questionar os mecanismos da sociedade.
Depois de três anos de história divididos entre a UFG e UnB ele viu na USP uma oportunidade de expandir o conhecimento em uma área bem diferente, a Economia.
“Adoro história, quero terminar um dia, mas eu estava diante de uma oportunidade única que talvez não se repetisse. Falta no país uma opinião elaborada de economistas no campo da esquerda, progressista, e penso que posso contribuir nessa questão, ser uma pessoa que possa travar o debate e contrapor o status quo, o mainstream da economia, o debate raso que os jornalões e comentaristas de grandes meios de comunicação impõe como um discurso complicado que ninguém entende”.
Foto: Karla Boughoff/Cuca da UNE

Na FEA, uma universidade de tradição liberal e conservadora, bem como uma das mais elitistas do Brasil, ele conta que se surpreendeu com a opinião estudantil que contrapõe o discurso vigente e a condição de repúdio a política de cortes de Bolsonaro.
“Temos aqui o CAVC [entidade que representa os estudantes da FEA], um dos CAs mais tradicionais e históricos do movimento estudantil, que teve muitos estudantes perseguidos pela ditadura, e tem um posicionamento muito firme na defesa de um projeto mais popular de educação, da própria economia, que contrapõe com firmeza o Ministro da Educação Abraham Weintraub, que foi estudante da FEA e foi declarado persona non grata da universidade”, explica.
E se diverte: “Na FEA a gente brinca que economia não é nem de humanas, nem de exatas”.
Iago afirma que no curso aprendeu que embora os economistas mais ortodoxos digam que a economia política foi superada, ele acredita que ela precisa ser política, mas reconhece  que este talvez seja um debate muito amplo para quem ainda está no início da graduação.
Foto: Karla Boughoff/Cuca da UNE
“O sistema capitalista tem um pensamento dominante que eles reproduzem como se aquilo ali fosse natural estabelecido e não possa ser mudado”.
Sobre a política econômica de Bolsonaro em sua análise ela é importada de outros países que não tem a mesma realidade do Brasil, e que isso certamente vai quebrar ainda mais o  país, sobretudo para o lado dos pobres.
“É um programa econômico que pensa pelo ponto de vista do equilíbrio fiscal, da solução dos problemas econômicos, mas não pensa do ponto de vista da solução dos problemas humanos. O ser humano/emprego no programa liberal é só mais uma variável que tem a ver como se você vai ou não aumentar o déficit fiscal ou o nível de produtividade, é apenas uma variável matemática no programa deles”.

E QUAL A SAÍDA?

Para o novo presidente da UNE, a entidade de 82 anos tem todos os mecanismos e pedigree para engajar e organizar uma resistência na sociedade por meio da pauta da educação.
“Mostramos isso nos dias 15 e 30M. As manifestações que paralisaram todos os estados do país só aconteceram porque na véspera diversas assembleias estudantis planejaram os atos em universidades de todo o Brasil. A defesa da educação é uma pauta que reverbera na sociedade e é com organização que vamos mudar os rumos dos retrocessos”.


Foto: Yuri Salvador

SECRETARIA ABRE INSCRIÇÕES PARA O PRÊMIO SÃO PAULO DE LITERATURA


Autores dos melhores romances de ficção de 2018 receberão prêmio de R$ 200 mil; obras podem ser inscritas até 15 de agosto
A Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado abriu hoje (2) inscrições para o Prêmio São Paulo de Literatura, uma das mais conceituadas premiações do gênero no país. Serão contemplados um autor pela categoria “Melhor Romance de Ficção do Ano de 2018” e um como “Melhor Romance de Ficção de Estreia do Ano de 2018”. Cada ganhador receberá o prêmio de R$ 200 mil.
Criado em 2008, o Prêmio São Paulo de Literatura tem como objetivo estimular a produção literária de qualidade, valorizar o setor e favorecer a formação de leitores e escritores, reconhecendo grandes nomes e também novos talentos.
O edital está disponível nos sites www.premiosaopaulodeliteratura.org.br  e www.cultura.sp.gov.br  Os candidatos podem inscrever suas obras até 15 de agosto. Os finalistas serão anunciados na primeira quinzena de outubro, e os vencedores serão premiados em novembro.
As obras devem ser do gênero romance de ficção, escritas originalmente em português e ter sua primeira edição e impressão no Brasil em 2018, além de possuir formato impresso e ISBN.
Na categoria “Melhor Livro do Ano”, poderão se inscrever autores que já publicaram romances anteriormente. Já na categoria “Melhor Romance de Ficção de Estreia do Ano de 2018”, os escritores podem ter obras publicadas em outros gêneros, desde que o livro inscrito seja o seu primeiro romance de ficção.
Fichas de inscrição, declarações e demais documentos:
Resolução – Instituição do Prêmio
Edital Prêmio SP de Literatura – 2019
Edital Prêmio SP de Literatura – 2019 + Anexos
Anexo I – Ficha de inscrição (Pessoa Física)
Anexo II – Ficha de Inscrição (Pessoa Jurídica)
Anexo III – Declaração do Autor Estreante
Anexo IV – Declaração da Editora
Anexo V – Declaração do Autor – Circuitos
Fonte: Portal BRASIL CULTURA

História – República Velha

República Velha é o período da história do nosso país que se estendeu de 1889 a 1930. Os marcos que estipulam o início e o fim desse período são a Proclamação da República e a Revolução de 1930. Esse período é mais conhecido entre os historiadores como Primeira República, por se tratar do primeiro período da República no Brasil.
Resumo
→ A República Velha é chamada pelos historiadores de Primeira República.
→ Esse período foi iniciado com a Proclamação da República, que fez com que Deodoro da Fonseca assumisse a presidência.
→ O período de 1889 a 1894 é também conhecido como República da Espada.
→ A República Velha contou, ao todo, com treze presidentes e com outros dois que não puderam assumir a presidência.
→ O mandonismo, clientelismo e coronelismo são características importantes desse período.
→ A política dos governadores e a política do café com leite foram práticas importantes do arranjo político das oligarquias.
→ O Brasil experimentou um avanço industrial embrionário nesse período, que resultou no nascimento do movimento operário no país.
→ A desigualdade social e a política corrupta desse período motivaram revoltas em diversas partes do país.
→ A Revolução de 1930 foi o acontecimento que precipitou o fim desse período e inaugurou a Era Vargas.
Contexto histórico
A República Velha iniciou-se em 1889, quando aconteceu a Proclamação da República, no dia 15 de novembro. Esse acontecimento iniciou-se pela manhã do dia citado quando os militares liderados pelo marechal Deodoro da Fonseca derrubaram o Visconde de Ouro Preto do Gabinete Ministerial. Na sequência do dia, José do Patrocínio, vereador no Rio de Janeiro, proclamou a República.

Após a Proclamação da República, Deodoro da Fonseca foi escolhido como presidente provisório. Em 1891, o marechal foi eleito presidente do Brasil para um mandato de quatro anos, mas renunciou ao cargo e foi sucedido pelo seu vice, o marechal Floriano Peixoto, que permaneceu no cargo até o ano de 1894. Esse período de 1889 a 1894, em que o país foi governado por dois presidentes militares, é conhecido como República da Espada.
Presidentes da República Velha
Ao todo, a República Velha estendeu-se de 1889 a 1930 e contou com treze presidentes que assumiram funções. Ao longo desse período, também aconteceu de dois presidentes eleitos não terem assumido a função, por motivos de saúde ou políticos. Os presidentes do período foram:
  1. Deodoro da Fonseca (1889-1891);
  1. Floriano Peixoto (1891-1894);
  1. Prudente de Morais (1894-1898);
  1. Campos Sales (1898-1902);
  1. Rodrigues Alves (1902-1906);
  1. Afonso Pena (1906-1909);
  1. Nilo Peçanha (1909-1910)
  1. Hermes da Fonseca (1910-1914);
  1. Venceslau Brás (1914-1918);
  1. Delfim Moreira (1918-1919);
  1. Epitácio Pessoa (1919-1922);
  1. Artur Bernardes (1922-1926);
  1. Washington Luís (1926-1930).
Os dois presidentes que foram eleitos e não assumiram foram Rodrigues Alves (segundo mandato) e Júlio Prestes. Rodrigues foi eleito para um segundo mandato em 1918, mas, antes de assumir, faleceu por conta da gripe espanhola. Seu vice, então, assumiu, para que uma nova eleição fosse marcada (e nela Epitácio Pessoa foi eleito). Já Júlio Prestes foi impedido de assumir a presidência por conta da Revolução de 1930.