Postagem em destaque

Brasil é excluído de Convenção sobre biodiversidade

←  Enfrentar a volta da fome é um dos grandes desafios dos próximos anos Por Leidiane Souza  De 17 a 29 de novembro, a Organização da...

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Meirelles vai fechar a UERJ

Sem Título-8.jpg
É melhor gastar com os rentistas!
Parecer do Ministério da Fazenda sobre Regime de Recuperação do Rio sugere medidas adicionais de contenção de gastos. Pela primeira vez, a intenção de fechar a UERJ e as Universidades Estaduais é oficialmente documentada. Entre as outras medidas, estão a demissão de servidores ativos, a extinção de benefícios previstos para servidores estaduais e criação de alíquota extra para a Previdência.
O Rio encerra nesta semana o longo processo que culminou na adesão do Estado ao Regime de Recuperação Fiscal. Pezão vem insistindo que, com isso, conseguirá pagar os salários atrasados e estabelecer um calendário de pagamentos.
Mas não se engana quem tem insistido que o Acordo é presente de grego. Em parecer assinado pela Secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi, são sugeridas outras medidas de arrocho, além das aprovadas na ALERJ. As medidas contemplam:
  • extinção de mais empresas públicas (além da CEDAE)
  • fim da oferta de Ensino Superior
  • reforma do Regime Jurídico Único dos Servidores
  • demissão de servidores ativos
  • contribuição previdenciária para inativos
  • alíquota extra de contribuição previdenciária (além dos 14% já aprovados)
Quem acompanhou toda a tramitação do Acordo vai lembrar que o Governo Federal tem insistido em algumas dessas medidas, muito embora Pezão e Temer não tenham conseguido apoio dos deputados para aprová-las. A novidade é que, pela primeira vez, o Governo Federal coloca no papel sua intenção de extinguir a UERJ e as demais universidades estaduais do Rio.
A implementação das medidas sugeridas no parecer deverá se dar caso o Estado falhe em colocar em prática alguma das medidas de ajuste já pactuadas. Durante a vigência do Regime de Recuperação Fiscal, as contas do Estado ficarão sujeitas à avaliação de um Conselho de Supervisão, que na prática vai atuar quase como um interventor. O Conselho deverá emitir pareceres sobre a situação financeira do Rio e poderá solicitar a adoção de mais medidas de ajuste além das já combinadas. 
Confira o Parecer Conjunto 01/2017 na íntegra e acesse mais detalhes do acordo na página do Tesouro Nacional.
Fonte: CONVERSA AFIADA

Nenhum comentário:

Postar um comentário