Postagem em destaque

A hora e a vez de lutar pelo Fundeb

Prestes a vencer, programa imprescindível para educação básica no país precisa ser reeditado com melhorias Programa fundamental para ed...

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

SINDICATO NACIONAL DOS DOCENTES DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - ANDES: INFORMANDES ONLINE de N° 502


Nacional
ANDES-SN divulga segundo vídeo sobre Ciência e Tecnologia

O Grupo de Trabalho de Ciência e Tecnologia (GTC&T) do ANDES-SN divulgou, nesta quarta-feira (3), o vídeo “Dependência, Desenvolvimento e Política de Ciência e Tecnologia na América Latina”.
Servidores estaduais iniciam 2018 mobilizados contra salários atrasados e por 13º
Servidores públicos de diversos estados iniciaram o ano de 2018 sem receber todos os seus salários de 2017, e alguns sequer receberam seu 13º. É o caso de categorias do serviço público do Rio de Janeiro, do Rio Grande do Norte, do Rio Grande do Sul e de São Paulo.
Entidades Nacionais dos Servidores Públicos requerem direito de resposta à Globo
Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais, entre elas o ANDES-SN, encaminharam à Rede Globo de Televisão, no dia 19 de dezembro, um pedido de direito de resposta relativo às matérias veiculadas pela emissora no Jornal Nacional dos dias 4 e 5 de dezembro de 2017.
Pressão da sociedade obriga governo a mudar portaria do trabalho escravo
Depois de sofrer uma enxurrada de críticas dentro e fora do país, o Ministério do Trabalho publicou uma nova portaria sobre as regras de combate ao trabalho em condições análogas à escravidão no Brasil. O texto foi publicado na última edição do ano do Diário Oficial da União, na última sexta-feira (29).
Reforma Trabalhista acentua demissões e precarização
Os dados divulgados na última quarta-feira (27) pelo Ministério do Trabalho, referente ao Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) de novembro, revelam os efeitos nefastos que a reforma Trabalhista está provocando na força de trabalho, historicamente, precarizada: o fechamento de postos de trabalho, a demissão de trabalhadores com salários maiores com substituição por outros com salários menores e a criação de vagas precarizadas.
Instruções do Banco Mundial podem levar ao fim da pesquisa científica no Brasil
A conclusão do relatório do Banco Mundial, intitulado “Um Ajuste Justo. Análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil”, de que o Estado brasileiro gasta mais do que pode e gasta mal, é muita “vaga” quando se trata de analisar os gastos com o ensino superior nas universidades públicas, defende o professor Peter Schulz.
Seções Sindicais
Terceirizadas da UFPel enfrentam precarização e sobrecarga de trabalho
Após a eliminação de 60 postos de trabalho terceirizados da limpeza da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), as 139 funcionárias que permanecem contratadas enfrentam sobrecarga e condições degradantes de trabalho. Situações de assédio moral e acúmulo de afazeres intensificaram-se após o corte de cerca de 1/3 das trabalhadoras, ocorrido em novembro.
Docentes da Uern decidem manter greve contra atrasos salariais
Professores e professoras da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte se reuniram em assembleia na manhã desta quinta-feira (4), para avaliar o movimento paredista na universidade e encaminhar estratégias de luta para fortalecer a greve, iniciada em 10 de novembro.
Após negociação, reitoria da Uepb começa a liberar retroativo das progressões
Os professores e técnico-administrativos da Universidade Estadual da Paraíba (Uepb) já começaram a receber, no final de 2017, o pagamento do retroativo referente às progressões de carreira no período de 2015 a 2017. O pagamento foi confirmado, na última semana de dezembro, para a direção da Associação dos Docentes da Uepb (Aduepb Seção Sindical do ANDES-SN) pela reitoria da instituição. A entidade vinha negociando o pagamento com os gestores da universidade e já possui uma ação na justiça com o mesmo objetivo.
PEC da autonomia financeira das universidades é aprovada no RJ
A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 47 foi aprovada pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), no dia 21 de dezembro, por unanimidade. A PEC garante a autonomia financeira das universidades estaduais fluminenses, a partir do ano de 2020, obrigando o governo a transferir mensalmente os duodécimos (um doze avos) do orçamento aprovado das instituições – o que não vem ocorrendo nos últimos anos.
Docentes das Estaduais baianas apresentam pauta de reivindicações para 2018
O Fórum das ADs, que reúne as seções sindicais do ANDES-SN das quatro universidades estaduais da Bahia, protocolou junto ao governo do estado a pauta de reivindicações dos docentes da Uneb, Uesb, Uesc e Uefs para 2018. O documento foi apresentado à governadoria e às secretarias estaduais da Educação (SEC), da Administração (Saeb) e das Relações Institucionais (Serin) ainda em dezembro. A categoria reivindica a abertura da mesa de negociação de maneira imediata, reforçando o cenário de indicativo de greve aprovado pelos docentes das quatro universidades estaduais.
Ato reúne servidores públicos em Mossoró (RN) na luta contra atrasos salariais
Docentes da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (Uern) e se reúnem a servidores estaduais de diversas categorias, nesta quarta-feira (3), em um ato público unificado, para denunciar a falta de pagamento dos salários de novembro, dezembro e do 13º.
Outras Lutas
198 argentinos foram condenados em 2017 por crimes de lesa-humanidade
Segundo a Procuradoria de Crimes Contra a Humanidade (PCCH) da Argentina, 198 pessoas foram condenadas no país, em 2017, por crimes de lesa-humanidade cometidos durante a ditadura civil-militar (1976-1983).
Petroleiros estão em estado de greve contra privatização da Petrobras
Petroleiros realizaram um dia de paralisação, na última quarta-feira (3), contra a privatização da Petrobras e em rejeição ao Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) proposto pela empresa, que retira direitos como benefício-farmácia, auxílio-alimentação e garantias aos membros da Comissão Interna de Prevenção a Acidentes (Cipa), além de reajustar os salários em 1,73%, valor muito abaixo da inflação.
Agenda
Janeiro
22 a 27 - 37º Congresso do ANDES-SN, com tema central “Em defesa da educação pública e dos direitos da classe trabalhadora. 100 anos da reforma universitária de Córdoba”. Local: Universidade do Estado da Bahia (Uneb). Salvador (BA).
Para receber este informativo escreva para suporte@andes.org.br

Contos Africanos:O coração do chacal não deve ser comido



Eles (os bosquímanos) consideram que uma criança não deva ser tímida, por isso, as crianças não devem comer coração de chacais “, porque o chacal é muito medroso e foge de medo.

O coração do leopardo é que deve ser comido pelas crianças, pois ele não teme a nada, portanto, se uma criança torna-se covarde por causa do coração do chacal, e vai ter medo de tudo.

Portanto, nós não damos a uma criança o coração do chacal, porque sabemos que o chacal costuma para fugir, mesmo quando ainda não nos viu, apenas quando ele ouve o farfalhar de nosso pé, ele foge, mesmo quando ainda não nos avistou.

"O meu avô, Tssatssi, havia comprado um bando de cães de gappem-ttu, e ele lhe deu um cão. E ele pegou o cachorro, amarrou e levou ele embora, segurando a corda com a qual ele tinha amarrado o cachorro. Num primeiro momento, ele manteve o cão amarrado, mas


depois o soltou para farejar e ele matou alguns chacais".

Ele (meu avô) esfolou os chacais, e minha avó costurou a pele deles e as vestiu.
Ele matou depois outro chacal e um Lalandii Olocyon, ele os trouxe para casa para os esfolar.
E ele fez uma kaross (1) para gappem -ttu, um kaross de pele de chacal, enquanto ele ficou com o karossos de Otocyon, a pele do Otocyon.

E levou o kaross para gappem-ttu, o kaross de chacais, porque o gappem-ttu foi o único que


lhe deu um cachorro. Portanto, ele fez uma kaross para gappem-ttu em troca do cachorro que ganhou. Então gappem-ttu lhe deu um pote em troca do kaross. E meu avô voltou para casa.

Então, meu avô costumava agir dessa maneira, quando ele estava cozinhando um chacal, ele dizia: “Você pensa que nós comemos corações de chacais? Se fizéssemos isso seríamos covardes, portanto não comemos os corações dos chacais.

Pois, o meu avô não costumava comer o chacal, ele só o cozinhava para seus filhos.

Nota: Kaross é uma casaco feito de pele de carneiro, ou de outros animais, e que mantém o pêlo deles. Não tem mangas e é usado pelos khoikhoi e bosquímanos da África do Sul. Esses casacos pode ser substituídos por um lençol. Os chefes dessas tribos usam karosses de peles de gatos selvagens, leopardos ou caracais. A palavra pode ser empregada para designar também aqueles de pele de leopardo usados por chefes e pessoas ilustres da tribo

kaffir. Kaross é provavelmente uma palavra de origem khoikhoi, ou ainda uma adaptação do holandês kura, um cuirass. No vocabulário datado de 1673 karos é descrita como uma corruptela de uma palavra holandesa. Hoje em dia o kaross é uma lembrança comum para turista, sendo até feito de pele de vaca. O termo é comumente aplicado para designar lençóis de pele vendido como colchonete.

"Chacal dourado (Canis aureus bea), Serengeti National Park, Tanzania. Os bosquímanos não deixam crianças comer o coração de um chacal. O chacal é um animal medroso e eles acreditam que se uma criança comer o coração dele, vai se tornar uma pessoa medrosa."

Um afro abraço.
Claudia Vitalino

Fonte:http://www.sacred-texts.com/afr/sbf/sbf74.htm

A história do Marquinhos é um triste exemplo de covardia e violência no futebol brasileiro

LUCAS MERÇON / FLUMINENSE F.C

Marquinhos Calazans, do Fluminense, recuperava-se de uma cirurgia no joelho quando foi agredido por torcedores rivais — e agora vai passar quase o ano todo em recuperação.
Resultado de imagem para imagens de Marquinhos Calazans
Foto Google
Conhecido como Marquinhos Calazans, o jogador foi vítima de mais um caso de violência e covardia no futebol brasileiro. E mostra que nem atletas profissionais estão imunes às brigas de torcidas.

Tudo começou em agosto do ano passado. Até ali, a história de Calazans era comum entre atletas profissionais. Ele sofreu uma ruptura do ligamento do joelho direito.

Naquele dia, ele saiu chorando do campo.
. O resultado foi uma cirurgia no joelho, com expectativa de retornar ao gramado apenas nos primeiros meses de 2018.
Como vários jogadores em início de carreira, Calazans é um atleta promissor, mas com um longo caminho pela frente.
Foram 24 partidas e nenhum gol marcado. Mas o suficiente para ser sondado para jogar na Itália.
Essa trajetória mudou em dezembro do ano passado. Era quarta-feira à noite, dia 13. No Maracanã, o Flamengo jogava a final da Copa Sul Americana. O estádio foi palco de cenas de vandalismo. O time brasileiro acabou derrotado pelo clube argentino Independiente.
Calazans estava a mais de 15 quilômetros dali, em Vista Alegre, zona norte do Rio.
Era de se esperar, portanto, que ele estivesse longe de qualquer confusão envolvendo a partida ou torcedores.
O jogador estava em um restaurante, acompanhado da namorada e de um casal de amigos, quando após a partida do Flamengo ele foi identificado por duas pessoas vestidas com a camisa do rival.
No relato publicado pelo Globo Esporte, os torcedores provocaram o atleta, que se retirou do local e foi para uma lanchonete ao lado. Eles perseguiram Calazans e tentaram agredir sua namorada.
O jogador acabou sendo atacado — justamente no joelho operado.
O médico do Fluminense resumiu o caso para a ESPN: ele sofreu um pisão no joelho."Segundo a versão do atleta, ele foi reconhecido e implicaram com ele. Ele foi para uma lanchonete. Ele foi seguido e teria ocorrido uma série de agressões que infelizmente acabou gerando um trauma. Ele teria recebido uma pisada no joelho, que voltou a romper o ligamento cruzado e o enxerto da primeira cirurgia", disse o médico Michael Simoni.
Antes, Calazans deve aguardar que o inchaço no joelho diminua. Ele deve fazer a cirurgia nas próximas semanas.
O Fluminense soltou uma nota, repudiando o episódio de violência. O jogador, por sua vez, decidiu manter o silêncio.
Até agora, nenhum suspeito foi identificado pela polícia.
Filipe Coutinho é repórter do BuzzFeed News, em Brasília
Contact Filipe Coutinho at filipe.coutinho@buzzfeed.com.
Fonte: https://www.buzzfeed.com/filipecoutinho/a-historia-jogador-triste-exemplo-covardia-futebol?origin=shp&utm_term=.ftGrEWvex#.xbB3B7wkv

Crivella nega verba e casa de cultura afro no Rio fecha as portas.

Do BuzzFeed:
Beth Santos/ Prefeitura RJ
Inaugurada em novembro de 2015 com um investimento de R$ 2,5 milhões da Prefeitura do Rio, a Casa do Jongo no Morro da Serrinha, em Madureira, fechou as portas esta semana por falta de verba.
“Em um ano de governo, a secretária de Cultura [Nilcemar Nogueira] nunca nos recebeu”, disse uma das diretoras da Casa do Jongo, Lazir Sinval.
Lazir é sobrinha de Tia Maria, que no dia 30 de dezembro completou 97 anos. Ela é a jongueira mais velha da Serrinha. O jongo é um ritmo que veio da África com os escravos e é uma das origens do samba.
O imóvel ocupado pelos jongueiros é da prefeitura, concedido a elas por 12 anos. Apesar de a Casa do Jongo da Serrinha ter sido inaugurada apenas em 2015, na gestão de Eduardo Paes (PMDB), o trabalho da entidade existe há mais de 50 anos para a preservação das tradições.
Em 2005, o Jongo da Serrinha passou a ser considerado Patrimônio Imaterial do Sudeste pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico e Nacional).
Há quase 20 anos a Prefeitura do Rio vinha mantendo vínculo de patrocínio para o Jongo da Serrinha. Com a inauguração da Casa do Jongo, as despesas passaram a ser de R$ 400 mil ao ano, atendendo cerca de 400 alunos, entre crianças e adultos, em diversas atividades.
No ano passado, a situação se deteriorou. Segundo a prefeitura, a casa de cultura africana não faz parte da rede mantida pela administração, mas foi beneficiada por recursos da lei de captação de recursos do ISS (Imposto sobre Serviços) em 2017.
Fonte: DCM