Postagem em destaque

Secretária em test-drive, Regina Duarte já defendeu cortes na cultura e atacou indíos

No ano passado, por exemplo, em entrevista ao jornalista Pedro Bial, da TV Globo, a atriz chegou a defender os cortes de verbas do govern...

quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

Últimos dias da exposição “Sérgio Porto e Stanislaw Ponte Preta…”

A exposição “Sérgio Porto e Stanislaw Ponte Preta, 50 anos depois” lembra o jornalista e escritor por meio de crônicas, fotos e até materiais inéditos. A mostra estará  em cartaz até a próxima sexta-feira, 1º de fevereiro, na Casa de Rui Barbosa, no Rio de Janeiro.
A Fundação Casa de Rui Barbosa inaugurou em dezembro, no hall do edifício sede, no Rio de Janeiro, a mostra “Sérgio Porto e Stanislaw Ponte Preta, 50 anos depois”.  Com curadoria de Cláudia Mesquita, a pequena mostra tem como objetivo homenagear Sérgio Porto e é uma oportunidade de o público conhecer, ou relembrar, aspectos da trajetória ímpar de um dos mais importantes jornalistas, cronistas e escritores cariocas do século XX. Os elementos que estão em exposição até esta sexta-feira (1/2) fazem parte do acervo do jornalista no Arquivo Museu de Literatura Brasileira(AMLB) da Casa de Rui Barbosa, importante reduto para a memória nacional.
Sérgio Porto (1923-1968), juntamente ao seu heterônimo Stanislaw Ponte Preta, foi um dos revolucionários da imprensa brasileira nas décadas de 50 e 60. Conhecido por criar as “Certinhas do Lalau”, o cronista utilizava o humor e a sátira como forma de crítica política ao conservadorismo e à hipocrisia da sociedade da época. Sendo uma grande inspiração para O Pasquim, ele foi o criador também de várias gírias e neologismos que se integraram ao vocabulário social, como, por exemplo, bossa-nova e a expressão “samba do criolo doido”; além de inovações em formatos jornalísticos, como a entrevista ping-pong e a fala coloquial com o leitor.
Faz parte dos elementos selecionados: documentos pessoais, correspondências, caderninho de telefone, carta trocada com Carlos Drummond de Andrade sobre gíria carioca e uma carta de Jorge Amado, apresentando o livro de Sérgio Porto “A Casa Demolida” à Academia Brasileira de Letras. “Por se tratar de uma mostra de dimensões bem pequenas, escolhemos destacar aspectos da vida privada e da produção intelectual do Sérgio Porto. Pontos de sua trajetória”, esclarece a historiadora e curadora.
A mostra ficará aberta ao público de segunda a sexta, das 10h às 18h, até o dia 01 de fevereiro de 2019. A entrada é franca.
Endereço:
Fundação Casa de Rui Barbosa
  1. São Clemente, 134 – Botafogo, Rio de Janeiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário