Postagem em destaque

PRESIDENTE DO CPC/RN REUNIU-SE COM AS/OS CANTORES/AS JULIANA GOMES E DIEGO RAMOS - ASSUNTO: GRAVAÇÃO DE UM FUTURO CD!

Eduardo Vasconcelos - centro, entre os/as cantores/as, Juliana Gomes e Diego Ramos Hoje (17) a tarde no alpendre da Casa de Cultura &...

domingo, 6 de maio de 2018

"VALE A PENA LER DE NOVO!" - CPC/RN: SÃO GONÇALO DO AMARANTE II - A RIQUEZA CULTURAL DESSE MUNICÍPIO



São Gonçalo do Amarante poderia ser aclamada a terra do Folclore Potiguar. Não é a toa que o símbolo do nosso folclore vem de lá - o galinho branco que encanta a todos que se interessam por Cultura Popular. Em São Gonçalo encontram-se verdadeiros tesouros nessa arte  moldar o barro, tecer a fibra, brincar e contar histórias: do rico artesanato aos brincantes do  de Boi Calemba, Coco do Calemba e Pastoril, além da memória prodigiosa de Dona Militana a mais importante romanceira brasileira.

                                           
DONA MILITANA - A ROMANCEIRA




Dona Militana  tinha conhecimento de mais de 50 peças raras dos romanceiros ibéricos e brasileiros, que foram passados a ela através de seu pai já adaptados à cultura nordestina.

Gravou na memória os cantos executados pelo pai. São romances originários de uma cultura medieval e ibérica, que narram os feitos de bravos guerreiros e contam histórias de reis, princesas, duques e duquesas. Além de romances, cantava modinhas, coco, xácaras, moirão, toadas de boi, aboios e fandangos.


GRUPOS FOLCLÓRICOS

                          
                              1 - COCO DO CALEMBA



O Grupo Coco do Calemba surgiu em 2008, na perspectiva de reavivar as manifestações populares do município de São Gonçalo do Amarante. A intenção é revitalizar em parceria com  o ritmo e a música do Grupo de Raiz (da Melhor idade) o Bambelô da Alegria e outras músicas (de Coco) de domínio público.






                    2 - BOI CALEMBA PINTADINHO


                                            


O Boi Pitadinho da cidade de São Gonçalo do Amarante é um dos grupos mais tradicionais do estado, com mais de cem anos de existência. 
Boi Calemba, termo utilizado por Luís da Câmara Cascudo com o intuito de diferenciar o Boi de Reis do Rio Grande do Norte,é um auto popular que trata da morte e ressurreição de um boi. Com sua coreografia ao som da Rabeca cantam cantigas antigas, figurino com fitas coloridas e espelhos que proporcionam um interessante efeito visual. Os mascarados representam a parte cômica da dança, o trio formado por Birico, Mateus e Catirina (personagens do auto)apresentam-se usando roupas surradas, rostos pintados e utilizam-se dos gestos e paródias dos galantes. Outras figuras integram a apresentação como a Burrinha, o Bode, o Gigante (cavalo marinho), o Jaraguá e o Boi. Os instrumentos utilizados são a rabeca, o pandeiro, triângulo e alguns instrumentos de corda, podendo ser substituídos pela sanfona.






       
                3 - PASTORIL DE DONA JOAQUINA




O pastoril é uma tradição centenária de São Gonçalo do Amarante e voltou a tomar força com a oficialização do pastoril Dona Joaquina, em 2005. O grupo reúne descendentes e simpatizantes dos antigos grupos de pastoris da cidade, resgatando e mantendo a tradição cultural da Lapinha e do Pastoril na região.
O grupo potiguar é formado por 18 pastorinhas, com idades entre 12 e 21 anos. As meninas pegam a estrada nesta quinta-feira (6) acompanhadas da diretora do grupo Séphora Bezerra, oito músicos e algumas mães.

O Festival Nacional de Folclore realizado em Olímpia, Estado de São Paulo é um evento que integra o folclore de todas as regiões brasileiras. O folclore do Rio Grande do Norte será o tema da 47ª Edição do Festival que se realizará de 23 a 31 de julho de 2011. O Pastoril de Dona Joaquina de São Gonçalo do Amarante será o grupo homenageado pelo Festival. 





                                     


  Fontes:

  • História dos Municípios - Aristides Siqueira Neto -2ª edição- 2001- Governo do Estado do RN;
  • Jornal Tribuna do Norte -Natal RN
  • Jornal Diário de Natal -Natal-RN
  • Site Oficial da Prefeitura de São Gonçalo do Amarante
  Fotos:
  • Imagens Google
  • Acervo do Site da Prefeitura de São Gonçalo do Amarante

  • Com: https://papjerimum.blogspot.com.br/2012/03/sao-goncalo-do-amarante-ii-riqueza.html

RETROSPECTIVA: Grupos culturais de São Gonçalo se destacam em apresentação na capital Potiguar

Grupos culturais de São Gonçalo se destacam em apresentação na capital Potiguar

A orquestra BAMUSGA é uma das mais atuantes do Rio Grande do Norte, com presença constante em desfiles cívicos, festas religiosas, eventos esportivos e festivais
A Banda Municipal de São Gonçalo do Amarante (BAMUSGA), um dos principais exemplos do incentivo constante da gestão municipal em cultura, é uma das mais tradicionais expressões do talento são-gonçalense.

A orquestra é uma das mais atuantes do Rio Grande do Norte, com presença constante em desfiles cívicos, festas religiosas, eventos esportivos e festivais. No dia 22 de março (quinta-feira),juntamente com a cantora Lucy Alves, a BAMUSGA realizou a abertura da II Conferência Nacional da Jovem Advocacia, promovida pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).
“É uma grande satisfação para todos nós ter a oportunidade de representar São Gonçalo do Amarante em um evento a nível nacional junto com uma cantora reconhecida em todo o País. Fazemos parte do berço da cultura popular e honramos o nome da nossa cidade em cada apresentação”, destaca o maestro e fundador da Banda, Aldo Correia.
Durante o evento, o centenário grupo municipal Boi Calemba Pintadinho e o ator Gleydson Almeida também realizaram uma brilhante participação. “Temos uma cultura local bastante diversificada e convites solicitando os nossos grupos em eventos por todo o RN são frequentes, o que reforça a importância de mantermos sempre o apoio pata todos os integrantes desses equipes”, ressalta Flávio Henrique, presidente da Fundação de Cultura Dona Militana.

Os componentes da banda recebem a “bolsa-arte” como forma de incentivo, além de auxilio transporte para apresentações e ensaios.
Fonte: http://saogoncalo.rn.gov.br
Adaptado pelo CPC/RN, em 06/04/2018