Postagem em destaque

GRUPO DE CAPOEIRA CORDÃO DE OURO-NOVA CRUZ/RN REALIZOU O BATIZADO E TROCA DE CORDA FECHANDO COM CHAVE DE OURO! CONFIRAM!!!

FINAL - FOTO HISTÓRICA  - GRUPO DE CAPOEIRA CORDÃO DE OURO MOMENTO DO "ESQUENTE"  MOMENTOS DECISIVOS - MUITA CONCENTRAÇ...

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Como a literatura vê a intervenção. Por Marcius Cortez

POR MARCIUS CORTEZ, publicitário e escritor.
Nem sei se sou herdeira da escritora Carolina de Jesus, mas me sinto como se vivesse num quarto de despejo. Não mando mais,

nem eu nem minha família, no único lugar onde posso morar, nesse barraco tosco perto do céu com vista para o mar e para o Rio sob a mira da morte.

É visível, qualquer um vê que o verde da bandeira do Brasil

sumiu dos uniformes dos soldados. Agora eles estão vestidos com o tecido tom sangue e roxo cadavérico.

Não durmo mais. Quando amanhece, ponho a cara na janela despedaçada por um tiro de arma pesada e respiro o pesadelo.

Está faltando luz, na Rocinha falta energia várias vezes ao dia.

Uso velas. Virou rotina como os tiroteios e os gritos dos prisioneiros.
Somos todos prisioneiros.

Penso que nunca mais foi rever o êxtase. Ontem tive uma visão muito estranha. Vi micos suspensos no ar como se levitassem no interior de uma ruína buscando desesperadamente a saída de emergência.

Aqui na Rocinha tem outras pessoas que gostam de escrever.

Dizemos que fazemos o relato da destruição. Antes eu imaginava que podia pegar nas estrelas com a mão, hoje nem mais conversar com elas é possível.

Foi me tirado todo o sentido que tinha para a vida. Amor, ora não me façam rir. Só me permitem vagar entre as sombras.

A fonte secou, tudo secou. Ninguém vai me impedir de afundar. E assim será daqui por diante.

Todos que escrevem comigo ecoam nas suas palavras que aliteratura da intervenção é o relato da terra saqueada. O Rio, o Rio virou um pântano de lama.

Nunca mais esquecerei a cena. Eles atiraram para matar. Nunca mais esquecerei os mortos enterrando os mortos.

Não consigo mais escrever. Eu vi o inferno. O povo engolindo fogo e sendo obrigado a permanecer em silêncio.

Fonte: DIÁRIO DO CENTRO DO MUNDO - DCM

 

Mais uma vitória contra a Lei da Mordaça no Rio Grande do Norte

Estudantes se unem contra o silenciamento do debate democrático nas escolas

Na ultima segunda-feira (19), a votação dos vereadores na Câmara Municipal de Parnamirim (RN) estava marcada para definir a implementação do Projeto Escola Sem Partido, que ameaça a liberdade de acesso ao conhecimento e a democracia no ambiente escolar. Porém, a sessão foi adiada devido à forte pressão dos estudantes presentes.
Com apelo religioso, utilizando nos discursos termos como “a favor da família” e defendendo que todos os “tementes a Deus” deveriam estar presentes, a bancada evangélica da Câmara mobilizou apoio ao projeto.
Estudantes secundaristas protestaram contra a tentativa de censura nas escolas e impediram a votação na Câmara Municipal.
Estudantes secundaristas protestaram contra a tentativa de censura nas escolas e impediram a votação na Câmara Municipal.
“Parnamirim é uma cidade muito conservadora. Alguns pastores são vereadores e liberaram vans para trazer apoiadores que estavam com crianças de colo e bíblias debaixo do braço”, informa Nayanna Mirely, Diretora de Cultura da UMES-Natal.
Segundo ela, é perceptível que a população não tem conhecimento do que é a Lei da Mordaça. Relatou que os vereadores discursam pela aprovação para impedir que a identidade de gênero seja discutida em ambiente escolar.
A jovem também destacou a dificuldade de abordar o tema nas escolas do município: “O preconceito é muito grande. Sofremos intensa repressão quando realizamos debates em sala de aula”.
As pressões políticas continuam no país
No mês de fevereiro, com o retorno das atividades na Câmara dos Deputados, muitos estados estão acelerando os debates sobre a lei. Em Recife, ainda no início do mês, a vereadora Aimée Carvalho (PSB) propôs uma audiência pública para votação e reforçou estar defendendo “os direitos da família”.
A UBES é contra o Projeto Escola Sem Partido e acredita que é uma tentativa de censurar e suprimir a liberdade de professores e alunos nas instituições de ensino. Os secundaristas não vão ceder e continuarão pressionando para que este projeto seja derrubado.
Veja 8 motivos por que a UBES é contra o projetoacesse aqui.
Por Aline Campos (UBES)

Nossa historia:Dinastia salomônica dos Imperadores da Etiópia.



Outro dia, lendo as insultuosas manifestações de governantes e da imprensa italiana, ambos propriedade do peripatético, um perigoso irresponsável, o fascista Silvio Berlusconi, sobre uma decisão soberana do presidente do Brasil (o caso Battisti), acabamos lembrando da Etiópia.


Ainda: lendo sobre a posição do Itamarati, a favor do sigilo eterno de documentos, ficamos muito curiosos a respeito do voto brasileiro no infame incidente de 1936, bem como sobre a atuação da diplomacia brasileira nessa e em outras ocasiões.

A Etiópia - significado de "terra de paz superior", segundo especialistas - é o sítio que possui os traços mais antigos da humanidade, bem como um dos países mais velhos do mundo. Sua dinastia remonta a dez séculos antes de Cristo.

A Igreja Ortodoxa Etíope (nada tem a ver com a Católica, é independente, mas reconhece a ascendência da Igreja Ortodoxa Copta, estabelecida por São Marcos no Egito, cujo chefe é o Papa de Alexandria, sucessor de São Marcos) afirma que na igreja Nossa Senhora Maria de Zion, em Aksum, repousa a Arca da Aliança mencionada na Bíblia, dentro da qual estariam as Tábuas da Lei onde estão inscritos os Dez Mandamentos.

Segundo descobertas e estudos recentes, é o berço do homo sapiens. 
Até 1935 nunca fora dominada por uma potência externa. Todos os seus vizinhos de fronteira já haviam se transformado, a ferro e fogo, em colônias inglesas, francesas e italianas.

Tendo como pretexto um mero tiroteio na divisa com uma colônia italiana (Eritréia), em 3 de outubro de 1935 os exércitos de Mussolini iniciaram a invasão. Houve tenaz resistência dos etíopes, enfrentando as armas modernas do invasor. Um morticínio terrível, para os africanos: pedras e lanças contra metralhadoras, tanques, canhões e gás venenoso.

A Etiópia valeu-se da Liga das Nações, que decretou sanções ao invasor. Sanções de mentira: em 5 de maio de 1936 houve a ocupação de Adis Abeba. O fracasso da Liga em impedir a agressão foi um sinal do que viria em 1939: a pior guerra de todos os tempos, a segunda mundial.

Em junho de 1936 o imperador Hailé Sélassie (nascido com o nome de Tafari Makonnen, em 23/7/1892, 
morto em 27/8/1975), novamente recorreu à Liga das Nações, se fazendo presente na reunião em Genebra, onde proferiu o seu mais famoso discurso.

A LINHAGEM SALOMÔNICA NA ETIÓPIA.- E apoderar-se-á dos tesouros de ouro e de prata e de todas as coisas preciosas do Egito; e os líbios e os etíopes o seguirão. Daniel 11:43
Porventura não foram os etíopes e os líbios um grande exército, com muitíssimos carros e cavaleiros? Confiando tu, porém, no Senhor, ele os entregou nas tuas mãos. 2 Crônicas 16:8
Menelik, o primeiro Imperador da Etiópia, tradicionalmente acredita-se ser o filho do rei Salomão de Israel e Makeda, aRainha de Sabá. Sua história está no livro etíope Kebra Nagast.

Makeda, rainha da Etiópia1 há seis anos,2 viajou para Jerusalém para conhecer a sabedoria de Salomão.3 Salomão usou um truque, fez a rainha, que era virgem, ficar com sede, e trocar sua virgindade por água.2
Nove meses e cinco dias após a Rainha ter se separado de Salomão, na terra de BÂLÂ ZADÎSÂRĔYÂ, a rainha deu à luz um menino, que foi chamado de BAYNA-LEḤKEM.4 De acordo com lendas etíopes ele nasceu na província de Hamasienem Eritrea.

Aos doze anos de idade, o menino quis saber quem era seu pai, e ouviu que era o rei Salomão, mas a rainha disse que ela era seu pai e sua mãe, mas depois que ele perguntou pela terceira vez, ela disse que seu pai era de um país distante.4Aos vinte e dois anos de idade, resolveu visitar seu pai.

Quando ele chegou a Israel, foi recebido como tendo vindo dos domínios de Candace e da Etiópia, e foi reconhecido como filho de Salomão; 5 Salomão pretendia, com mil mulheres diferentes, ter mil filhos homens, para conquistar as terras de todos seus inimigos, mas só teve três filhos homens, dentre os quais o mais velho, o filho da Rainha da Etiópia, era o filho da profecia.5 Reoboão tinha então sete anos de idade e era o único filho homem que estava com Salomão.

Tradicionalmente se credita que trouxe a Arca da Aliança para a Etiópia, quando ao alcançar maioridade, fora visitarJerusalém a fim de conhecer o pai.

De acordo com o Kebra Nagast, o rei Salomão tinha a intenção de enviar para o filho alguns nobres sacerdotes do templo e guerreiros junto com Menelik no retorno dele para o reino de Sabá. É suposto que ele tenha tido uma réplica da Arca, mas conta a lenda que o filho de Zadok o sumo-sacerdote trocou a réplica secretamente com a real Arca, permanecendo na Etiópia até os dias de hoje, mais exatamente na antiga cidade de Axum.

Na morte da Rainha Makeda, Menelik assumiu o trono com o título “novo de Imperador” e “Rei dos Reis de Etiópia”. Ele fundou a “Dinastia Salomonica” da Etiópia que governou o país com poucas interrupções durante aproximadamente três mil anos ou 225 gerações, depois terminadas com o Imperador Haile Selassie em 1974.

O LENDÁRIO REI PRESTES JOÃO- Com a expansão do império de Gêngis Khan no século XII, e com a intensificação dos contatos entre Ocidente e Oriente, monges e mercadores cristãos constataram que o “verdadeiro” reino de Preste João não ficava na Ásia Central, nem no Extremo Oriente, mas na Índianota , 
onde a cristandade europeia passou a procurá-lo. Era a época das antigas comunidades de cristãos indianos, chamados “seguidores de São Tomé”.2 .

A “hipótese indiana” era respaldada por viajantes que afirmavam ter encontrado um soberano cristão no norte da Índia, na corte de Tamerlão. A existência de um império etíope já era conhecida pelos ocidentais graças aos monges africanos que visitavam Jerusalém e às cartas enviadas ao papa “negus”, sacerdote etíope e soberano daquele reino. Esse império também é citado por frei Jordano de Sévérac, bispo da costa do Malabar. Foi quando a ideia de que a Etiópia poderia ser o reino do misterioso Preste João, realçada depois que uma embaixada enviada pelo “negusa nagast” (negus da Etiópia) chegou à corte papal de Avinhão, ganhou força (1310). Esse movimento reforçou a hipótese da existência, “em algum lugar do nordeste da África”, de um reino em guerra com os muçulmanos. Os europeus queriam se aliar a Preste João para enfrentar os muçulmanos. Havia, porém, dificuldade de localizar o misterioso rei e sacerdote.2 .
Os navegadores portugueses, ao desembarcarem na costa da África (1486), em busca de uma rota para as Índias, ouviram dos “notáveis” do reino do Benin que o grande rei “Ogané”, a quem deviam lealdade, reinava a “vinte luas de marcha para o norte, ao sul do Egito”. Ao ouvir esse relato, o rei João II de Portugal enviou dois homens ao rei Ogané, certo de que ele era Preste João.2 .

Os lusos, Pero de Covilhã e Afonso de Paiva, junto com uma soma em dinheiro levaram um planisfério para marcarem o local exato do reino misterioso. Em 7 de março de 1487 partiram. Somente Covilhã chegou ao destino. Desembarcou emZeila, antigo porto etíope, seguindo pelo interior até Gondar. Covilhã foi recebido pelo “negus” Alexandre, Leão de Judá, “Rei dos Reis”.

Assim como Preste João, o imperador etíope governava um reino que no passado havia dominado a costa oriental da África e que, com a expansão do Islã, fora empurrado para o interior do continente e resistiram durante séculos aos ataques muçulmanos. Com a morte do “negus” Alexandre, o seu filho e sucessor, Naod, convidou Covilhã a permanecer no reino.3 Covilhã aceitou a proposta de receber morada e esposa etíope, com quem teve filhos. Vinte anos depois (1520), uma nova embaixada portuguesa foi enviada à Etiópia. Na partida, Covilhã se recusou a seguí-los e permaneceu até a morte, segundo relato de um dos integrantes dessa nova embaixada, o padre Francisco Álvares, em seu “Verdadeira informação das terras do Preste João das Índias”. Foi a partir daí (século XVI) que o lendário rei deu lugar a um soberano real, aliado aos portugueses na disputa travada com os muçulmanos pelo controle das rotas comerciais do mar Vermelho.
A aliança, entretanto, era frágil. O exército do rei etíope era equipado com armas brancas. Já os muçulmanos possuíam arcabuzes e canhões fornecidos pelos turcos, que se aproximavam cada vez mais pelo mar Vermelho. Os portugueses tiveram dificuldade para barrar esse avanço. Os etíopes foram derrotados e obrigados a se refugiar nas montanhas. Ameaçados e sem recursos pedem ajuda aos portugueses que desembarcaram (1541) com uma tropa de 400 homens armados com canhões, comandados por Cristóvão da Gama. Os lusos vencem os muçulmanos, mas são derrotados quando sofrem contra ataque islâmico e perdem metade da tropa, incluindo aí o comandante. Os sobreviventes reuniram então os camponeses etíopes sob o comando do jovem “negus” Galawdewos (Cláudio) e saem vitoriosos sobre os muçulmanos em 21 de fevereiro de 1543.

Numa inversão da lenda, os europeus salvam o rei Preste João pondo um fim à busca mítica. Na questão da fé, a situação também se inverteu. A inquisição portuguesa enviou jesuítas à Etiópia para averiguar as práticas religiosas do Preste João e qualificou o monarca e seus seguidores de hereges. O “negus”, porém recusou a conversão ao catolicismo. Em 1634, os últimos jesuítas foram expulsos da Etiópia pondo fim a 140 anos de relação amigável entre o império etíope e Portugal.

Portanto, eis que eu estou contra ti, e contra os teus rios; e tornarei a terra do Egito deserta, em completa desolação, desde a torre de Syene até aos confins da Etiópia. Ezequiel 29:10
A espada virá ao Egito, e haverá grande dor na Etiópia, quando caírem os traspassados no Egito; e tomarão a sua multidão, e serão destruídos os seus fundamentos. Ezequiel 30:4

Naquele dia sairão mensageiros de diante de mim em navios, para espantarem a Etiópia descuidada; e haverá neles grandes dores, como no dia do Egito; pois, eis que já vem. Ezequiel 30:9
E, ouvindo Ebede-Meleque, o etíope, um eunuco que então estava na casa do rei, que tinham posto a Jeremias na cisterna (estava, porém, o rei assentado à porta de Benjamim), Jeremias 38:7
Porque eu sou o Senhor teu Deus, o Santo de Israel, o teu Salvador; dei o Egito por teu resgate, a Etiópia e a Seba em teu lugar. Isaías 43:3

Porventura pode o etíope mudar a sua pele, ou o leopardo as suas manchas? Então podereis vós fazer o bem, sendo ensinados a fazer o mal. Jeremias 13:23

Então disse o Senhor: Assim como o meu servo Isaías andou três anos nu e descalço, por sinal e prodígio sobre o Egito e sobre a Etiópia, Isaías 20:3

Assim o rei da Assíria levará em cativeiro os presos do Egito, e os exilados da Etiópia, tanto moços como velhos, nus e descalços, e com as nádegas descobertas, para vergonha do Egito. Isaías 20:4
Subi, ó cavalos, e estrondeai, ó carros, e saiam os valentes; os etíopes, e os do Líbano, que manejam o escudo, e os lídios, que manejam e entesam o arco. Jeremias 46:9

Então deu ordem o rei a Ebede-Meleque, o etíope, dizendo: Toma contigo daqui trinta homens, e tira a Jeremias, o profeta, da cisterna, antes que morra. Jeremias 38:10
E disse Ebede-Meleque, o etíope, a Jeremias: Põe agora estes trapos velhos e rotos, já apodrecidos, nas axilas, calçando as cordas. E Jeremias assim o fez. Jeremias 38:12
Não me sois, vós, ó filhos de Israel, como os filhos dos etíopes? diz o Senhor: Não fiz eu subir a Israel da terra do Egito, e aos filisteus de Caftor, e aos sírios de Quir? Amós 9:7

E há de ser que naquele dia o Senhor tornará a pôr a sua mão para adquirir outra vez o remanescente do seu povo, que for deixado, da Assíria, e do Egito, e de Patros, e da Etiópia, e de Elã, e de Sinar, e de Hamate, e das ilhas do mar. Isaías 11:11

'Vai, e fala a Ebede-Meleque, o etíope, dizendo: Assim diz o Senhor dos Exércitos, Deus de Israel: Eis que eu trarei as minhas palavras sobre esta cidade para mal e não para bem; e cumprir-se-ão diante de ti naquele dia. Jeremias 39:16"

Assim diz o SENHOR: O trabalho do Egito, e o comércio dos etíopes e dos sabeus, homens de alta estatura, passarão para ti, e serão teus; irão atrás de ti, virão em grilhões, e diante de ti se prostrarão; far-te-ão as suas súplicas, dizendo: Deveras Deus está em ti, e não há nenhum outro deus. Isaías 45:14
E Asa, e o povo que estava com ele os perseguiram até Gerar, e caíram tantos dos etíopes, que já não havia neles resistência alguma; porque foram destruídos diante do Senhor, e diante do seu exército; e levaram dali mui grande despojo. 2 Crônicas 14:13
 E falaram Miriã e Arão contra Moisés, por causa da mulher cusita, com quem casara; porquanto tinha casado com uma mulher cusita. Números 12:1

Vi as tendas de Cusã em aflição; tremiam as cortinas da terra de Midiã. Habacuque 3:7
Então foram chamados os escrivães do rei, naquele mesmo tempo, no terceiro mês (que é o mês de Sivã), 
aos vinte e três dias; e se escreveu conforme a tudo quanto ordenou Mardoqueu aos judeus, como também aos sátrapas, e aos governadores, e aos líderes das províncias, que se estendem da Úndia até Etiópia, cento e vinte e sete províncias, a cada província segundo o seu modo de escrever, e a cada povo conforme a sua língua; como também aos judeus segundo o seu modo de escrever, e conforme a sua língua. Ester 8:9
E disse Joabe a Cusi: Vai tu, e dize ao rei o que viste. E Cusi se inclinou a Joabe, e correu. 2 Samuel 18:21

Na mitologia grega, Mêmnon (em grego: Μέμνων) era um rei etíope e filho deTitono e Eos. Ajudou Príamo, rei troiano, a combater os gregos. Durante a guerrade Troia, levou um exército para defesa de Troia e foi morto por Aquiles em retaliação pela morte de Antíloco. A morte de Mêmnon ecoa a morte de Heitor, outro defensor de Troia que Aquiles também matou em vingança pela companheiro caído. As lágrimas de Eos pela morte do filho ainda são vistas no orvalho da manhã.

Um afro abraço
Claudia Vitalino

Fontes:Wikipédia. Kebra Negast. Disponível em:https://pt.wikipedia.org/wiki/Kebra_Negast. Acesso em: 31 ago. 2015.Wikipédia. Beth Israel. Disponível em: https://translate.google.com.br/translate?hl=pt-BR&sl=en&u=https://en.wikipedia.org/wiki/Beta_Israel&prev=search. Acesso em: 31 ago. 2015.

Tem show gratuito de música ao vivo em Jaçanã no fim de semana!

musica
Quem passa pela Avenida Paulista aos domingos já se acostumou com as inúmeras apresentações musicais no percurso da via. No entanto, em bairros mais afastados do centro, atividades culturais nas ruas, apesar de regulamentadas, não acontecem com tanta frequência. Para mudar este cenário, a Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo criou o projeto “SP Cultura na Rua”, que leva shows gratuitos para as periferias de São Paulo!
As apresentações acontecem no dia 24/2, na Praça João Batista Vasques (mais conhecida como Praça do Jaçanã, em frente ao Museu do Jaçanã), das 14h às 17h, com a artista Mariana Degani e as bandas Tão São Quanto Francisco e Pássaro Vadio.

CONHEÇA OS ARTISTAS

A música da cantora e compositora Mariana Degani combina criações visuais com sonoridades tropicais e urbanas. Inspirada por diferentes atmosferas, a artista aproveita o simbolismo das cores, dos pássaros e de fatos reais para criar suas canções. Seu primeiro disco, “Furtacor”, foi lançado em São Paulo e apresentado em festivais na França, Espanha e Portugal.
Foto: Jorge Bispo
Foto: Jorge Bispo
A banda Tão São Quanto Francisco, formada por Gabriel Peri, Renão, Renato Pascoal e Kleyton Mendes, é conhecida por suas apresentações performáticas e a união harmoniosa da banda com o violão de nylon.
Foto: Tão São Quanto Francisco
Foto: Tão São Quanto Francisco
A banda Pássaro Vadio, formada pelos músicos Ramiro, Jojô e Dani Neves, apresenta um repertório que vai de ritmos folclóricos da música brasileira ao dream-pop e folk psicodélico, com composições próprias que misturam sonoridades de diferentes tempos e lugares e fazem referência a Caetano Veloso, Devendra Banhart, Fela Kuti, Tame Impala e Tom Jobim.
Foto: Pássaro Vadio
Foto: Pássaro Vadio

Fonte: BRASIL CULURA

“Chamei o caçula: filho, a partir de hoje acabou esse papo de acreditar que temos direitos”

Tropas do Exército fazem patrulha pelas ruas da Rocinha (FOTO José Lucena/Futura Press)
 
Publicado no Facebook de Rosiane Rodrigues, pesquisadora no Instituto de Estudos Comparados em Administração de Conflitos
Chamei o caçula, expliquei a situação e fiz todas as recomendações:
“Filho, a partir de hoje acabou esse papo de acreditar que temos direitos. Estamos sob intervenção militar. Isso significa que se um cara do exército cismar com a tua cara, eu não tenho a quem recorrer. Não tem ministério público, não tem nada, não tem justiça, entendeu??
O Rio está sendo governado por um general que não dá satisfação nem para o governador, nem para ninguém. É ele quem decide o que fazer, com quem fazer e aonde fazer. É uma ditadura.
Você não sabe o que é, mas vai entender…. então, você tem 13, mas parece que tem 16 e tem cara de pobre porque você é negro. A gente mora na CDD… Entendeu? Não pode sair sem documento. Está proibido de usar boné, short de tactel e casaco de capuz.
Está proibido de fazer algazarra com seus colegas na volta da escola. Proibido blusa do Flamengo ou de qualquer outro time…. Se você for parado, chame o soldado de senhor, mesmo que ele aparente ter a sua idade. E não faça nenhum movimento brusco. Eu preciso de você vivo, meu filho”.
Não dá para relativizar com a vida dos nossos.
Fonte: Diário do Centro do Mundo - DCM