Postagem em destaque

Atrofia cultural

O cartunista  Miguel Paiva  afirma que a cultura brasileira segue ameaçada. Ele diz: “um país como o Brasil não pode ser entregue a ini...

terça-feira, 15 de maio de 2018

PRESIDENTE DO CPC/RN, EDUARDO VASCONCELOS REUNIU-SE COM REPRESENTANTES DO GRÊMIO DO IFRN DE NOVA CRUZ

Foto da reunião de hoje (15)

Hoje (15) a tarde o presidente do Centro Potiguar de Cultura - CPC/RN, EDUARDO VASCONCELOS, reuniu-se com representantes do Grêmio Estudantil 'Nilo Peçanha" - Campus do IFRN de Nova Cruz/RN, cuja pauta foi o Encontro de Políticas Culturais do CPC/RN, que ocorrerá dia 25 de maio na instituição.

Foram discutidos na presente reunião a importância do CPC/RN, da participação do grêmio no evento e nos eventos futuros. Após duas horas de reunião ficou decidido que o o Grêmio inscreverá aproximadamente 20 (vinte) alunos e terão participação com duas apresentações culturais durante o referido evento (atrações serão divulgadas na próxima semana).

A galera do grêmio também dará "uma força" na organização do evento.  Ficou marcada uma outra reunião na  próxima sexta-feira (18), ás 15h na instituição para uma rodada de  avaliação e fechamento da PROGRAMAÇÃO.

Participaram da reunião com o presidente do CPC/RN, os diretores/as do Grêmio Estudantil "Nilo Peçanha" - IFRN - Nova Cruz/RN: e WERTHOM LUCAS - Diretor de Arte e Cultura; ESTEPHANNYER - Secretária e KELLY - Assistente Estudantil. 

HISTÓRIA: OS POTIGUARAS DO SÉCULO XXI

Os Potiguaras do século 21 têm seus pés apoiados no presente, mas o movimento de resgate de sua cultura, tão expressiva no passado, é um passo fundamental para as atuais e futuras gerações reafirmarem sua identidade. As escolas indígenas vêm revolucionando esse processo.

Desde 2002, as trinta e duas aldeias têm unidades de ensino fundamental com professores bilíngues, sendo que, quatro delas (São Francisco, Monte-Mor, Três Rios e Acajutibiró) recebem também alunos do ensino médio.
Nesses treze anos, muita coisa mudou. A língua Tupi, que até então aparecia de forma inconsciente, em palavras soltas e esparsas no meio de frases, em português, aos poucos, ressurge na boca do povo.
“No início, não havia demanda. Hoje, está faltando professor. Muitos querem participar do Toré, inclusive, adultos. É o fortalecimento da nossa cultura”, diz o professor Josafá Freire, potiguar da gema e coordenador do projeto em toda a Reserva.
As aulas, além da grade normal de qualquer escola no Brasil, ensinam gramática da língua tupi, história étnica e arte e cultura potiguara.
O RITUAL SAGRADO
O Toré é um ritual sagrado dos índios do nordeste brasileiro que resistiu a tudo e a todos. Nem mesmo centenas de anos em longos processos de aculturação foram capazes de minar esse culto que está na essência do espírito guerreiro dos Potiguaras.
A cerimônia, fechada, é uma celebração à identidade e à união das aldeias, e acontece em diferentes situações. Comemorar uma colheita, uma conquista, a exemplo das demarcações e homologações de suas terras ou, até mesmo, homenagens em dias de luto.
No passado, as batalhas vencidas pelos Potiguaras contra as forças portuguesas sempre eram festejadas com o Toré.
O rito é dançado em três círculos sobrepostos. No centro do primeiro círculo, formado pelas crianças e adolescentes, ficam os tocadores de bombo (tambor), a gaita (flauta feita de bambu) e a caixa; o segundo anel é composto pelas lideranças (caciques e pajés); no maior arco dançam os adultos, sempre em movimentos circulares, no sentido horário.
PINTURA POTIGUARA
A pintura Potiguara é uma de suas expressões culturais mais representativas. Usada durante o ritual do Toré, ela é a mais pura tradução dos antepassados indígenas.
O urucum reproduz o sangue vermelho e a força dos guerreiros. Retirar sua tinta é muito simples. A semente é aberta, depois, com as próprias mãos, os nativos pintam o rosto.
A cor preta do jenipapo evoca a Mãe Terra, fonte de energia. Sua extração é bem mais complexa, sendo necessários três dias em que é preciso mexer o caldo com as raspas do fruto, a cada duas horas, até chegar à tonalidade e textura certas.
No Dia do Ìndio, 19 de abril, é realizado um grande Toré, aberto ao público, na aldeia São Francisco.
A RESERVA INDÍGENA
A Reserva dos Potiguaras tem 33 757 hectares (Terra Indígena Potiguara - 21.238 hectares; TI Jacaré de São Domingos - 5.032 ha; e TI Potiguara de Monte-Mor - 7.487 ha), repartidos em três áreas adjacentes, nos municípios de Baía da Traição, Rio Tinto e Marcação.
Sua população é estimada em vinte mil pessoas, distribuídas em 32 aldeias e nas cidades de Baía da Traição, Marcação e Rio Tinto.
Cada aldeia possui um cacique. A reserva, como um todo, é comandada por um Cacique Geral.
Os potiguaras desenvolvem agricultura de subsistência de culturas como o milho, feijão, mandioca, macaxeira e inhame; a pesca artesanal, no mar e nos manguezais; o extrativismo vegetal da mangaba, dendê, caju e batiputá; e a criação de galinhas, patos, cabras, bovinos e cavalos. O turismo de base comunitária é incipiente, mas merece atenção destacada, por se mostrar uma forma da população indígena, ter um controle sobre seu desenvolvimento econômico em que os benefícios permanecem dentro das aldeias.

Fonte: trilhasdospotiguaras.com.br

Brasil sedia primeira Reunião de Patrimônio da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP

1ª Reunião da Comissão de Patrimônio Cultural da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)

O Brasil irá sediar a primeira Reunião da Comissão de Patrimônio Cultural da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), nos dias 17 e 18 de maio, em Salvador (BA). O evento será promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), no hotel histórico Pestana Convento do Carmo, antiga Ordem Primeira dos Freis Carmelitas, construído em 1586, próximo ao Pelourinho. Participam do evento representantes de Portugal, Cabo Verde, Angola, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Guiné Bissau, além do Brasil. 
O propósito da Comissão de Patrimônio é fomentar iniciativas de valorização do Patrimônio Cultural comum, para integração e desenvolvimento regional. Singularidades e aprendizados em preservação do patrimônio serão tema de debate entre as nações integrantes da CPLP, ao longo desses dois dias. A comissão deve promover o intercâmbio de especialistas em atividades de formação em patrimônio, além de compartilhar políticas de preservação entre os países que falam a nossa língua. “Falamos a mesma língua, o que proporciona a capacitação profissional dos gestores de patrimônio dos países da comunidade”, destaca o Diretor de Cooperação e Fomento (DECOF) do Iphan, Marcelo Brito.
O Brasil ocupa a presidência pro tempore dessa comunidade internacional e a cidade de Salvador foi declarada a capital cultural dos países de língua portuguesa, para o biênio 2017-2018. A realização da primeira reunião da comissão ocorre em resposta aos compromissos firmados na X Reunião de Ministros da Cultura da CPLP, ocorrida em maio do ano passado. 
1ª Reunião da Comissão de Patrimônio Cultural da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP),A língua de Camões
A CPLP integra nove países que falam o Português. A língua é um meio de aproximação entre os indivíduos, e permite a fruição da cultura dos falantes. Os povos representados na CPLP partilham também de uma herança histórica que os une, de um percurso comum de vários séculos, que deu origem ao Patrimônio Cultural desses países. Esse patrimônio, tanto no que tem de comum, quanto na sua diversidade, tem potencial para o aprofundamento das relações entre os cidadãos dos estados membros, e afirmação da CPLP no contexto internacional. 
A Comissão de Patrimônio tem a missão de aproximar as nações integrantes da comunidade a partir do patrimônio cultural nelas existente. Na CPLP, a cooperação multilateral é um princípio fundamental, onde se pretende desenvolver ações formuladas e implementadas em conjunto, pelo bloco, propiciando sinergias e intercâmbios que favoreçam a gestão do patrimônio em cada país. 
Assim, a construção de projetos de cooperação técnica deve promover atividades formativas, o intercâmbio de experiências, a difusão de documentos internacionais especializados em língua portuguesa, a defesa de interesses comuns em fóruns internacionais e outras políticas de integração para o desenvolvimento do Patrimônio Cultural comum. Durante o encontro, os participantes conhecerão as ações do Centro Lucio Costa, a escola de patrimônio do Iphan, e suas oportunidades de formação em gestão do patrimônio. Haverá visitas técnicas à obra de restauro da Igreja do Passo e à Casa do Carnaval, em Salvador, restauradas pelo Iphan e entregues à sociedade em fevereiro de 2018.
Patrimônio Mundial nos países lusófonos
A cidade de Salvador, com sua história ligada à herança africana e europeia, é um exemplo do patrimônio compartilhado entre países lusófonos. A Ilha de Moçambique, na África, que também leva o título de Patrimônio Mundial, é outro lugar onde se destaca a arquitetura colonial portuguesa. Em Cabo Verde, também no continente africano, a Unesco reconheceu a Cidade Velha, conjunto histórico com bela vista para o mar, onde se destaca o Pelourinho, ao centro. Referências de urbanismo que vêm de cidades como Évora, em Portugal, com suas ruas entrecortadas.
Os bens brasileiros reconhecidos como Patrimônio Imaterial da Humanidade têm também fortes ligações com as tradições afrodescendentes – como é o caso do Samba de Roda no Recôncavo Baiano e a Capoeira. Esses são apenas alguns dos exemplos de formas de expressão marcadas pela presença de tambores e prática da dança, como é o caso do Gule Wamkulu, ritual praticado em Moçambique, Malawi e Zambia, que também integra a lista da Unesco.
A CPLP
Criada em 1996, a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) é uma organização internacional formada por países lusófonos, cujo objetivo é o aprofundamento da amizade mútua e da cooperação entre os seus membros. O bloco assume-se como um projeto político internacional multilateral, cujo fundamento é a Língua Portuguesa, bem como o vínculo histórico comum entre os nove países localizados em um espaço geograficamente descontínuo: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. A comunidade constitui, em consonância com as diretrizes da política externa brasileira, foro prioritário de atuação do Ministério da Cultura no âmbito cultural.
Serviço
Primeira Reunião da Comissão de Patrimônio Cultural da CPLP

Data: 17 e 18 de maio
Hora: 9h às 17h
Local:  Pestana Convento do Carmo 
           Rua do Carmo, 1 – Santo Antônio – Salvador/ BA

Mais informações para a imprensa
Assessoria de Comunicação Iphan

comunicacao@iphan.gov.br
Fernanda Pereira – fernanda.pereira@iphan.gov.br 
Helena Brandi – helena.brandi@iphan.gov.br
(61) 2024-5526- 2024-5511 - 2024-5513
(61) 99381-7543
www.iphan.gov.br
www.facebook.com/IphanGovBr | www.twitter.com/IphanGovBr
www.youtube.com/IphanGovBr

Semana de Museus tem atrações por todo o País. Confira a programação!


16ª Semana de Museus já começou e, a partir de hoje segunda-feira (14) até o próximo domingo (20), o público terá acesso a mais de 3 mil atrações, promovidas por museus de todo o Brasil, como visitas mediadas, palestras, oficinas e exibição de filmes.
Se você ainda não conferiu a programação da sua cidade, pode acessar o site do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) e fazer a pesquisa por estado e cidade. Se desejar, o usuário também pode buscar os eventos de uma instituição específica. A outra opção é clicar aqui fazer o download da programação completa disponibilizada pelo Ibram.
O evento é uma temporada cultural coordenada pelo Ibram que acontece todo ano em comemoração ao Dia Internacional dos Museus, em 18 de maio. Este ano, o tema da semana será Museus hiperconectados: novas abordagens, novos públicos. De acordo com o Ministério da Cultura, o objetivo do evento é “valorizar espaços de memória e cultura no País, aprimorar a relação dos museus com a sociedade e ampliar o público visitante”. O tema, ainda segundo o órgão, foi escolhido pelo Conselho Internacional de Museus (Icom).
Fonte: Governo do Brasil, com informações do Ibram, do Ministério da Cultura, da Prefeitura de Belo Horizonte e do Secretaria de Cultura do Paraná

Herson Capri: Povo precisa sair da mesmice da mídia tradicional


O ator da TV Globo Herson Capri visitou nesta sábado (12) a Vigília Lula Livre em Curitiba, e participou do já tradicional Bom Dia ao ex-presidente Lula.
Ele circulou pelas ruas do entorno da sede da Polícia Federal, conversou com os defensores de Lula e da democracia que habitam a vigília e deu um emocionado depoimento sobre o ex-presidente e a atual situação brasileira, que tem sua democracia ameaçada pela prisão arbitrária do líder das pesquisas sobre a corrida presidencial.

“O mundo inteiro já sabe que Lula é inocente. Seu governo foi o melhor que já existiu, mas falam em populismo, quando, na verdade, se trata de um governo popular, que governou para o povo, para quem precisa. Eu estou pedindo para que nosso povo vá às ruas e, principalmente leia as mídias alternativas, para ter o outro lado da moeda, para sair da mesmice dessa mídia tradicional. Estou com você e vou vou ficar com você até o fim” Veja, abaixo, o vídeo que Capri gravou para que seja mostrado ao ex-presidente Lula.
Confira o vídeo gravado por Herson Capri para Lula: Vídeo: Claudio Kbene