Postagem em destaque

Governo Bolsonaro sabota o cinema, diz o diretor de Bacurau

Para Kleber Mendonça Filho, “o cinema é desmantelado diariamente” no Brasil Kleber Mendonça Filho (o 1º à dir.) integra o júri do Festi...

quarta-feira, 17 de julho de 2019

BIPARTIDARISMO NA DITADURA MILITAR

No processo eleitoral vigente, diversos partidos prometem atender os princípios de diferentes causas sociais e princípios ideológicos. Entretanto, cada vez mais, os eleitores vêem deixando a questão partidária de lado para escolherem aquele candidato que melhor represente os interesses pessoais do cidadão, respondendo de forma imediata a demanda específica do momento. Apesar de ser um problema contemporâneo, a livre associação ainda é considerada o sustentáculo da nossa democracia.
Esse cenário atualizado de nossa situação política pode ser uma interessante questão a ser abordada em sala de aula pelos alunos durante as aulas sobre a Ditadura Militar. Muitas vezes, a valorização do autoritarismo e da opressão exercidas dentro desse regime ofusca do olhar dos alunos algumas particularidades históricas que podem ser trabalhadas como forma de compreender melhor esse período e estabelecer um olhar crítico sobre nossa situação atual.
Para isso, o professor pode utilizar os Atos Institucionais que reorganizaram a política nacional durante a Ditadura como fonte de análise histórica. Nesse caso, a compilação de alguns artigos do AI-2 e AI-4 podem ajudar imensamente o aluno a compreender melhor esse período com a leitura e a interpretação de alguns itens concernentes ao regime político-partidário brasileiro entre as décadas de 1960 e 1980. Se o tempo de aula permitir, o professor pode ainda tentar destacar de que maneira os partidos se organizavam antes do golpe militar.
Depois de realizar a leitura desses documentos, o professor pode salientar que muitos livros didáticos e historiadores diziam que o bipartidarismo no Brasil serviu para que existisse uma “fachada democrática” no país. Entretanto, seria muito interessante mostrar quais as contribuições dadas pelo MDB (Movimento Democrático Brasileiro), partido de oposição ao regime, para que o governo militar e o regime democrático pleno fosse restabelecido no país.
Com isso, apesar de admitir que o campo de atuação política do MDB era extremamente limitado, o professor pode assinalar seu importante papel, principalmente, com o fim do “milagre econômico”. Em tal contexto, o professor pode assinalar como durante as eleições de 1974, o partido utilizou a campanha presidencial da época para denunciar as injustiças promovidas pela ditadura e conclamar a população à defesa da democracia.
Trabalhando com estes elementos o aluno pode ter condições de perceber que a ditadura não teve condições de promover, durante toda sua vigência, uma ação totalmente repressora. Dessa forma, os velhos jargões que sintetizam erroneamente esse período de nossa história dão lugar a uma visão mais coerente. Ao mesmo tempo, os alunos podem perceber que, mesmo com a falta de outros partidos, diversas figuras políticas de diferentes orientações se uniram em torno do ideal democrático.
Por Rainer Sousa
Graduado em História

Nenhum comentário:

Postar um comentário