Postagem em destaque

PRESIDENTE DO CPC/RN REUNIU-SE COM AS/OS CANTORES/AS JULIANA GOMES E DIEGO RAMOS - ASSUNTO: GRAVAÇÃO DE UM FUTURO CD!

Eduardo Vasconcelos - centro, entre os/as cantores/as, Juliana Gomes e Diego Ramos Hoje (17) a tarde no alpendre da Casa de Cultura &...

sábado, 25 de março de 2017

SEMINÁRIO CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL E EM DEFESA DOS DIREITOS TRABALHISTAS

Coordenadora do SINASEFE, MARIA DO SOCORRO DA SILVA, dando boas vindas as participantes do Seminário

Presenças do SINTEST/RN,Manoel Euflausino (coordenador)(esquerda), Pedro Neto de Oliveira (Coordenador Administrativo) e convidado/sindicalista.
Moacir Soares - Presidente da CTB/RN
Convidados - Plenário antes de começar


SINTEST/RN


Eduardo Vasconcelos - Presidente do CPC/RN
Esquerda p/ direita: Dep. Est. Fernando Mineiro/PT, Senadora Fátima Bezerra/PT, Senador Paulo Paim/PT e Moacir Soares - CTB/RN
SINDSAÚDE/RN - Coordenador Manoel Egídio da Silva Júnior (centro), entre dirigentes

Plenário do IFRN Central lotado!

Coordenadora do SINTE/RN, Fátima Cardoso saudando os presentes

Deputada Federal, ZENAIDE MAIA saudando os presentes - ("A Única Deputada que votou e vota a favor dos trabalhadores/as")

Inicio do Seminário



Companheiro, Dário (CONLUTAS), militante da CONLUTAS e José Teixeira (Coordenador do SINTE/RN) - A União entre todos  para fortalecer a luta!


Grande discurso do Diretor Geral do IFRN - Campus Central, professor José Arnóbio de Araújo Filho




Senadora Fátima Bezerra

Jurista na luta contra o FIM DA PREVIDÊNCIA E DA CLT!


Senador Paulo Paim
O SINASEFE Seção Natal, o Mandato Popular da senadora Fátima Bezerra, a Frente Potiguar em Defesa da Previdência e a Frente Brasil Popular realizarm nesta sexta-feira (24 de março) o Seminário “Contra a Reforma da Previdência Social e em Defesa dos Direitos Trabalhistas”, 

O SINASEFE Seção Natal, o Mandato Popular da senadora Fátima Bezerra, a Frente Potiguar em Defesa da Previdência e a Frente Brasil Popular realizaram nesta sexta-feira (24 de março) o Seminário “Contra a Reforma da Previdência Social e em Defesa dos Direitos Trabalhistas”, com o senador Paulo Paim.
O evento faz parte de um calendário de atividades realizadas por uma série de entidades com objetivo de esclarecer e mobilizar a população sobre as reformas propostas pelo governo Temer e suas consequências para os trabalhadores e as trabalhadoras do país. O Seminário aconteceu no Auditório do IFRN Campus Natal-Central, a partir das 9h e também contou com a participação da senadora Fátima Bezerra. 
Sobre o Senador Paulo Paim
O Senador Paulo Paim iniciou sua vida pública como líder sindical e atua como congressista há 30 anos. Durante seus mandatos, presidiu a Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) do Senado Federal, sendo considerado o melhor senador do país pelo ranking do site Atlas Político, em 2016.
Atualmente, é membro da Comissão de Educação, da Comissão de Assuntos Sociais, da Comissão de Constituição e Justiça e é Coordenador das Frentes Parlamentares Mistas, junto com a Sociedade Civil, que combatem as Reformas Trabalhista e Previdenciária, tendo sido um dos principais articuladores da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), aprovada na última terça-feira (21, de março) para investigar as contas da Previdência.
Acesso
Foram disponibilizadas 800 senhas para acesso ao evento, que contou com dois espaços, o Auditório do CNat/IFRN, local do Seminário com capacidade para 500 pessoas, e outro espaço reservado na Quadra I do CNat/IFRN, onde foi realizada a transmissão para que o público excedente possa acompanhar o evento, pelo fato da capacidade do Auditório foi atingida.
Fonte: SINASEF - RN
Adaptado pelo CPC/RN.

quinta-feira, 23 de março de 2017

Um dia para não se esquecer, 21 de março de 1960. 69 mortos. 180 feridos. Todos negros.

Em 21 de março de 1960, em Joanesburgo, na África do Sul, 20.000 pessoas faziam um protesto contra a Lei do Passe, que obrigava a população negra a portar um cartão que continha os locais onde era permitida sua circulação. Porem resultando em 69 mortos e 186 feridos.

O Massacre de Sharpeville foi divisor de águas na história do apartheid na África do Sul. Entre outras coisas, o terrível fato ocorrido 57 anos atrás acirrou demais os ânimos no país. Mais importante, abriu os olhos da comunidade internacional para a barbárie do regime da minoria branca contra a maioria negra.

Antes de falar do tétrico massacre, bom contextualizar a situação no país à época. Havia um grande partido opositor ao regime e representante da maioria negra, o Congresso Nacional Africano (CNA), aliás, o partido do então jovem Nelson Mandela.

No fim de 1959, o CNA anunciou, em conferência anual, que 1960 seria o ano da luta contra o passe. O famigerado passe – ou caderneta – existia há muito tempo. Antes, controlava os escravos. Depois, com a instauração do apartheid, passou a ser instrumento do governo contra os negros.

Se liga:Manifestação contra o apartheid acaba em carnificina em Johanesburgo. Policiais dispararam contra multidão desarmada cerca de 5 a 7 mil pessoas marchavam contra a obrigatoriedade das crianças falarem o língua “Afrikander”nas escolas e a lei do passe, algo como a nossa carteira de trabalho no Brasil, que nossa polícia e justiça sempre pede aos negros que abordam.

O documento continha foto, dados pessoais, números e registros profissionais, além de anotações sobre imposto de renda e ficha criminal. Os negros tinham de carregar os passes com eles sempre. E apresentar às autoridades sempre que solicitados. É. Já deu pra perceber o que isso causava…

Infelizmente hoje que o regime de segregação racial conhecido como apartheid vem conquistando lamentável lugar de destaque nas páginas do cada vez mais volumoso livro de calúnias da humanidade. Neste mês de março de 1960, porém, um novo capítulo nessa história de intolerância, discriminação e barbárie foi inscrita com o sangue dos negros pelas autoridades brancas da África do 
Sul. No último dia 21, um protesto pacífico contra as leis do passe, incentivado pelas lideranças do Congresso Pan-Africanista e reprimido com violência pela polícia em todo o país, causou uma verdadeira carnificina em Sharpeville, a 45 quilômetros de Johanesburgo. Em uma ação desproporcional e covarde, as centenas de manifestantes que se aglomeravam em frente à delegacia de polícia local tornaram-se alvos vivos dos soldados do comando sul-africano. Revólveres, rifles e submetralhadoras, sem aviso prévio ou justificativa, cuspiram fogo contra a multidão...

Na véspera dos funerais, para evitar novos conflitos, o governo da África do Sul havia anunciado a suspensão da obrigatoriedade do porte do passe pelos negros. Esperançoso com o que parecia um primeiro ato de conciliação por parte da administração de Verwoerd, o planeta foi logo devolvido à realidade obtusa do apartheid com a declaração oficial de estado de emergência em 30 de março. Sob tal auspício, as autoridades sul-africanas voltaram à carga com prisões em massa – o número, ainda não oficial, é de 18.000 detidos, incluindo o líder do Congresso Pan-Africanista, Robert Sobukwe, e a quase totalidade dos cabeças do movimento negro –, além da criminalização das entidades políticas dos nativos. Uma passada de olhos pela história revela que, atuando na clandestinidade, as oposições não demoram a deixar a resistência pacífica em favor da armada. No ambiente incendiário em que se encontra a África do Sul, parece questão de tempo.

No início de março, o Congresso Nacional Africano (CNA) programou, para o último dia do mês, uma nova manifestação anti-passe. Antecipando-se a ela, os membros do Congresso Pan-Africanista (CPA) – fundado no ano passado por dissidentes do CNA –, liderados pelo educador metodista Robert Sobukwe, marcaram seu protesto sobre o mesmo tema para o dia 21, dez dias antes, portanto, da movimentação da associação rival. A campanha, de acordo com a orientação de Sobukwe, deveria ser totalmente pacífica. Todos os africanos deveriam deixar seus passes em casa e, desarmados, comparecer às delegacias de polícia, entregando-se aos oficiais para serem presos. Os líderes do CPA acreditavam que a detenção massiva de negros resultaria numa pane do sistema: não apenas as prisões ficariam superlotadas, mas também a economia seria bruscamente afetada, com boa parte da força de trabalho no cárcere.

O CNA, portanto, queria marcar o dia 31 de março como uma demonstração nacional contra as leis do passe. No entanto, o Congresso Pan-Africanista (PAC), uma dissidência do CNA fundada no final de 1959, sob liderança de Robert Subukwe, resolveu se antecipar e organizou um protesto pacífico para o dia 21.

“É patética a fé do governo em metralhadoras para resolver problemas humanos básicos.” O bispo anglicano de Johanesburgo apelou “a todos aqueles que têm sentimentos humanos na África do Sul para combater as táticas policiais.” No entanto, o mais simbólico, contundente e representativo protesto contra a administração federal veio por cortesia de uma manifestação de mais de 500 estudantes brancos da Universidade de Natal, em Durban. Os jovens mandaram confeccionar cartazes nos quais, em menos de 30 caracteres e com uma lapidar frase sem verbo, resumiam a indignação de um planeta: “Hitler 1939, Verwoerd 1960”. Nada mais precisa ser dito. Mas algo precisa ser feito para que se evite, duas décadas depois, a repetição de tal aberração.

Em memória a este massacre a Organização das Nações Unidas – ONU – instituiu 21 de março o dia Internacional de Luta contra a Discriminação Racial.

"Há de 57 anos… dia 21 de março de 1960, 69 mortos. 180 feridos. Todos negro".
Uma afro abraço.
Claudia Vitalino.
REBELE-SE CONTRA O RACISMO!

fonte:http://www.pordentrodaafrica.com/noticias/por-dentro-da-historia-o-massacre-de-sharpeville-durante-o-apartheid/fotos net

UFRN: CENTRO DE CONVIVÊNCIA DJALMA MARANHÃO, VISITE-O!











UFRN - Campus Central: Um espaço especial, visite-o!