Postagem em destaque

GRUPO DE CAPOEIRA CORDÃO DE OURO-NOVA CRUZ/RN REALIZOU O BATIZADO E TROCA DE CORDA FECHANDO COM CHAVE DE OURO! CONFIRAM!!!

FINAL - FOTO HISTÓRICA  - GRUPO DE CAPOEIRA CORDÃO DE OURO MOMENTO DO "ESQUENTE"  MOMENTOS DECISIVOS - MUITA CONCENTRAÇ...

terça-feira, 15 de outubro de 2019

CASA DE CULTURA "LAURO ARRUDA CÂMARA" - A PRIMEIRA DO ESTADO DO RN

Fonte: FJA/Informática
NOVA CRUZ/RN
A Casa de Cultura Popular, Palácio “Lauro Arruda Câmara”, no município de Nova Cruz/RN, inaugurada em julho de 2003, situada a Rua Getúlio Vargas, nº 95, centro, localizada na região Agreste Potiguar, há 93 km da capital, com população estimada em 37.233 habitantes.
As Casas de Cultura

            As Casas de Cultura Popular foram pensadas para descentralizar e democratizar as ações do Estado na área da cultura. Com elas, o Estado deixa de concentrar suas ações na capital e nas maiores cidades e chega a um maior número de municípios. Sem dúvida nenhuma, elas são um equipamento cultural importante. Nossa esperança é vê-las dotadas de estrutura adequada para acolher os diversos eventos artísticos e culturais existentes nas diferentes regiões do estado do Rio Grande do Norte.

            Criadas em 2003, na gestão do escritor François Silvestre, muitas dessas casas destaca-se pela singularidade arquitetônica. Seguindo o objetivo inicial, e que se mantém até hoje, casarões históricos, sobrados neocoloniais e antigas estações de trem foram restaurados gradativamente para abrigar a programação cultural produzida espontaneamente pela sociedade civil e aquela derivada das políticas públicas planejadas pelo Governo do Estado por meio da Fundação José Augusto.

            Projeto ousado, ele antevia a existência de centros culturais em todos os municípios do estado. Isso possibilitaria a artistas, mestres populares, artesãos e a todos os produtores de bens culturais um lugar de encontro com o público. O projeto baseava-se no princípio republicano do acesso democrático à cultura, propondo transformar todas as cidades, pequenas, médias ou de grande porte, em potenciais promotoras de suas identidades artística e cultural.

            De fato, as Casas de Cultura, a depender de uma política pública consistente e de uma boa interação com a comunidade, podem transformar a cena cultural de cada cidade. Apesar da grande descontinuidade das políticas nessa área, as Casas de Cultura têm conseguido manter uma dinâmica surpreendentemente presente e criativa, com exposições de pintura, sessões de cinema, shows musicais, apresentações teatrais e formação artística.
            Com a participação das Prefeituras, de organizações não-governamentais, dos artistas, agentes culturais, produtores e demais atores sociais, as Casas de Cultura Popular têm sido o grande elo a integrar o poder público, a sociedade civil, a iniciativa privada e o mercado de bens culturais. Desse modo, agindo como elo integrador, elas contribuem para a preservação do patrimônio cultural, para a sustentabilidade da cadeia produtiva da cultura e para o desenvolvimento social e econômico da região. Ampliar e aprofundar esta missão é o grande desafio para as Casas de Cultura Popular e, consequentemente, para os seus gestores.
            Sejam bem-vindos. Para todos nós que participamos deste momento e deste desafio, é um privilégio ter a oportunidade de, em nome da cidadania e do bem comum, colaborar com a profissionalização da gestão pública estadual, dialogando com o universo da diversidade cultural. Somos todos convidados a deixar nossa “marca” na democratização da cultura do estado do Rio Grande do Norte.

Por, Aécio Cândido – Diretor Administrativo da FJA.

Clique em cada Casa de Cultura para maiores informações.

MUSEUS DO RIO GRANDE DO NORTE - FIQUEM POR DENTRO!

Centro de Documentação Cultural Eloy de Souza - Cedoc
O  Centro de Documentação Cultural Eloy de Souza (Cedoc) está sediado no Solar João Galvão de Medeiros,  construído no início do século XX. Pertenceu ao coronel João Aureliano de Medeiros. Adquirido do senhor João Alfredo, em 1908. Restaurado pela Fundação José Augusto, não sofreu reforma substancial, conservando seu frontão característico com cornijas e varandas laterais. Constitui juntamente com outras edificações um conjunto harmonioso, reminiscência da parte mais antiga da cidade. Tombado e restaurado pelo governo do estado em 1999. Em seus arquivos encontram-se acervos particulares do ex-governador Silvio Pedroza, José Augusto Bezerra de Medeiros, do acadêmico e sócio fundador da academia de letras do Rio Grande do Norte o Dr. Manoel Rodrigues de Melo. Atualmente, a Fundação José Augusto, através de uma equipe de estagiários e profissionais capacitados inventariando, catalogando  para disponibilização na internet.

Endereço: Av Câmara Cascudo, 431, Cidade Alta, Natal/RN - fone: 84 3232-9724/5363
Museu Arte Sacra
O Museu de Arte Sacra do RN, criado em 21 de dezembro de 1988 e instalado na Igreja Santo Antônio, tem como objetivo recolher, inventariar e expor objetos de arte religiosa do Estado, cujo patrimônio.
Museu Café Filho
O museu tem um acervo documental e iconográfico sobre o norte-rio-grandense presidente Café Filho, incluindo aspectos biográficos e informações sobre a vida política, com registro de fotos de suas viagens e de suas campanhas. O museu dispõ


O Memorial encontra-se organizado em dois pavimentos, funcionando no andar térreo um museu com temas ligados ao folclore e à cultura popular, além de objetos pessoais e homenagens ao nosso patrono. Neste andar funciona também um Atelier de Artes Plásticas, onde são ministrados cursos de desenho e pintura a cargo do renomado artista Jomar Jackson. No andar superior contamos com um auditório para 200 pessoas, para exibição de vídeos e documentários sobre Câmara Cascudo e a cultura popular brasileira.
 O prédio que abriga o Memorial foi construído nas últimas décadas do século XVIII, para nele funcionar os serviços administrativos da Fazenda Real. Em 1875 o prédio foi reconstruído, abrigando, em 1922 a “Delegacia Fiscal”, já no período da República. Em 1946, surgiu a idéia de demolir o lugar, mas várias pessoas protestaram contra a demolição, inclusive Cascudo. Restaurado, foi ocupado em 1955 como sede do “Quartel General da 7ª. R. M.”, em Natal, até 1977. O prédio, em estilo neoclássico, foi tombado a nível estadual em 24 de agosto de 1989, e foi palco de acontecimentos históricos de importância nacional, como o Movimento Republicano de 1817.
 O histórico sobrado possuiu vários nomes, tendo como variantes: Provedoria Real, Fazenda Real, Real Erário, tendo ainda o curioso apelido de “Vaca Amarela”. Segundo Cascudo, a origem do apelido vem do fato de ser pintado de amarelo, cor privativa dos edifícios públicos do Império, e em alusão “ao fato de amamentar numerosos bezerros bípedes”, uma vez que “daria leite dourado”.
Esse edifício tem seu valor histórico, não só pela função específica, para o qual foi construído, servindo aos negócios fazendários do Reino, nos tempos da Capitania e Província, mas, sobretudo testemunhando acontecimentos políticos de importância nacional, como o Movimento Republicano de 1817, em Pernambuco, quando repercutiu no Rio Grande do Norte. Hoje este prédio homenageia o maior intelectual que este estado já conheceu. Nele, sua vida e sua obra, estão vivas e presentes no cotidiano de uma terra e de um povo que ninguém amou mais do que ele.
Restauração 
O Governador do Estado entregou à população norte-riograndense, no dia 13 de agosto de 2018, o Memorial Câmara Cascudo totalmente restaurado. Com investimento na ordem de R$ 300 mil, o espaço teve suas instalações hidráulicas e elétricas renovadas, bem como os revestimentos, esquadrias e pintura. A partir de agora, o Memorial está dotado de uma estrutura que possibilitará realização de eventos culturais e de lazer, uma vez que além da reforma do prédio, está sendo adquirido novo mobiliário e equipamentos como condicionadores de ar e elevadores para acessibilidade.
A obra foi financiada via Banco Mundial, e teve por objetivo promover e ampliar os equipamentos culturais do Estado, imprescindíveis para preservação da cultura e fomentação do turismo potiguar. Atualmente o Memorial está recebendo as aulas da Escola de Dança do Teatro Alberto Maranhão (EDTAM), enquanto o casarão histórico da escola também passa por reforma.


( Clique na Foto para visualizar album do Memorial Câmara Cascudo )
Memorial Câmara Cascudo: 
Praça André de Albuquerque, 30, Centro, Natal/RN, CEP: 59.025-580
Visitação: 
Segunda a sexta-feira: 08h às 17h
Sábado: 08h às 13h
Direção: Gilberto Alves dos Santos
Contato: (84) 9642.0515
Memorial Câmara Cascudo
A 10 de fevereiro de 1987, o Governo do Estado do Rio Grande do Norte, representado pela Fundação José Augusto, criou o MEMORIAL CÂMARA CASCUDO, com o objetivo de homenagear o maior nome intelectual do Estado.

Pinacoteca Potiguar
A atual Pinacoteca do Rio Grande do Norte já foi o Palácio do Governo e é a maior expressão da arquitetura neoclássica em Natal. Inaugurado em 1873, o governador Alberto Maranhão, transformou-o em 1902 na sede do Governo Estadual.

Fonte: cultura.rn.gov.br

Sertão Branco - A cadeia produtiva do gesso em Pernambuco



Fonte: Jornalistas Livres

NOSSA SOLIDARIEDADE A E. E. ALBERTO MARANHÃO - NOVA CRUZ/RN

 DIRIGENTES DA E. E. ALBERTO MARANHÃO ADERINDO AO PROGRAMA RONDA ESCOLAR em 2016
 CULTURA ABRAÇADA PELA E. E. ALBERTO MARANHÃO - NOVA CRUZ-RN
ESCOLA ALBERTO MARANHÃO ONTEM E HOJE

O Centro Potiguar de Cultura - CPC/RN, entidade cultural e sem fins lucrativos com sede e foro em Nova Cruz/RN, vem de público solidarizar-se com a ESCOLA ESTADUAL ALBERTO MARANHÃO de Ensino Fundamental sobre  caso acontecido recentemente no âmbito escolar.

Para o caso ocorrido  no âmbito da escola nenhuma instituição escolar deseja ou sonha, mas ocorre, isolado, mas ocorre!  Tão logo o fato com duas adolescente ocorrido na escola a Direção, juntamente com a Equipe Pedagógica tomaram as medidas cabíveis de imediato. Inclusive convocando os pais das mesmas.

Isto quer dizer que o que tinha de ser feito foi feito.  Agora por isso a escola não ser tachada disto ou daquilo, muto pelo contrário, a comunidade escolar, juntamente com os pais tem que abraçar a escola e fortalecer os laços afetivos, educacionais, culturais, religiosos e fraternos, só assim a escola retoma sua rotina e acelera o desenvolvimento democrático e educacionais, que todos querem.

Somos conhecedor das lutas constantes e das ações que a escola vem fazendo, principalmente nos últimos anos.

A ESCOLA ESTADUAL ALBERTO MARANHÃO TEM TRADIÇÃO, TEM MEMÓRIA, TEM EXEMPLO DE QUALIDADE E COMPROMISSO COM A SOCIEDADE E ESPECIAL COM SEUS ALUNADOS!

A nossa SOLIDARIEDADE ao professor e diretor, MATIAS FRANCISCO DA COSTA JÚNIOR e toda a sua equipe!

Portanto, estamos juntos para a escola continue com os seus avanços e que a comunidade escolar se una em torno da mesma para que siga em frente, atingindo assim seus objetivos, que o AMOR AO PRÓXIMO, UMA EDUCAÇÃO DE QUALIDADE, RESPEITANDO O PRÓXIMO e nós do CENTRO POTIGUAR DE CULTURA - CPC/RN, assinamos embaixo.

"Sua história merece ser respeitada! Todos nós somos um pouco da Escola Estadual ALBERTO MARANHÃO!" - Eduardo Vasconcelos - Presidente do CPC/RN

Leia a matéria abaixo e conheça um pouco da E. E. Alberto Maranhão

Escola Estadual Alberto Maranhão :Primeira Escola Pública


Em 22/06/1850,pela resolução 217, foi criada uma cadeira de primeiras letras para meninos. Em 01/01/1912, o governador Alberto de Albuquerque Maranhão, construiu o primeiro prédio escolar na Praça. Dix-Sept Rosado (atualmente Central do Cidadão). Em 1919, um prédio maior foi construido; dessa vez na Pça.Barão do Rio Branco (atualmente os Correios)Em 1934, o Interventor Federal Dr. Mário Câmara que juntamente com o Dr. Amphiloquio ,Diretor Geral do Departamento de Educação de Estado e o então Prefeito Antônio Arruda Câmara. inauguraram as obras de construção do edifício do Grupo Escolar "Alberto Maranhão que foi reformado desde a fachada ao piso, aumentando duas salas de aula e um pavilhão para educação física. Em 1951 o prédio foi demolido em consequência de um episódio dramático para a administração da cidade na época: Era prefeito o Exmo. Lauro Arruda Câmara que num ato de solidariedade, permitiu a um portador de hanseníase- em passagem pela cidade- que se abrigasse durante alguns dias, nas dependências do então Grupo Escolar Alberto Maranhão.Era período de férias.Chegado o inicio das aulas, mesmo o referido hanseniano tendo ido embora da cidade, os pais dos alunos recusaram-se a permitir que seus filhos voltassem às salas de aula .Sem outra alternativa, tendo em vista o preconceito e a falta de informações que a medicina da época não dispunha sobre esse mal , o Prefeito Lauro Arruda Câmara, viu-se obrigado a mandar demolir o belo prédio do Grupo Escolar e construir um outro que começou a funcionar em 1954 - o que atualmente conhecemos como Escola Estadual Alberto Maranhão- localizado na Rua 1º de Maio.

Texto: Ilvaíta Maria Costa

Fonte: Joaquina Tavares Costa (Donzinha)

Clic no link e conheça mais sobre a escola Alberto Maranhão https://www.escol.as/77330-escola-estadual-alberto-maranhao-ens-1-e-2-graus